O Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede tem no próximo fim de semana a sua penúltima jornada, com mais quatro espetáculos, todos no âmbito da ação de itinerância que os grupos intervenientes estão obrigados a cumprir para apresentarem as suas produções teatrais noutras comunidades.      

É assim que, no sábado, 1 de abril, às 21h30, o Grupo de Teatro “Renascer” (do (CSRCS – Centro Social de Recreio e Cultura da Sanguinheira) sobe ao palco do salão da Junta de Freguesia de Murtede para apresentar uma nova edição do TVG – Televisão Gandaresa, espetáculo constituído por vários sketches que têm como fio condutor uma emissão televisiva com divertidos e diversificados conteúdos: As Lições do Tonecas, Telejornal e Casting dos Cromos são algumas das propostas de uma grelha de programas que também contempla compromissos publicitários.

Também no sábado, à mesma hora, o Grupo de Teatro “Os Esticadinhos” estará na sede da Associação 1.º de Maio da Tocha para representar Henrique V Que Queria Ser o Primeiro, a partir do texto original do dramaturgo brasileiro Emílio Boechat. Esta divertida comédia relata a guerra de poder entre Henrique V, Rei da Escócia, e Luís I, Rei de França, abordando as principais implicações de um processo dessa natureza numa narrativa que dá conta das aventuras e desventuras amorosas próprias da história. Será a Rainha Elisabeth quem por fim assumirá o poder e o governo de Inglaterra, casando posteriormente com o Rei de França, o que conduz à união de ambas as coroas reais.

Ainda no sábado, igualmente às 21h30, o Grupo de Teatro Amador da União Recreativa de Cadima apresenta, na sede da Associação Musical da Pocariça, Um Casamento em Arregalados, adaptação livre de “A Boda”, de Bertolt Brecht, realizada por Maria João Espírito Santo. Trata-se de uma comédia de costumes no contexto da comemoração do casamento de Maria e Jacob juntamente com a família e os amigos mais chegados. Uma festa aparentemente normal com as histórias do pai, a comida da mãe, o flirt da irmã e as intrigas dos amigos, entre outras peripécias.

Finalmente no domingo, 2 de abril, às 15h30, o Grupo de Teatro da Associação do Grupo Musical de Franciscas interpreta no salão da Junta de Freguesia de Cadima o intemporal Auto da Barca do Inferno, adaptação de Dora de Jesus da obra homónima de Gil Vicente, o pai e mestre da dramaturgia nacional. Considerada como uma verdadeira crónica de costumes da sociedade lisboeta do início do século XVI, a peça continua a ser uma oportunidade para, rindo, problematizar temas sempre atuais e inquietantes como sejam o bem e o mal, a morte e a vida ou o ter e o poder.