Teresa Valente, docente de produção animal no polo de bovinos da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos (EPADRV), acusou o diretor desta escola de assédio e perseguição. A denúncia foi feita na semana passada, ao microfone da TVI. Na reportagem transmitida, a também veterinária da escola localizada na freguesia da Gafanha da Boa Hora descreveu um “comportamento repetido ao longo de quatro meses”, entre outubro do ano passado a janeiro deste ano, nomeadamente recorrendo ao envio de SMS, tendo feito também “abordagens pessoais no gabinete”. “Fiz queixa a várias entidades da administração escolar e na resposta que obtive, há semanas, fui informada que esta minha queixa iria ser anexada a um procedimento de processo disciplinar que já está a decorrer, depois de ter sido iniciado por alguém durante este ano letivo”, rematou.
Contactado pelo JB, o diretor desmentiu todas as acusações, justificando a razão pela qual apresentou queixa no ministério público, bem como na Inspeção-Geral de Educação. Confirmando que a docente continua a dar aulas, encontrando-se o seu contrato em vigor até ao próximo dia 31 de agosto, João de Queiroz Pinto lamentou que a comunidade escolar não tenha aceitado a sua nomeação para diretor da EPADRV.

Leia a reportagem completa na edição do Jornal da Bairrada de 8 junho 2017