Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Arquivo | Desporto

Moita Rugby Clube da Bairrada Campeão Nacional da 2.ª Divisão

São dias de festa que se vivem na Aldeia do Rugby. A freguesia da Moita, no concelho de Anadia tem grandes motivos para sorrir pois os seus homens trouxeram de Lisboa para casa o tão desejado título nacional. Com uma vitória folgada frente ao Guimarães RUFC por 26 -3, o ensaio de João Pais e o ensaio e conversões de Gonçalo Domingues traduziram o grande esforço feito pela Aldeia do Rugby neste jogo, que soube traduzir a sua defesa em vitória merecida.
O Moita Rugby Clube da Bairrada volta, 25 anos depois à 1ª Divisão, um lugar que o clube tem trabalhado muito para atingir nestes últimos anos, através de um projeto sólido de investimento na sua formação que tem dado frutos e títulos e que está para continuar.
Com a bancada do Estádio Universitário de Lisboa cheia de apoiantes, a força extra que os bairradinos precisavam para vencer traduziu-se nesta grande vitória. Uma palavra de conforto para o atleta Jorge Marques, um dos grandes líderes da equipa, que sofreu uma grave lesão, apenas confortada pelo título para a Bairrada.
Jogaram pelo MRC Bairrada: Diogo Pini, Vasco Gomes, Maurício Lameiro, Gonçalo Domingues, Jorge Marques, Rui Ferreira, Pedro Santos, Miguel Heleno, Rui Rodrigues, João Pais, Gonçalo Costa, Pedro Heleno, David Lourenço, Flávio Santiago e Luís Dias. Suplentes: Marco Venâncio, Luís Pires, Daniel Gomes, Pedro Santiago, Henrique Monsanto, Fábio Silva, André Galante e Ruben Ari.
Treinadores: Rui Rodrigues e Marcelo Alves.

Fisioterapeuta: Ana Jorge

Diretores: Vasco Rodrigues e Carlos Dias.
Orgulhosos do feito alcançado, a Aldeia do Rugby promete continuar o trabalho e o projeto, de forma a continuar a dignificar o nosso concelho, a nossa região. Um grande obrigado a todos os nossos adeptos, patrocinadores, apoiantes e familiares por todo o apoio. Com muito pouco é possível fazer-se muito e é com este mote que se trabalha diariamente na Aldeia do Rugby. Parabéns aos campeões, parabéns à Bairrada.
Numa nota na página oficial do Facebook, o presidente do Moita Rugby Clube da Bairrada, Rui Pedro Fernandes, deixou um elogio aos novos campeões: “É com muito orgulho que vejo esta jovem equipa passar para a 1.ª Divisão.
O percurso desta época foi quase irrepreensível, tendo concedido só uma derrota em todo o campeonato. É de louvar a dedicação, esforço e espírito de sacrifício que esta jovem equipa deu para honrar a camisola deste clube que todos trazemos no coração”, lembrando que estamos a falar de “jogadores amadores não remunerados”.
Diogo Rodrigues

Posted in Desporto, Destaque, Rugby0 Comentários

Moita Rugby Clube da Bairrada na final do Nacional da 2.ª Divisão

A equipa sénior do Moita Rugby Clube da Bairrada garantiu no passado sábado o bilhete para a final do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão que se disputa este domingo em Beja.
Depois de na 1.ª mão da meia-final ter vencido em Lisboa por 71-14 a equipa da FC Tecnologia, os homens da Aldeia do Rugby voltaram a não facilitar e venceram no Campo de Rugby da Moita novamente os lisboetas por 55-0, atingindo no conjunto das duas mãos um esclarecedor resultado de 126-14. Agora está a uma vitória da subida à 1.ª Divisão. A presença nesta final do campeonato é, sem dúvida, fruto de muito trabalho e sacrifício de um passado recente, e os resultados começam a aparecer com a sua equipa sénior a atingir uma final que há muitos anos não conseguia. Todos os seus jogadores pertencem à formação do clube e a Aldeia do Rugby prova mais uma vez que este desporto é uma das imagens de marca do nosso concelho e que muito tem feito para o dignificar.
Alinharam pelo MRC Bairrada: Diogo Pini, Marco Venâncio, Vasco Gomes, André Galante, Pedro Santos, Fábio Silva, Rui Ferreira, Miguel Heleno, Rúben Ari, Gonçalo Costa, João Pais, Luís Dias, José Abreu, Henrique Monsanto e André Abrantes. Suplentes: Gonçalo Almeida, Luís Pires, Ricardo Almeida, Daniel Gomes, David Tribuna, David Lourenço, Pedro Heleno, Flávio Santiago e Rui Rodrigues.
Treinadores: Marcelo Alves e Rui Rodrigues.

Ida a Beja. A final CN II Divisão será realizada em Beja, frente à equipa de Guimarães RUFC, no Complexo Desportivo Fernando Mamede, este domingo, dia 24, às 16h, em relvado artificial, integrado na 33.ª OviBeja. Poderá reservar o seu lugar num dos autocarros de apoio à equipa através das listas colocadas nos cafés/restaurantes da Moita, através de telemóvel para Rui Pedro Fernandes (913555550), Inês Coleta (960158803) ou por email para mrcbairrada@gmail.com. O preço por pessoa é de 10 euros.

Posted in Desporto, Rugby0 Comentários

Mealhada está de regresso à 1.ª Divisão um ano depois

Foi uma jornada sem grandes surpresas. Atuando em casa e em dia de aniversário, o Águeda derrotou o Avanca e manteve a liderança, com três pontos de vantagem sobre o Sp. Espinho que, em casa, levou a melhor sobre o Valonguense.
Em Calvão, o Oliveira do Bairro resolveu o jogo na primeira parte com três golos sem resposta e afundou ainda mais uma equipa que não tem salvação.
Em casa, o Famalicão alcançou excelente vitória diante do Cucujães e deixou para trás sete equipas, quatro delas com a descida no horizonte. Grande recuperação que António Flávio tem feito desde que pegou na equipa bairradina.
2-O grande destaque vai para o dérbi eterno entre o Oliveira do Bairro e o Águeda. A rivalidade, sem ser como antigamente, nunca foi apagada entre os dois emblemas, num jogo em que ninguém quer perder, independente da classificação de cada clube. A maior responsabilidade do jogo pertence ao Águeda, que sabe que não pode perder pontos, sob pena de ver de novo o Sp. Espinho tomar-lhe a dianteira. A adrenalina vai ser grande, o estado emocional de cada equipa é diferente, o Oliveira do Bairro não tem a pressão dos pontos, por isso vai jogar olhos nos olhos com o seu rival. Apostamos na tripla. E para além de fazer o seu jogo, o Águeda vai estar com os ouvidos em Castelo de Paiva onde o Sp. Espinho joga. O Paivense tem feito excelente campeonato.
Nas contas pela manutenção, outro jogo chama a atenção: Valonguense – Famalicão. As duas equipas estão separadas por dois pontos, uma possível vitória dos famalicenses deixa-lhes o caminho livre rumo à manutenção. Outro jogo para tripla.
O Calvão joga em São Roque, antepenúltimo classificado. Com o seu destino traçado, o objetivo é tentar fazer o melhor possível.

II DIVISÃO

SÉRIE B. 1-O Mourisquense foi a casa do vizinho Macinhatense e aplicou-lhe uma goleada, mantendo os 8 pontos para Beira-Mar e Vista Alegre.
O Oiã regressou às vitórias e logo com uma goleada, em Requeixo, enquanto o Fermentelos não desperdiçou o fator casa e venceu o Macieira de Cambra.
2-Prevê-se mais uma jornada tranquila. O Mourisquense é favorito na receção ao Rocas do Vouga, sucedendo o mesmo ao Oiã, em casa, frente à Ovarense.
Com um bom registo fora de casa, o Fermentelos é bem capaz de trazer pontos do terreno do Pinheirense. Mais difícil será a tarefa do Macinhatense em S. Vicente Pereira.

SÉRIE C. 1-O Mealhada venceu o vizinho Carqueijo e garantiu a subida à 1.ª Divisão, um ano depois de lá ter saído. Grande campanha dos mealhadenses, que ainda não perderam. No segundo lugar está o Anadia B, que venceu no terreno da LAAC por 4-0.
A Juve Force continua firme no terceiro lugar depois de aplicar uma goleada ao Couvelha (6-0).
O Mamarrosa venceu em Santo André e subiu ao quarto lugar com os mesmos pontos do Carqueijo.
Logo a seguir vem o Águas Boas, que goleou em casa o Aguinense.
Em casa, o Luso levou a melhor sobre o VN Monsarros, sucedendo o contrário ao Ribeira/Azenha e Paredes do Bairro que perderam para o Sosense e CRAC, respetivamente.
2-Agora a luta é pelo segundo lugar. O Anadia B, em casa, frente ao Paredes do Bairro, é favorito.
Equilíbrio prevê-se no Carqueijo – Juve Force e no Aguinense – LAAC. O Mamarrosa, em casa, terá de ser igual a si próprio para levar de vencida o Luso. O Águas Boas tem boas hipóteses de somar pontos no terreno do VN Monsarros. Depois da saída dos jogadores brasileiros, o Couvelha, em casa, poderá ter um adversário à medida, o Santo André, para interromper série de quatro derrotas consecutivas e de goleadas.
O Ribeira/Azenha é bem capaz de encalhar em Parada de Cima, na casa do CRAC, ao passo que no Sosense – Antes, o fator casa poderá ser decisivo.

Posted in Desporto, Tribuna de Honra0 Comentários

Pampilhosa dá mais um passo em falso rumo à manutenção

Num jogo aguardado com alguma expetativa, o Anadia fez a receção ao Fafe e, como aconteceu na primeira volta, fez a vida negra ao líder da Zona Norte.
É verdade que as estatísticas do jogo foram favoráveis aos minhotos, o que acabou por ser determinante no desfecho da partida, mas, mesmo assim, o Fafe só conseguiu marcar praticamente com uma hora de jogo e apenas consumou a vitória nos minutos finais, muito por culpa da forma como o Anadia se apresentou em campo, dificultando ao máximo a superioridade do adversário.
Com mais esta derrota, a terceira consecutiva, o Anadia continua na última posição da tabela.
Na luta pela manutenção, o Pampilhosa averbou a terceira derrota consecutiva, a segunda consecutiva em casa frente ao Operário e está no fio da navalha para garantir a permanência no segundo escalão.
Os ferroviários continuam no sexto lugar, a dois pontos da descida, mas a apenas três do terceiro classificado.
2-O Anadia desloca-se ao terreno do Pedras Rubras. Em jogo está quem pode ficar em último lugar, pois a diferença pontual é de apenas um ponto. São duas equipas da mesma igualha, os pratos da balança podem pender para qualquer um dos lados, num jogo que se prevê dividido, quiçá nos pontos.
O Pampilhosa volta a jogar com uma equipa dos Açores, agora fora, com o Sp. Ideal. A formação da Ribeira Grande apenas consentiu um empate em casa, tem quatro vitórias, 10 golos marcados e apenas um sofrido, por isso é forte no seu burgo e não deve ser o adversário ideal para os ferroviários encetarem a desejada recuperação na tabela.

Posted in Desporto, Visto da Bancada0 Comentários

Carla Martinho e Hugo Ramalho vice-campeões nacionais

No sábado à tarde, a ADERCUS participou no campeonato nacional de 10.000m, que decorreu na Maia, prova na qual também foi disputado o troféu ibérico. Carla Martinho integrou a seleção nacional e foi a 2.ª melhor portuguesa, com um recorde pessoal por larga margem, fixado agora em 33min38,93seg. Os restantes atletas da equipa de Oliveira do Bairro também estiveram em grande plano, tendo batido as suas melhores marcas, com destaque para Cristiana Valente, que venceu destacada a série B, valendo-lhe o 6.º lugar do campeonato nacional, com 35min28,89seg. Débora Santos foi a 10.ª, com 37min18,80seg. e Hugo Ramalho sagrou-se vice-campeão nacional Master do escalão M35, com 33min29,28seg.
Em Aveiro, também no sábado à tarde, disputou-se na pista da Universidade o “Km Jovem distrital” e provas de torneio. Nos 1.000m do “Quilómetro Jovem” as primeiras atletas a entrarem em ação foram as infantis femininas, prova na qual Jéssica Saraiva foi a 15.ª classificada, com a marca de 3min51,72seg e Sara Jesus 17.ª, 4min02,41seg. Seguiu-se Fábio Simões na corrida de iniciados, tendo sido 4.º, com 3min02,33seg. Nos juvenis femininos, Beatriz Rodrigues foi a vencedora, tendo batido o seu recorde pessoal, com a marca de 2min59,26seg e Vanessa Fonseca também a acompanhou ao pódio, no 2.º lugar, com 3min22,50seg. Na corrida masculina, João Claro foi o 11.º, com 3min09,16seg. Catarina Rodrigues também melhorou a sua marca pessoal, com 3m10,18seg, tendo vencido igualmente a corrida para juniores e seniores.
Nas provas de torneio de preparação, o iniciado masculino Carlos Claro foi o vencedor dos 300m, com a marca de 37,83seg, que lhe valeu o mínimo de participação no campeonato nacional de juvenis. Sofia Almeida, do escalão de iniciados, também ficou muito próximo do mínimo de participação no nacional de juvenis, tendo vencido a mesma distância em 45,34seg.
No domingo de manhã, Joana Nunes foi a 2.ª classificada da meia-maratona de Belmonte, com a marca de 1h23min, superada por Clarisse Cruz (SC Salgueiros), que realizou 1h20min.

Posted in Atletismo, Desporto0 Comentários

Finais das taças distritais no Estádio Municipal de Aveiro

A Direção da Associação de Futebol de Aveiro, em parceria com a Câmara Municipal de Aveiro, decidiu marcar as finais da Taça Distrito de Aveiro “Prof. José Valente Pinho Leão” e da Taça Distrito de Aveiro de Futebol Feminino no Estádio Municipal de Aveiro, para o dia 5 de junho.
A final feminina realiza-se pelas 15h, entre a AD Ovarense Futebol e o Clube Albergaria e a final masculina, pelas 17h30, entre o RD Águeda e o SC Beira-Mar.
Entretanto, a Supertaça também já tem local e data marcada. Realiza-se no Estádio Municipal de Vagos, dia 10 de junho, às 17h.

Posted in Desporto, Futebol0 Comentários

Águeda reforça liderança. Mealhada quase de regresso à primeira divisão

Se o Águeda tinha perdido pontos em casa com o São João de Ver, a equipa do concelho de Santa Maria da Feira fez o mesmo na casa do Sp. Espinho e, face à vitória dos Galos no terreno do Milheiroense, a equipa de Augusto Semedo aumentou a vantagem para o seu principal rival na luta pela subida de divisão, agora de três pontos.
Quem ficou fora dessas contas foi o Fiães, que perdeu no reduto do Oliveira do Bairro. Os Falcões estiveram a perder, mas ainda na primeira parte deram a volta ao resultado e mantiveram o 6.º lugar.
Num jogo recheado de golos, o Famalicão empatou a três no reduto do São Roque, um resultado que não serviu aos locais, praticamente condenados à descida, e não de todo aos bairradinos.
O Valonguense alcançou excelente vitória em casa frente ao Cucujães e ficou a respirar um pouco melhor, o que não acontece com o Calvão que voltou a perder, desta vez em Avanca e já não tem hipóteses de salvação.
2-Em fim de semana de aniversário, o Águeda recebe, este sábado, o Avanca, num jogo em que os Galos tudo farão para dar uma prenda aos seus adeptos, dando assim mais um passo rumo ao Campeonato de Portugal.
O Oliveira do Bairro joga em Calvão onde mora uma equipa destroçada e que não deverá dar grande resistência a um adversário que atravessa um bom momento.
Em casa, o Famalicão joga importante cartada rumo à manutenção frente ao Cucujães, capaz do melhor e do pior. Só a vitória interessa aos bairradinos.
O Valonguense joga em Espinho. O seu antagonista não pode perder mais pontos para o Águeda, por isso os canarinhos vão ter uma missão bastante difícil, mas não impossível.

II DIVISÃO

SÉRIE B. 1-O Mourisquense cumpriu a sua missão, ao vencer em casa a Ovarense e ganhou pontos aos seus adversários, principalmente ao Vista Alegre, que perdeu em Pinheiro da Bemposta. O Beira-Mar derrotou em casa o Fermentelos, que deu boa réplica e, com estes resultados, os Pilatos ficaram com oito pontos de avanço sobre aquele duo.
O Oiã foi surpreendido em casa pelo Furadouro e ficou mais longe do segundo lugar, enquanto o Macinhatense venceu em Rocas do Vouga e ultrapassou o Fermentelos na sexta posição.
2-O grande jogo é sem dúvida o Macinhatense – Mourisquense. Um dérbi concelhio de resultado imprevisível.
O Oiã, em Requeixo, e o Fermentelos em casa diante do Macieira de Cambra, são favoritos.

SÉRIE C.1-O Mealhada deu chapa 11 em Couvelha e ultrapassou a centena de golos e está cada vez mais perto da subida à primeira.
Num jogo intenso, o Anadia B venceu em casa o Águas Boas. Na luta pelo terceiro lugar, a Juve Force deu um passo importante ao empatar na casa do Mamarrosa.
O Sosense goleou o Paredes do Bairro e, nos restantes jogos, a igualdade foi a nota dominante. O Aguinense empatou (primeiro empate) a três golos em casa com o Luso; VN Monsarros a uma bola com o Santo André, sucedendo o mesmo no Antes – Ribeira/Azenha e CRAC – LAAC.
2-Apesar de se tratar de um dérbi, o Mealhada deverá levar a melhor sobre o Carqueijo. O Anadia B, no reduto da LAAC, terá de ser igual a si próprio. Já a Juve Force, perante os problemas que o Couvelha atravessa (os jogadores brasileiros deixaram o plantel), é favorito.
O Mamarrosa joga em Santo André e tem boas hipóteses de conquistar pontos e continuar a lutar pela melhor classificação dos últimos anos.
No Águas Boas – Aguinense, o fator casa poderá ser determinante, tal como no Luso – VN Monsarros, isto olhando para a intermitência de resultados dos seus opositores.
Ávido de pontos, o Paredes do Bairro, no regresso a casa, vai tentar surpreender o CRAC, o que não se adivinha fácil. O mesmo se aplica ao Ribeira/Azenha na receção ao Sosense, numa jornada em que o Antes folga.

Posted in Desporto, Tribuna de Honra0 Comentários

Anadia perde fora. Pampilhosa entra na zona de perigo

O Anadia, naquela que foi a deslocação mais longa desta fase, perdeu em Bragança. Depois de uma primeira parte equilibrada e com poucas oportunidades de golo de parte a parte, o início da etapa complementar foi nefasta para os bairradinos, que sofreram dois golos no espaço de três minutos. Os transmontanos alcançaram assim a primeira vitória em casa.
Com mais esta derrota, a sexta, o Anadia continua a ostentar o último lugar.
Na fase de manutenção, o Pampilhosa, frente a um adversário direto na luta pela sobrevivência, a Académica /SF, perdeu e caiu para a zona de perigo. Se o campeonato acabasse neste momento, os ferroviários teriam de jogar um playoff a duas mãos com o adversário da Série F.
O Anadia faz a receção ao Fafe, o líder da Zona Norte e que ainda não perdeu. Pelo estatuto do adversário, pelos objetivos que tem, que passam pela subida, não se perspetiva um jogo fácil para os Trevos. Mas este tipo de jogos dá sempre um efeito suplementar aos jogadores, o de quererem também ficar na história de serem os primeiros a derrotar o líder, por isso prevê-se um jogo rijamente disputado, que pode ser decidido nos detalhes. Refira-se que o jogo está a causar grande expetativa e prevê-se que os adeptos do Fafe invadam Anadia para apoiar a sua equipa.
Em casa, o Pampilhosa tem uma autêntica final pela frente e um adversário incómodo. Trata-se do Operário, que comanda a série. Os ferroviários, dos quatro jogos em casa nesta fase, apenas perderam um. E neste terão de fazer das tripas coração para não perder.

Posted in Desporto, Visto da Bancada0 Comentários

Águeda recupera liderança. Paredes do Bairro ganha pela primeira vez

Uma jornada depois de ter perdido a liderança, o Águeda voltou a ocupar o lugar mais alto do pódio, beneficiando do empate do então líder Sp. Espinho em Esmoriz. Os Galos, em casa, não tiveram a mínima dificuldade (7-2) em vencer o Paços de Brandão e contam agora com um ponto de vantagem. Quem se atrasou na corrida pela subida foi o Fiães, que perdeu em casa com o Avanca.
No dérbi bairradino, o Oliveira do Bairro claudicou no terreno do Famalicão. A equipa de António Flávio quebrou uma série de seis jogos sem perder dos Falcões e a vitória foi um bálsamo importante para os famalicenses na fuga à despromoção. Com este desaire, o Oliveira do Bairro (reza a história que em dia das comemorações de aniversário nunca ganha) perdeu excelente oportunidade para chegar ao quarto lugar.
Quem está praticamente condenado é o Calvão, que no último jogo perdeu o treinador Pedro Almeida, e voltou a perder em casa com o Milheiroense.
O Valonguense perdeu em São João de Ver e também desceu na tabela, ocupando um dos cinco lugares, que podem dar descida, caso desçam duas equipas do Campeonato de Portugal.
2-O Oliveira do Bairro recebe o Fiães, adversário que poderá jogar uma das últimas cartadas na luta pela subida. Espera-se um jogo de grau de dificuldade elevado para ambas as equipas.
Na casa do Milheiroense, o Águeda tem tudo para regressar com os três pontos, mas terá de ser igual a si próprio.
Em São Roque, onde mora o penúltimo da classificação, o Famalicão terá de fazer das tripas coração para averbar os três pontos, situação idêntica ao Valonguense na receção ao Cucujães.
O Calvão vai tentar fazer o melhor possível na casa do Avanca.

II DIVISÃO

SÉRIE B. 1-Nada de novo na frente da classificação. O líder Mourisquense foi ao Requeixo e venceu por 7-0 e continua com cinco pontos de avanço para o Vista Alegre.
Num jogo esperado com expetativa, o Fermentelos levou a melhor sobre o Oiã e atrasou o seu vizinho na luta pelo segundo lugar.
2-Ambos em casa, o Mourisquense e o Oiã não deverão ter problemas para vencer a Ovarense e o Furadouro, respetivamente.
O Fermentelos joga na casa do Beira-Mar e tem tudo para causar calafrios aos beiramarenses.
No Beira Vouga – Macinhatense, prevê-se um jogo equilibrado.

SÉRIE C. 1-O líder Mealhada derrotou o Mamarrosa, que deu boa réplica. O Anadia B empatou no Luso e viu a Juve Force (goleou em casa o VN Monsarros), aproximar-se do segundo lugar. Também em casa, o Carqueijo cilindrou (6-1) o Couvelha que viu sair jogadores e apenas se apresentou com 10 em campo e o Águas Boas despachou o CRAC com uma mão cheia de golos.
O Aguinense, depois de cinco derrotas consecutivas, venceu no terreno do Santo André.
A LAAC não desperdiçou o fator casa e derrotou o Sosense. O Paredes do Bairro, depois de 23 jogos apenas com um empate, finalmente conheceu o sabor da vitória à custa do Antes.
2-Face ao momento menos bom do Couvelha, o Mealhada deverá manter a invencibilidade.
O Anadia B recebe o Águas Boas, num jogo que promete, tal como o Mamarrosa – Juve Force. O equilíbrio poderá ser nota dominante. Quem cometer menos erros tem tudo para levar a melhor.
No Aguinense – Luso, o colete de forças pelo melhor resultado pode tirar discernimento a qualquer das equipas, sendo que os locais têm exibido grande irregularidade.
Moralizado pela primeira vitória, o Paredes do Bairro vai ao reduto do Sosense com o intuito de voltar a ser feliz. Os de Soza é que podem não estar pelos ajustes.
Em casa, o VN Monsarros vai tentar a segunda vitória frente ao Santo André. No Antes – Ribeira/Azenha tudo é possível, com os locais a terem um pouco mais de argumentos. No CRAC – LAAC apostamos na divisão dos pontos.

Posted in Desporto, Tribuna de Honra0 Comentários

Anadia e Pampilhosa surpreendidos em casa pelo mesmo resultado (2-3)

Depois da vitória frente ao Gondomar na última aparição em casa e do excelente empate obtido no terreno do Vizela, um dos candidatos à subida, o Anadia, no regresso ao seu burgo, tinha esperanças de manter os resultados positivos das duas últimas jornadas. Assim não aconteceu. O Vilaverdense entrou com tudo, criou lances de muito perigo, chegou à vantagem, prontamente anulada, mas a expulsão de Bruno condicionou a estratégia. Mesmo assim, os Trevos nunca baixaram os braços, voltaram a empatar, mas logo de seguida sofreram novo golo, num jogo em que os erros defensivos foram determinantes, sem esquecer o facto de jogar mais de uma hora com menos um jogador. Esta é a segunda derrota em casa (a primeira foi com o Bragança), o que deixou o Anadia isolado no último lugar.
Para a manutenção, o Pampilhosa, depois de três vitórias em outros tantos jogos, claudicou pela primeira vez em casa, frente ao Sabugal, último classificado. Um duro revés para a formação ferroviária, que viu os adversários diretos aproximarem-se, tendo mais dois pontos da equipa que disputa o playoff.
2-O Anadia joga em Bragança. O seu adversário ainda não ganhou em casa (um empate – Estarreja – e duas derrotas) e, na última jornada, perdeu terreno na discussão do segundo lugar. Por isso, na perspetiva de não sofrer mais pontos, os transmontanos tudo irão fazer para alcançarem a primeira vitória em casa. O Anadia, a exemplo de outros jogos fora, vai jogar na expetativa e no erro do adversário.
O Pampilhosa joga uma final com a Académica /SF. Se vencer, fica com o caminho um pouco mais livre.

Posted in Desporto, Visto da Bancada0 Comentários

Pergunta da semana

É assinante do Jornal da Bairrada?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com