Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Arquivo | arquivo notícias

Saúde

Saúde

Medicamentos contra colesterol reduzem risco de ataque cardíaco

O uso mais generalizado de certos medicamentos contra o colesterol poderá evitar milhares de mortes por ataque cardíaco por ano, segundo um estudo publicado hoje pela revista britânica «The Lancet«.
Segundo o estudo, liderado por Rory Collins, da unidade de testes clínicos da Universidade de Oxford, as substâncias conhecidas como estatinas, que reduzem a concentração de colesterol de baixa densidade lipoproteica, o chamado colesterol «baixo«, também reduzem os níveis de gorduras triglicéridas.
Estas gorduras contribuem para o aumento do risco de doenças coronárias.
As estatinas induzem igualmente um aumento moderado do colesterol «bom«, de alta densidade lipoproteica, concluiu a investigação, durante a qual foram examinadas, ao longo de cinco anos, mais de 20.500 pessoas com idades compreendidas entre os 40 e os 80 anos consideradas como de alto risco de sofrer um ataque cardíaco.
O projecto prestou especial atenção ao efeito das estatinas em pessoas sobre as quais não se tinha certeza de que iriam beneficiar do uso dos medicamentos.
Entre estas, encontravam-se mulheres, pessoas com mais de setenta anos, diabéticos, indivíduos com problemas de trombose ou pessoas com risco de sofrer do coração mas que mostravam níveis normais ou baixos de colesterol.
Durante os trabalhos, foi prescrita aos voluntários uma dose diária de 40 miligramas de um medicamento conhecido como simvastatina ou uma pastilha inócua.
O tratamento com estatina reduziu em pelo menos num terço o risco de ataques cardíacos e de embolias, fazendo diminuir igualmente a necessidade de intervenções cirúrgicas e amputações.
O risco de morte no grupo a que foi prescrita estatina teve uma redução de 18 por cento.
Os cientistas descobriram igualmente que, pelo contrário, a administração de vitaminas antioxidantes não tinha nenhum efeito preventivo contra as doenças cardíacas.
Segundo explicaram, «estes resultados descartam a possibilidade de uma redução efectiva no risco de ataques cardíacos, embolias, cancros ou outras doenças pelo uso durante cinco anos dessas vitaminas«.

Lusa

(5 Jul / 17:08)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Tecnologia

Espaço

NASA quer acabar com as dúvidas sobre a ida do Homem à Lua

A NASA quer acabar definitivamente com as dúvidas daqueles que acreditam que o homem nunca foi à Lua e que o passeio do astronauta Neil Armstrong, a 20 de Julho de 1969, foi pura ficção.
Mais de 33 anos depois de o mundo inteiro ter acompanhado, através da televisão, os primeiros passos do homem na Lua, a agência espacial norte-americana encomendou um estudo para convencer todos de que esse marco da história humana aconteceu realmente, segundo noticia hoje o diário norte-americano Washington Post.
«Um inquérito realizado em 1999 demonstrou que 11 por cento das pessoas nos Estados Unidos duvidavam da viagem do homem à Lua«, sublinhou o diário.
Durante três décadas persistiu a opinião, entre os cépticos e defensores das teorias de conspirações, de que aquilo que se viu nos ecrãs televisivos em 1969 não foi a descida de uma cápsula tripulada na Lua mas uma cena simulada num estúdio cinematográfico.
O programa Apolo da NASA incluiu seis missões durante as quais as cápsulas tripuladas desceram na Lua e os astronautas realizaram caminhadas e recolheram amostras do solo lunar.
Os incrédulos sustentam que as seis missões não passaram de um logro cinematográfico.
A NASA, segundo o Post, prevê pagar mais de 15.000 dólares (aproximadamente a mesma quantia em euros) a James Oberg, um antigo engenheiro aeroespacial que vive em Houston (Texas), para que escreva uma refutação sustentada das dúvidas apresentadas pelos que desconfiam deste acontecimento.
Stephen Garber, o historiador chefe da NASA, afirmou que a monografia de 30.000 palavras em dez capítulos de Oberg não convencerá as pessoas que acreditam em mitos mas tem esperança de que chegue, pelo menos, àqueles que têm uma mente aberta.

Lusa

(4 Nov / 16:41)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Vagos

Vagos

Novo Centro de Saúde de Vagos

Foi aprovado o projecto do novo Centro de Saúde de Vagos e autorizar a abertura de concurso e foi também aprovada a minuta do contrato programa do Centro de Saúde e Extensão de Ponte de Vagos a celebrar entre a Administração Regional de Saúde e esta autarquia que contempla S.A.P. das 8.00 às 24.00 horas, investimento de cerca de 3.000.000 euros em infra-estruturas e equipamentos.
Foi celebrado um acordo entre a empresa adjudicante, a empresa adjudicatária e a Câmara Municipal para a reposição integral e alargamento da plataforma da estrada Florestal 1.
Foi homologada pelo Ministro das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente, em 5 de Junho passado, a candidatura da Piscina de Alta Competição ao QCA III – P.O. centro, Eixo I – Medida I.
Foi deliberado proceder à aquisição de um prédio rústico com a área de 524m2 no valor de 12.470 euros, para a execução da estrada que ligará Lomba a Corgo do Seixo de Cima e o Estradão da Lomba à Estrada Nacional 109, na freguesia de Santo António de Vagos.
Foi deliberado autorizar a Câmara Municipal a adquirir de acordo com o parecer técnico, os terrenos necessários para a execução da obra “Praça Central da Praia da Vagueira”.
A Câmara procedeu à construção dos novos balneários na praia da Vagueira.
Estão a decorrer obras no cemitério de Vagos: recuperação de muros, construção de passeios, escadaria e jazigos.

(10 Jul / 13:46)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Mealhada

Mealhada

Métodos da PJ questionados nas alegações

A defesa de quatro arguidos num processo envolvendo o tráfico de 808 quilogramas de haxixe, julgamento cuja repetição decorre na Mealhada, acusou ontem a Polícia Judiciária (PJ) de usar agentes provocadores nesta investigação.
«A utilização de agentes provocadores é indigna de um país civilizado«, disse, nas alegações finais, o advogado Augusto Murta, defensor do arguido acusado de transportar a droga, um pedreiro reformado de Montalegre.
«Considero lamentável que o próprio Estado leve pessoas a praticar crimes«, acrescentou Joaquim Murta, que pediu a absolvição para o seu cliente.
Além do pedreiro reformado, são arguidos neste processo um ex-agente da PJ de Ermesinde (Valongo), um comerciante de Penafiel e um industrial de Montalegre, acusados pelo Ministério Público de envolvimento em tráfico de droga destinada ao mercado interno e a outros países da União Europeia.
A acusação surge na sequência da apreensão em Ceira, Coimbra, de uma carrinha com 28 fardos de haxixe (808 quilos). A viatura, conduzida pelo pedreiro reformado, provinha de Torres Vedras e seguia para Chaves.
Também nas alegações finais, o advogado do industrial de Montalegre, principal arguido, relevou o facto de o seu cliente ter admitido que cedeu a uma proposta para transportar droga, pedindo uma pena «não agravada«.
Quanto aos demais arguidos Рo ex-agente da PJ e o comerciante de Penafiel Рo seu representante legal pediu a absolvi̤̣o ou condena̤̣o apenas a multa.
O Ministério Público admitiu haver atenuantes para o pedreiro de Montalegre e pediu pena agravada para o industrial seu conterrâneo, considerando também os seus antecedentes criminais – uma condenação em Espanha igualmente por tráfico de droga.
Considerou ainda provado o envolvimento no ilícito do ex-agente da PJ e do comerciante de Penafiel.
O acusador público lembrou que a pena para estes casos oscila entre os cinco anos e quatro meses e os 16 anos de prisão.
Antes das alegações finais, o juiz-presidente considerou «esgotadas todas as possibilidades« para localizar Jorge L. e Vítor F., que a defesa queria ouvir.
Na tese da defesa, os dois indivíduos, com ligações anteriores ao tráfico de droga, teriam «preparado o terreno« para a alegada cilada aos arguidos neste processo.
Este processo já fora sentenciado na comarca de Coimbra a 28 de Novembro de 2000, mas uma instância superior determinou a repetição do julgamento.
A leitura do acórdão foi marcada para 15 de Julho, às 12:00.

Lusa

(6 Jul / 12:28)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Pampilhosa

Fernando Niza fala da subida do Pampilhosa e não só

“Iremos ser uma bandeira de dignidade”

Manuel Zappa

Igual a si próprio, contundente, sarcástico e sem papas na língua, Fernando Niza, treinador do Pampilhosa, abordou para o nosso jornal a subida de divisão dos ferroviários, feito que só foi possível graças aos reajustamentos que, juntamente com a direcção, fez no plantel, dois meses depois de ter aceite substituir Carlos Rocha.
Para a próxima época promete a mesma ambição da época anterior, ou seja, a de lutar pelos primeiros lugares.
Noutra onda da sua conversa Niza deixou alguns recados à classe dos treinadores, alguns sem ética e deontologia, quando à terceira derrota já estão na bancada à espera da chicotada e, como não podia deixar de ser num homem que vive as coisas com elevado grau de profissionalismo, não teve pejo de comentar a realidade do actual futebol português.

“NÃO ATROPELEI NINGUÉM”

-Ao aceitar, à sexta jornada o convite do Pampilhosa, sem qualquer conhecimento da 1ª. Divisão da AFA, pelo seu passado, não foi um risco?
-Sabia de antemão que iria correr riscos, não só pela falta de conhecimento do futebol distrital, como do clube em si, das instalações e dos dirigentes.
Tudo isto me fez pensar um pouco como homem de decisões e com a minha auto confiança, aceitei o convite, convicto de que poderia alcançar o objectivo da subida.
Como frisei atrás, desconhecia tudo e todos e entrei no clube com a dignidade que um treinador deve ter. Não atropelei ninguém e, como tal, não me ofereci. Aliás, quem me conhece, sabe que sou incapaz de estar no futebol à espera da infelicidade de um colega.
-Quer dizer que não vê fantasmas?
-Todo o treinador que vê fantasmas é um homem inseguro e, portanto, sem confiança. A partir daí, qualquer clube que seja, não pode e não deve convidar treinadores, porque lhe transmite toda a sua insegurança, afectando o rendimento desportivo e prejudicando em simultâneo o clube.
-Confiou nas suas capacidades e foi bem sucedido. Foi difícil o caminho até chegar à meta?
-Sim. Foi um campeonato que eu não esperava devido às dificuldades que os adversários nos criaram e à sua competitividade. O objectivo não foi assim tão fácil como possa parecer.
Ainda hoje não posso conceber como é que foi possível, não tirando o mérito que efectivamente teve, o Fiães, no final da primeira volta, ter resolvido a sua situação de subida e conquistado o primeiro lugar. Dá-me a sensação que todos os adversários, incluindo o Pampilhosa, prestavam vassalagem a um adversário que não tinha tão elevado valor futebolístico de fazer a sua carreira como um passeio, nem o Fiães era assim tão forte, nem os adversários eram assim tão fracos.
-Acreditou sempre que era possível a subida?
-Não. Após dois meses no clube verifiquei e analisei que a equipa não dava resposta à ambição que se pretendia. Alertei a direcção para tal facto e as pessoas vieram ao meu encontro.
Houve necessidade de fazer reajustamentos no plantel, sem prejudicar os jogadores que iriam sair, sendo subjectivo, não tomando estas medidas e daquilo que me apercebi ao longo do campeonato, o Pampilhosa em vez de lutar pela subida, poderia caminhar para uma eventual descida.

Receita para o êxito

É de enaltecer a atitude dos atletas, que foram bastante briosos e assimilaram aquilo que o treinador pretendia, sobretudo o espírito ganhador que era necessário para irmos ao encontro do sucesso. É que sem trabalho, disciplina e ambição, não há nenhuma equipa do mundo que possa ter êxito.
-Por aquilo que disse, existiu sempre grande abertura por parte da direcção.
-É justo que o diga a direcção, dentro das suas possibilidades, deu sempre total apoio e transmitiu sempre grande confiança, não só com o treinador, como a todo o grupo de trabalho. Nos momentos das derrotas tiveram sempre uma palavra amiga, o que não é frequente encontrar-se em alguns dirigentes desportivos.
Também não posso esquecer o apoio da massa associativa. Uma palavra amiga e de gratidão da minha parte que, com grande espírito de sacrifício, sobretudo no nosso campo, soube resistir ao frio, ao vento, à chuva e ao calor, sempre na posição de pé.
Não posso e não devo esquecer o apoio do Sr. Carlos Duarte, amigo da terra e do clube, que estando a milhares (EUA) de quilómetros, esteve sempre connosco, nos bons e maus momentos.
A isto se chama paixão. As coisas terão que ser vividas apaixonadamente. Foi esta a lição deste nosso amigo.

O PAMPILHOSA DEIXOU SE SER UM CLUBE DE UMA FREGUESIA

-Ao falarmos do passado, obviamente teremos de falar no futuro…
-Como é lógico. O FC Pampilhosa deixou de ser um clube de uma freguesia e passou a ser um clube do concelho e de uma região. Criámos responsabilidades e, como tal, iremos ser uma bandeira da dignidade, não só no aspecto desportivo, como também no social para sermos dignos de toda esta gente. É no presente que se constrói o futuro, sendo importante que o clube, a médio prazo, consiga outras infra-estruturas, que permitam dignificar ainda mais o clube.
-E a próxima época?
-Vamos partir com o pensamento positivo, dando continuidade à nossa ambição. Vamos lutar com o objectivo dos primeiros lugares para que a permanência aconteça o mais rápido possível, objectivo que a direcção pretende.
Como treinador, terei de incutir aos jogadores a fasquia mais alta e tentar surpreender os quatro candidatos à subida, Estarreja, Mangualde, Arrifanense e União de Coimbra.

Envergonha-me o actual estado do futebol português

-Vai regressar de novo a uma competição nacional. Como é que está a ver o momento do actual futebol português?
-Como homem do futebol e respeitando como respeito, lamento profundamente o estado vergonhoso de pessoas, com cargos de responsabilidade, que dêem uma imagem degradante daquilo que devia ser mais digno, o futebol. Para quem não saiba o futebol português faz parte da cultura de um país e, simultaneamente de um povo. Não podemos viver nesta mediocridade em que os interesses se sobrepõem à dignidade que deve ter qualquer ser humano. Esta imagem para quem queira compreender é tudo aquilo que envolveu e envolve a nossa Selecção Nacional em terras do Oriente.
Espero e faço os sinceros votos para que as pessoas que gerem o futebol português, tenham o bom senso de reflectir se tiverem capacidade e competência para isso, de molde a que o país dê uma resposta dignificante no Euro 2004 para assim recuperarmos uma nova imagem ao mundo do futebol.
Não basta termos jogadores de classe internacional. Teremos também que ter dirigentes com valor e que saibam dirigir como o Figo joga futebol.
-Há pouco deixou nas entrelinhas que a classe dos treinadores não era unida!
-Não chega só fazer cursos quando depois não há nenhuma reciclagem. Aliás, com este andamento de tantos cursos em tão pouco espaço de tempo, qualquer dia há mais treinadores do que clubes.
Por isso sou apologista de que a classe de treinadores devia ter outra resposta e de ser melhorada em todos os aspectos. Por exemplo, existe falta de ética e de deontologia em alguns. É triste ter conhecimento que colegas de profissão, à terceira derrota, estejam na bancada à espera do seu lugar.
Só com outro tipo de união é possível que haja outra qualidade de espectáculos para que a competitividade seja cada vez maior e que os estádios tenham mais público a assistir aos jogos.
Assim, estamos todos a trabalhar para que o Europeu seja um êxito, independentemente de termos alguns, mas poucos, treinadores no futebol internacional.

(3 Jul / 14:12)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Fermentelos

Banda Nova de Fermentelos

Novo fardamento e novos instrumentos e painel publicitário

Decorreu, no passado domingo, enquadrado nas Festividades de Santo António, em Fermentelos, a cerimónia de inauguração do novo fardamento, de 4 novos instrumentos e de painel publicitário.
Com a presença do presidente da Câmara Municipal, Castro Azevedora, vereadora da Cultura, Nair Barreto, presidente da Junta de Freguesia, Amílcar Lemos, e dos representantes das firmas publicitadas – Revigrés, Ferlac, Lumarca, Motoguia, Hotel de Ílhavo, Teka, Publidecal, Metalfer, A Noldi, Vasconcelos & Loureiro, Ecologal, Câmara Municipal e Junta de Freguesia e do mecenas, Augusto Gonçalves, as mesmas tiveram um carácter simples, mas de um caloroso significado para todos os presentes, tendo sido reconhecido ainda o serviço prestado na deslocação ao Brasil pelos casais presentes, Abel Miguel e D. Celina e Manuel e D. Helena.
Encerrou a cerimónia a Banda Nova de Fermentelos, com um pequeno concerto que foi do agrado de todos.

(28 Jun / 9:41)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Mamarrosa

Mamarrosa

Piscina

Vai reabrir ao público, no dia 29/8, sábado, a piscina da Mamarrosa que apresenta melhores condições, novo visual e também mais espaço onde os interessados poderão retemperar do stress do dia-a-dia. No local existirá um bar de apoio que será explorado por uma Associação da Freguesia, a Adasma, que ganhou o mini-concurso efectuado.

(25 Jun / 11:04)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Aveiro

Aveiro

Co-incineração

Abandono foi episódio «negro« e «vergonhoso« – José Sócrates

O ex-ministro do Ambiente José Sócrates classificou hoje a contestação à co-incineração e sua posterior recusa pelo actual governo como episódios «negros« e «vergonhosos« da vida política portuguesa.
«Este processo deixa várias nódoas, principalmente na comunidade científica. Compete à ciência basear a bondade de uma política. Mas, neste caso, a ciência teve de ceder à politiquice, num momento negro que envergonha Portugal e de que nem convém falar em pleno Dia Mundial do Ambiente«, comentou.
Numa conferência realizada na Universidade de Aveiro sobre «Política de ambiente em Portugal – desafios para a próxima década«, José Sócrates estabeleceu como uma das prioridades a adopção de firmeza na imposição das leis de defesa ambiental.
«Um Ministério do Ambiente sem conflitos com promotores imobiliários é aquele que não cumpre o seu dever«, frisou.
«É preciso fazer leis de defesa ambiental mais duras e impor a sua aplicação, reforçando os meios da Inspecção-Geral do Ambiente e da Brigada Verde da GNR«, acrescentou.
Prioritária para José Sócrates é, também, a definição de «orientações precisas« sobre a elaboração de uma nova geração de planos directores municipais, que devem apostar «na restrição à construção«.
«O cidadão quer menos betão, mais transportes públicos e menos automóveis, mais sossego e mais qualidade de vida«, sustentou.
No saneamento básico, o ex-ministro defendeu a adopção de soluções multi-municipais e empresariais, em detrimento das autárquicas, e disse que o Fundo de Coesão afecta meios significativos à resolução deste problema ambiental da primeira geração até 2006.
Mais cedo, «rapidamente«, o país deve «deixar de arrastar os pés« no combate ao efeito de estufa, agora que a União Europeia entregou a ratificação do Protocolo de Quioto nas Nações Unidas.
José Sócrates entende que Portugal tem vindo a seguir, em matéria ambiental, um convergência com a Europa – «que tem as posições mais progressistas« na matéria -, mas acusou o seu sucessor, Isaltino Morais, de apostar numa «política-banana«, nada fazendo «ou desfazendo«.
Embora aberta ao público em geral, a conferência de José Sócrates integrou-se nas actividades lectivas da disciplina de «Introdução aos Problemas Ambientais«, tendo sido organizada sob orientação de Casimiro Pio, docente da Universidade de Aveiro e membro da Comissão Científica Independente para a co-incineração.

Lusa

(5 Jun / 23:16)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

II Divisão B

Futebol
II Divisão B (Zona Centro, 38ª jornada ) – Resultados/classificação

Resultados da 38ª última jornada da Zona Centro do campeonato português de futebol da II Divisão B, disputada hoje, e respectiva classificação:
Alcains – Arrifanense, 4-0
Feirense – Beneditense, 2-1
Torreense – Sp. Pombal, 0-0
Odivelas РSp. Covilḥ, 1-1
Fátima – Vilafranquense, 0-5
Sourense – Ol. Hospital, 2-3
U. Coimbra – Ol. Bairro, 2-1
Marinhense – Ac. Viseu, 1-2
Caldas РS. Jọo Ver, 1-3
Sanjoanense – Benf.Cast.Branco, 3-1

Classificação:
CASA FORA TOTAL
CL EQUIPA V E D M S V E D M S J V E D M S P
1 SP.COVILHA :16 3 0 45-11: 7 8 4 19-15:38 23 11 4 64-26:80
2 SP.POMBAL :14 5 0 33- 8: 8 6 5 24-16:38 22 11 5 57-24:77
3 TORREENSE :14 4 1 34- 7: 7 4 8 31-31:38 21 8 9 65-38:71
4 ODIVELAS :13 4 2 41-18: 7 5 7 22-24:38 20 9 9 63-42:69
5 AC.VISEU :15 3 1 43-17: 3 10 6 22-27:38 18 13 7 65-44:67
6 SANJOANENSE :10 7 2 34-16: 6 5 8 19-22:38 16 12 10 53-38:60
7 FEIRENSE :11 5 3 31-18: 6 3 10 19-25:38 17 8 13 50-43:59
8 OLI.BAIRRO :12 3 4 42-26: 3 8 8 16-24:38 15 11 12 58-50:56
9 SAO JOAO VER:10 7 2 30-19: 4 6 9 20-28:38 14 13 11 50-47:55
10 VILAFRANQ. :12 4 3 32-12: 2 8 9 19-29:38 14 12 12 51-41:54
11 CALDAS : 9 6 4 36-25: 5 4 10 26-40:38 14 10 14 62-65:52
12 FATIMA :10 5 4 30-25: 3 3 13 17-37:38 13 8 17 47-62:47
13 BENFICA CB : 6 4 9 31-31: 6 5 8 29-34:38 12 9 17 60-65:45
14 OLI.HOSPITAL: 7 8 4 25-22: 4 3 12 24-33:38 11 11 16 49-55:44
15 MARINHENSE : 8 6 5 26-24: 3 3 13 20-40:38 11 9 18 46-64:42
16 U.COIMBRA : 8 7 4 27-24: 2 2 15 15-41:38 10 9 19 42-65:39
17 SOURENSE : 9 2 8 33-37: 1 6 12 10-37:38 10 8 20 43-74:38
18 BENEDITENSE : 8 2 9 22-26: 2 2 15 23-42:38 10 4 24 45-68:34
19 ARRIFANENSE : 6 6 7 20-21: 2 1 16 17-47:38 8 7 23 37-68:31
20 ALCAINS : 6 4 9 22-22: 0 3 16 17-45:38 6 7 25 39-67:25

Sporting da Covilhã ascende à II Liga.

Sourense, Beneditense, Arrifanense e Alcaíns despromovidos à
III Divisão. União Coimbra apurado para a poule dos 16/os
classificados da II divisão B.

(2 Jun / 22:16)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Troviscal

Troviscal

Dia de promessas

Dezenas de escuteiros marcaram presença, no último domingo, dia 26, nas promessas que o Agrupamento 480 – São Bartolomeu – realizou durante a Eucaristia dominical.
Foram muitos os jovens que pela primeira vez receberam o lenço, amarelo, dos lobitos, e muitos outros que, como forma de continuar a sua caminhada, passaram para exploradores, pioneiros e caminheiros.
É sempre salutar estes movimentos de juventude.

(28 Mai / 9:52)

Posted in arquivo notícias0 Comentários

Pergunta da semana

Portugueses praticam cada vez mais exercício ao ar livre. É o seu caso?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com