Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "acidente"

Grada:Sem-abrigo encontrado morto numa vala perto de uma vinha


Um sem-abrigo, que era frequentemente visto na zona central da cidade de Anadia (junto ao Tribunal) foi encontrado sem vida na manhã da última sexta-feira, dia 14, em Grada (Anadia).
Para já, parece estar afastada a hipótese de crime, pois os indícios encontrados levam a crer que o homem, natural de Mangualde, terá caído da bicicleta para uma pequena ribanceira, na zona de Grada.
Abílio Sequeira tinha 47 anos e era solteiro. Residia em Anadia, ainda que em condições bastante precárias.
Segundo apurámos, o corpo foi encontrado por um trabalhador que se dirigia para uma vinha onde ia começar a trabalhar ao início da manhã. “Apercebi-me, ao longe, da bicicleta e pensei que teria sido abandonada ali. Quando me aproximei é que vi o corpo. Foi um enorme susto. Já devia ali estar há uns dias. O corpo estava inchado e começava a cheirar mal”, disse Carlos Pior, que de imediato contactou o 112.
Aparentemente, o homem terá saído da estrada e caído na ribanceira, junto a uma vala. “Ele estava com a cabeça na água”, adiantou Carlos Prior.
Embora seja possível que o homem tenha morrido na sequência da queda ou por afogamento, no local, a GNR de Anadia só pôde proceder ao levantamento do corpo por volta as 11h30, tendo sido transportado para o Instituto de Medicina Legal de Aveiro onde foi autopsiado.
Segundo apuramos, Abílio Sequeira poderia já estar no local onde foi encontrado há vários dias e não mantinha qualquer contacto com a família há cerca de oito anos, altura em que esta, residente em Mangualde, lhe perdeu o rasto.
O seu funeral realizou-se ontem, quarta-feira, na sua terra natal.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Por Terras da Bairrada Comentários

Famílias levam 800 mil euros por mortes na A1


As famílias de três trabalhadores de uma empresa de construção civil de Paredes, que morreram carbonizados num acidente na A1, nas proximidades de Montelongo – Oliveira do Bairro, em fevereiro de 2010, vão receber mais de cerca de 800 mil euros de indemnização.
Nos pedidos de indemnização, as famílias argumentaram que a tragédia causou um enorme sofrimento, tendo as viúvas dos operários passado por dificuldades financeiras.
O montante foi contestado pela companhia de seguros, mas o Tribunal da Relação de Coimbra confirmou agora a decisão.
Neste acidente morreu ainda um outro trabalhador de 50 anos, mas a família decidiu aguardar pelo resultado do processo relativo ao acidente de trabalho que ainda corre.
As quatro vítimas trabalhavam numa empresa de isolamentos e regressavam de Sines, onde tinham trabalhado durante uma semana. Logo depois da saída da Mealhada, na A1, o carro em que os trabalhadores seguiam despistou-se devido ao rebentamento de um pneu. O carro embateu no separador central, capotou e explodiu, imobilizando-se num talude do lado direito da via. Os quatro morreram carbonizados.
Os resultados da autópsia revelaram que os quatro trabalhadores morreram na sequência da explosão do carro, já que os corpos não tinham sinais de fraturas graves. No acórdão, os juízes afirmam ainda que os trabalhadores tiveram um fim trágico. “Foi devido às lesões de queimaduras – carbonização e de queimaduras de terceiro grau associadas a inalação de gases quentes, e por via disso, é legítimo presumir-se que a infeliz vítima não só não morreu imediatamente, como ainda, teve uma morte muito dolorosa”, lê-se no acórdão.
Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada Comentários

Duas crianças atropeladas


Duas crianças foram atropeladas no passado sábado, em Anadia, quando seguiam de bicicleta numa das artérias da cidade.
Segundo JB apurou, as duas crianças, de 7 e 11 anos, viriam de um treino, de bicicleta, quando foram colhidas por um ligeiro de passageiros que circulava devagar. O acidente ocorreu por volta das 13h, próximo da Avenida das Laranjeiras e das Finanças.
No local estiveram uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) dos HUC, e duas ambulâncias, uma dos Bombeiros de Anadia e outra que está sediada no Hospital de Anadia. As crianças, que vivem no lugar do Carvoeiro, em Anadia, sofreram várias lesões: o menino de sete anos sofreu escoriações na face e uma fratura no nariz. O outro, de 11 anos, partiu uma perna em dois sítios. Ambos foram transportados para o Hospital Pediátrico de Coimbra, de onde já tiveram alta.
A GNR tomou conta da ocorrência.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada Comentários

Mealhada: Mulher dada como morta sai quase ilesa de acidente


Uma colisão entre um camião e um ligeiro de passageiros, no IC2, junto ao acesso à Zona Industrial de Viadores, concelho da Mealhada, provocou três mortos e dois feridos graves, segundo fonte dos bombeiros.
O acidente terá ocorrido por volta das 9h de segunda-feira, dia 30 de setembro, quando o camião, que circulava no sentido sul-norte entrou, supostamente, em despiste e abalroou o ligeiro que seguia em sentido contrário, com quatro ocupantes, três deles mortos no local, segundo a mesma fonte.
Segundo apurou o JB, seguiam no veículo ligeiro duas senhoras residentes na Freguesia de Antes (Mealhada), Belandina Santos, de 88 anos, e Juliana Rosa de 91 anos (ambas falecidas), que iam em viagem com o filho da primeira, Ambrósio Santos, de 60 anos (também vítima mortal), e com a esposa Manuela Madeira, da mesma idade.
Apesar de informações que davam conta de que Manuela Madeira teria falecido a caminho do hospital, confirmamos que as notícias vindas a público foram erradas, na medida em que Manuela se encontra nos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), livre de perigo, e no fecho desta edição, na tarde de terça-feira, aguardava relatório médico para avaliar a necessidade de ser sujeita ou não a uma intervenção cirúrgica por apresentar uma fratura no úmero, disse ao JB o filho da acidentada, Paulo Madeira.
“A minha mãe saiu praticamente ilesa desta tragédia, como por milagre, mas está bem, não está em perigo”, disse Paulo Madeira, lembrando que no dia do acidente foi confrontado no local com o pior cenário, ou seja, com a morte dos quatro ocupantes, situação que disse só ter esclarecido perto das 17h daquele fatídico dia. “Foi um dia de contradições, primeiro dizem-me que perdi o meu pai, a minha mãe, a minha avó e tia. Depois, mais tarde confirmo que a minha mãe está viva, foi uma pequena compensação de alegria para um dia muito triste”, disse.
Paulo Madeira, residente em Castelo Branco, contou ao JB que os pais passeavam frequentemente com a sua avó e tia, mas na passada segunda-feira “a viagem mal tinha começado e tiveram a infelicidade de ter estado no local errado, na estrada errada”. Emocionado com o relato, disse ainda que os ocupantes do veículo e a cadela Kika (que também morreu), da sua avó, viajavam para a terra-natal da sua mãe, Manuela Madeira, para a pequena aldeia de Espírito Santo, no concelho de Mértola.
Entretanto, não conseguimos até ao fecho da edição confirmar o estado de saúde do condutor do camião, considerado como ferido grave neste acidente.
Estiveram no local 10 viaturas e 21 operacionais dos bombeiros de Pampilhosa, Mealhada e Cantanhede e uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Centro Hospitalar de Coimbra. O trânsito esteve cortado em ambos os sentidos e depois condicionado, com desvio pelo interior da Zona Industrial de Viadores, até ao início da tarde.
JPT

Posted in Destaque, Mealhada, Por Terras da Bairrada Comentários

Supremo manda indemnizar família de mulher morta em explosão de gás


A família de uma mulher que morreu há 15 anos vítima de uma explosão de gás na sua habitação, na Borralha, Águeda, vai receber uma indemnização, por danos morais e patrimoniais, de 332 mil euros, decidiu o Supremo Tribunal de Justiça (STJ).
O acórdão do STJ descreve que o acidente ocorreu a 17 de agosto de 1998, quando Maria do Rosário, que à data dos factos tinha 32 anos, desceu à cave da residência para pôr a funcionar a máquina de lavar roupa.
No momento em que a vítima ligou a máquina, ocorreu uma explosão que, segundo o mesmo acórdão, ficou a dever-se à acumulação de gás proveniente de uma fuga verificada no ramal ali existente, que se encontrava indevidamente tamponado com uma rolha de cortiça.
A explosão destruiu a habitação do casal e provocou queimaduras em cerca de 70% do corpo da mulher, que veio a falecer poucos dias mais tarde, no Hospital de São Jorge, em Lisboa.
A família da vítima intentou uma ação no tribunal a pedir a condenação da empresa que concluiu a instalação da rede de gás, bem como o gerente e dois funcionários daquela, além de um terceiro trabalhador que instalou o ramal na cave da habitação, que não estava previsto no projeto.
Os autores imputavam a ocorrência da explosão à “atuação negligente e inconsiderada” dos réus e pediam o pagamento de uma indemnização no valor de 1,1 milhão de euros.

Decisão. O Juízo de Grande Instância Cível de Anadia acabou por absolver o gerente da empresa do pedido, condenando os restantes arguidos a pagar uma indemnização no valor de 332 mil euros.
Para efeitos de repartição de responsabilidades entre os réus, o tribunal fixou a percentagem de 55% para a empresa e 15% por cada um dos restantes arguidos.
Inconformados com esta decisão, todos os arguidos recorreram para a Relação de Coimbra, que confirmou a decisão da primeira instância, com exceção na parte relativa à condenação no pagamento de juros.
As defesas de três arguidos recorreram então para o STJ, alegando não existir o nexo de causalidade entre os factos e o resultado, tal como refere o acórdão do processo-crime, que absolveu os arguidos do crime de homicídio por negligência.
Além disso, defendem que na data em que a ação deu entrada no tribunal se encontrava prescrito o direito de indemnização dos autores em relação a dois dos arguidos.
O STJ não deu razão aos arguidos, confirmando o acórdão recorrido.
“No caso em apreço, a absolvição penal nada teve a ver com a prática ou não dos factos imputados aos arguidos, mas tão só pelo facto de em termos de causalidade adequada não os julgar adequados para a morte ocorrida”, lê-se no acórdão do STJ, de 22 de maio.
As defesas dos arguidos ainda podem pedir esclarecimentos no prazo de dez dias, ou recorrer para o pleno do STJ.

Posted in Águeda, Por Terras da Bairrada Comentários

Um morto e quatro feridos ligeiros


Um morto e quatro feridos é o resultado de uma colisão ocorrida, na manhã da última sexta-feira, no cruzamento da Maçoida, na EN 333, entre Águeda e Talhadas. Uma mulher não resistiu ao ferimentos e faleceu uma hora após o acidente, no interior da ambulância. Os feridos foram transportados para o Hospital de Aveiro.
No local, estiveram cinco ambulâncias dos bombeiros de Águeda e de Albergaria-a-Velha, além da Viatura Médica de Emergência e Reanimação e de uma ambulância de suporte imediato de vida.

Posted in Águeda, Por Terras da Bairrada Comentários

Despiste contra muro na Rua do Paraíso faz um morto e dois feridos graves


Um jovem morreu e dois ficaram gravemente feridos na sequência de um despiste de automóvel, ocorrido no domingo, pelas 7h15, na Rua do Paraíso – EM 335, na Palhaça. Os jovens vinham de uma festa na Discoteca Estação da Luz.
As três vítimas, todas na casa dos 20 anos, viajavam numa viatura comercial, de apenas dois lugares, que terá entrado em despiste numa curva. O veículo embateu depois num lancil e chocou contra o muro de uma habitação.
A vítima mortal, Kevin Marques, de 20 anos, natural de Toronto, residente na Vila Nova, Palhaça, que trabalhava numa cafetaria na Universidade de Aveiro, era o condutor do automóvel. Os dois feridos, Bruno Reis e Alexander Martins, residentes na Palhaça e em Bustos, respetivamente, são os feridos graves.
Kevin Marques, o condutor, foi projetado da viatura e teve morte quase imediata. Alexander Martins, o pendura e proprietário do carro, ficou preso pelo cinto de segurança. Bruno Reis, que seguia na parte de trás, também foi cuspido.
Os dois feridos graves foram transportados para o Hospital de Aveiro e depois transferidos para Coimbra, enquanto que o corpo de Kevin Marques foi transportado para o Instituto de Medicina Legal de Aveiro. O funeral de Kevin Marques realizou-se na terça-feira.

Meios. No local do acidente estiveram três corporações de bombeiros, de Oliveira do Bairro, Vagos e Aveiro. No total, 18 bombeiros e oito viaturas prestaram assistência aos sinistrados.
Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt

Posted in Destaque, Oliveira do Bairro, Palhaça, Por Terras da Bairrada Comentários

Motoclista morre em contramão


Um motociclista que circulava em contramão na autoestrada do norte (A1), ao quilómetro 230, no sentido norte-sul entre os nós da Mealhada e Aveiro-Sul, morreu, no sábado, cerca das 18h20, após colidir com um automóvel.
João Albuquerque, 81 anos, residente na Giesta, terá dito à família que ia ver os pinheiros que tinham caído com o mau tempo, mas ter-se-á perdido e entrou de scooter na A1.
A página internet da Brisa, concessionária da A1, indicava que o local do acidente se localizava a cerca de dois quilómetros do nó de Aveiro-Sul, junto à área de repouso de Oiã.
João Albuquerque vivia sozinho na Giesta e terá tido morte imediata.

Posted in Oiã, Oliveira do Bairro, Por Terras da Bairrada Comentários

S.Mateus: Árvore atinge homem mortalmente


Um homem de 59 anos faleceu, na tarde da última segunda-feira, quando cortava uma árvore de grande porte num terreno na zona de S.Mateus, freguesia de S. Lourenço do Bairro.
O trágico acidente que vitimou Fernando Boiça, residente em S. Mateus, aconteceu por volta das 16h30 quando, juntamente com mais duas outras pessoas, cortava alguns choupos que tombaram (estavam em risco de queda) durante a intempérie que assolou a região no passado dia 19 de janeiro.
Alcides Urbano, uma das primeiras pessoas a chegar ao local do sinistro, confirmou a JB que ouviu gritos de aflição e que largou tudo para ir ver o que se passava.
A JB avançou que, quando cortavam uma das árvores, ela terá esgalhado, rodado, atingindo a vítima mortalmente na zona do tórax. “O tronco caiu-lhe em cima”, diz, lamentando o trágico acidente que ceifou a vida a uma pessoa muito conhecida e respeitada na terra. “Era um homem bom, trabalhador e respeitado.”
A vítima, que trabalhou na Sogrape e se dedicava à agricultura, era casada com Elisa Ferreira Alves Cunha e tinha um casal de filhos maiores: a filha a residir numa localidade próxima e o filho emigrado no Brasil.
No local do acidente esteve o INEM e a VMER que, apesar de várias tentativas, não conseguiram reanimar a vítima.
O corpo, que esteve ainda várias horas à guarda da GNR de Anadia, seria transportado para o Instituto de Medicina Legal de Aveiro para ser autopsiado.
O seu funeral realiza-se hoje, quarta-feira, pelas 16h30, para o Cemitério de Mogofores.

Posted in Anadia, Mogofores, Por Terras da Bairrada Comentários

Em Águeda mãe morre atropelada em passeio com os filhos


Uma mulher de 41 anos morreu e duas crianças ficaram feridas após terem sido atropeladas, no domingo, pelas 17, no Gravanço, Águeda, por uma viatura, informou uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.
Ana Margarida Arede Martins, 41 anos, seguia de bicicleta acompanhada de perto pelos dois filhos, Ricardo André, 10 anos, e Ana Carolina, de cinco anos, cada um na sua bicicleta.
O acidente ocorreu em circunstâncias ainda por esclarecer, mas fontes da GNR e dos Bombeiros Voluntários de Águeda confirmaram que se tratou de atropelamento, que poderá ter sido motivado por uma distração.
Os dois feridos são um rapaz de dez anos e uma menina de cinco anos, filhos da vítima mortal, que foram transportados para o Hospital de Aveiro.
Estiveram no local os Bombeiros Voluntários de Águeda e Albergaria-a-Velha, com duas viaturas e quatro homens, e duas viaturas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).
As causas que terão originado o acidente estão a ser investigadas pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da GNR.
O funeral realizou-se na terça-feira.

Posted in Águeda, Destaque, Por Terras da Bairrada Comentários

Pergunta da semana

Um estudo indica que mais de duas doses diárias de álcool por dia aceleram perda de memória. Qual o seu consumo habitual no dia a dia?

View Results

Loading ... Loading ...