Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "atividades"

Anadia: Atividades na Biblioteca Municipal


No próximo sábado, dia 7 de dezembro, é dia de “Sábados com Arte” na Biblioteca Municipal de Anadia. Esta sessão é subordinada à temática dos “Anjinhos”.
A proposta é para que decore a sua casa com um toque angelical. Este ateliê será dedicado à criação de anjos de Natal e decorrerá em duas sessões: adultos: das 10h30 às 11h30 e crianças: 11h30 às 13h(mais de 8 anos). A partir da obra “Um Conto de Natal”, de Charles Dickens, as crianças trabalharão uma área específica no domínio da expressão plástica.
A atividade é gratuita e comporta um máximo de 15 participantes por sessão.

Hora do livro. A rubrica intitulada Hora do Livro será nesta sessão de 7 de dezembro (11h) subordinada ao livro: “O senhor das barbas brancas”, de Elsa Serra.
A atividade para os mais pequeninos vai dar a conhecer “Uma história muito especial que explica tudo sobre o Senhor das Barbas Brancas que aparece todos os anos pelo Natal: onde vive, o que faz, quais os seus segredos mais bem guardados…” “ Apressa-te! Abre o livro pois ele está ansioso por te conhecer!”.

Posted in Anadia, Por Terras da Bairrada Comentários

Anadia: Agrupamento de Escuteiros em casa nova


O protocolo de cedência de utilização da Escola EB1 de Alféloas pelos Escuteiros de Anadia foi assinado, no passado dia 15 de dezembro.
O Agrupamento de Escuteiros 221 de Anadia, do CNE e a Junta de Freguesia de Arcos assinaram o acordo prevê a utilização pelos Escuteiros dos espaços e instalações desta antiga escola, já desativada, localizada no lugar de Alféloas, para aí instalarem a sua sede e desenvolver as suas atividades, por um período inicial renovável de cinco anos.
A celebração deste acordo decorreu durante a tradicional Festa de Natal do Agrupamento, que reuniu no Centro Cultural da Moita cerca de duzentos participantes, entre escuteiros, familiares, amigos e antigos escuteiros do Agrupamento, muitos dos quais reunidos no recém-fundado Núcleo de Anadia da Fraternidade Nun’Álvares.
O acto foi oficializado pelo presidente da Junta de Freguesia de Arcos, Fernando Fernandes, pelo Chefe Regional de Aveiro do CNE, Manuel Santos e pelos dirigentes do Agrupamento 221 de Anadia, Luís Rocha e Mário Santiago, tendo o mesmo sido testemunhado por Rosa Tomás, vereadora da Educação e Cultura da Câmara Municipal de Anadia e pelo padre António Torrão, pároco de Arcos e Assistente do Agrupamento 221 Anadia.
Este acordo de cedência baseia-se no entendimento das partes sobre o alto valor social das atividades desenvolvidas pelos escuteiros, onde se estimula a educação para a cidadania, baseado no método, na lei e nos princípios do escutismo e na necessidade que, para tal, o Agrupamento 221 tem em dotar-se de infraestruturas básicas para o desenvolvimento das suas reuniões, jogos e ações formativas.
Esgotadas as possibilidades de manter a atual sede nos Jardins do Palacete Seabra de Castro, o Agrupamento conta concluir a instalação da nova sede de Alféloas ainda durante o atual período de atividades. Para isso, vai ser ainda necessário efetuar algumas obras de reabilitação e adaptação dos edifícios existentes, de modo a compatibilizar as duas atuais salas às exigências pedagógicas relacionadas com a existência de quatro faixas etárias correspondentes a outras tantas secções de trabalho.
Com a instalação da nova sede de Alféloas, o Agrupamento 221 de Anadia vê, desta forma, criarem-se melhores condições para desenvolver de forma mais sustentada as suas atividades pedagógicas e educacionais, transmitindo vitalidade e capacidade de integração na comunidade e de projetar o seu futuro, de modo a responder adequadamente às expetativas dos que o procuram e dos que que com ele podem e querem contar.

Agrupamento 221 Anadia do CNE

Posted in Anadia, Por Terras da Bairrada Comentários

Casa Povo Av. Caminho: Gestão sustentada para dinamizar o maior número de atividades


A Casa do Povo de Avelãs de Caminho completa, no próximo dia 11 de maio, sexta-feira, 75 anos de existência (Bodas de Diamante).
A data será assinalada com missa e jantar comemorativo.
Em entrevista, Jaquelina Santos, presidente da direção, faz um balanço muito positivo destes 75 anos de vida da Casa do Povo, dando a conhecer alguns projetos que serão desenvolvidos ao longo do ano, tendo em vista o envolvimento e união da população.

De que forma vão assinalar os 75 anos da instituição?
Será realizada, no dia 11, uma eucaristia de ação de graças pelos 75 anos e em memória de todas as pessoas que se dedicaram à instituição, pelas 19h30h. Posteriormente, será o jantar de comemoração no salão da Casa do Povo com abertura solene, ao som da Banda Nova Juvenil de Fermentelos que graciosamente ficará a abrilhantar o jantar. Esta comemoração está aberta a toda a população, mas em especial a todas as pessoas que de alguma forma estão ou estiveram ligados à Casa do Povo.

Numa altura em que muitas Casas do Povo já foram extintas, como é que esta resistiu ao passar do tempo?
Com o 25 de Abril, veio a extinção das Casas do Povo no conceito em que existiam. Algumas pessoas resolveram com muito boa-vontade continuar um projeto em que se mantivessem as instalações e algumas atividades, graças à “carolice” e empenhamento voluntário.
Não nos podemos esquecer que o salão da Casa do Povo continua, para bem e para mal, a ser a “sala de visitas” de Avelãs. Continua a ser solicitada para realizar bodas de casamento, bailes, eventos de solidariedade.
Mas teve, a dado momento, que se fazer uma espécie de paragem, clarificar os objetivos, legalizar os estatutos e formar uma verdadeira associação.
Resistir, hoje, significa que a Casa do Povo é de todos em geral mas sobretudo dos sócios e daqueles que se sentem corresponsáveis pelo seu funcionamento.

Qual é hoje o principal propósito da sua existência?
Atualmente temos cerca de 400 sócios. A estes sócios vai ser proposta, brevemente, a renovação do seu “sim” ao modelo associativo. O principal propósito, neste momento, é dinamizar o maior número de atividades, tendo em conta uma gestão sustentada.
Pretendemos que a população de Avelãs se envolva e partilhe o seu tempo livre, as suas ideias e projetos e nos ajude a concretizá-los e a disponibilizá-los a todos.

Quais as atividades previstas para os próximos meses?
Começámos, logo em janeiro, com uma matiné de teatro levada a cabo por atores de Avelãs. As atividades programadas são: o desfile de Vestidos de Noiva com mais de 20 anos. Acreditamos que, apesar dos quatro desfiles, ainda existem mais vestidos e mais histórias para apresentar em mais um desfile; manter o curso de arraiolos, uma vez por semana, com vista a posterior exposição; promover o Programa “A caminho do Verão sem Barrigão”, a partir de junho porque durante o mês de maio temos a Casa do Povo ocupada com vários eventos e atividades; realizar o passeio cicloturistico, em junho, que é já uma tradição e que funciona como um excelente momento de convívio; realizar, em data a definir, workshops na área da saúde (provavelmente abordaremos o tema da DPOC, doença pulmonar obstrutiva crónica.,Osteoporose e Menopausa); realizar em agosto, a Festa do Emigrante com o objetivo juntar todos os nossos conterrâneos que, ao longo do ano, estão espalhados por esse mundo fora, partilhando histórias e divertindo-se ao som do nosso “TV5 dos Pobres”; promover o espetáculo “Os Talentos de Avelãs”, para revelar alguns dos talentos que temos na área da música, da canção, da representação, da poesia e da dança; realizar uma exposição de colecionismo, depois do verão. Todos os avelences estão convidados a partilhar a sua coleção nas mais diversas áreas (moedas, selos, calendários, postais, garrafas, chavenas, etc).
A secção Columbófila tem várias provas agendadas e a realização de mais um almoço-convívio que conta com a participação de columbófilos de todo o país para leilão de pombos e entrega de prémios.
A secção de Ciclismo realiza e participa em provas contra-relógio e anualmente organiza uma peregrinação ao Santuário de Fátima para atletas e familiares.

A equipa que hoje dirige a Casa do Povo está disponível para continuar?
Estar à frente de uma direção exige muita disponibilidade e capacidade de inovar para que se criem eventos capazes de levar a população a participar, a deixar o conforto da sua casa e a envolver-se nesta associação. Quatro anos seguidos provocam um desgaste em todos os elementos da direção porque estão continuamente a preparar novas atividades e novos eventos. Devia entrar “sangue novo”, com novas ideias e com disposição para “movimentar” esta casa.
Avelãs tem muitas pessoas capazes de formar uma direção e fazer um bom trabalho.

Quais as maiores dificuldades?
As principais dificuldades são as económicas. É difícil criar eventos e não ter dinheiro para os promover. Não podemos impor custos elevados às nossas atividades porque depois não teríamos participantes. Não fosse a boa-vontade, os beneméritos e uma gestão cautelosa, e não seria possível manter as portas abertas.

Qual o envolvimento da população às atividades desenvolvidas?
Temos tido sempre uma considerável adesão da população nas nossas atividades e o segredo parece estar na forma como vamos, aos poucos, envolvendo as pessoas.

Catarina Cerca

Posted in Anadia, Avelãs de Caminho, Por Terras da Bairrada Comentários


Pergunta da semana

Vai a algum festival de verão este ano?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com