Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "atividades"

Anadia: Atividades na Biblioteca Municipal


No próximo sábado, dia 7 de dezembro, é dia de “Sábados com Arte” na Biblioteca Municipal de Anadia. Esta sessão é subordinada à temática dos “Anjinhos”.
A proposta é para que decore a sua casa com um toque angelical. Este ateliê será dedicado à criação de anjos de Natal e decorrerá em duas sessões: adultos: das 10h30 às 11h30 e crianças: 11h30 às 13h(mais de 8 anos). A partir da obra “Um Conto de Natal”, de Charles Dickens, as crianças trabalharão uma área específica no domínio da expressão plástica.
A atividade é gratuita e comporta um máximo de 15 participantes por sessão.

Hora do livro. A rubrica intitulada Hora do Livro será nesta sessão de 7 de dezembro (11h) subordinada ao livro: “O senhor das barbas brancas”, de Elsa Serra.
A atividade para os mais pequeninos vai dar a conhecer “Uma história muito especial que explica tudo sobre o Senhor das Barbas Brancas que aparece todos os anos pelo Natal: onde vive, o que faz, quais os seus segredos mais bem guardados…” “ Apressa-te! Abre o livro pois ele está ansioso por te conhecer!”.

Posted in Anadia, Por Terras da BairradaComments (0)

Anadia: Agrupamento de Escuteiros em casa nova


O protocolo de cedência de utilização da Escola EB1 de Alféloas pelos Escuteiros de Anadia foi assinado, no passado dia 15 de dezembro.
O Agrupamento de Escuteiros 221 de Anadia, do CNE e a Junta de Freguesia de Arcos assinaram o acordo prevê a utilização pelos Escuteiros dos espaços e instalações desta antiga escola, já desativada, localizada no lugar de Alféloas, para aí instalarem a sua sede e desenvolver as suas atividades, por um período inicial renovável de cinco anos.
A celebração deste acordo decorreu durante a tradicional Festa de Natal do Agrupamento, que reuniu no Centro Cultural da Moita cerca de duzentos participantes, entre escuteiros, familiares, amigos e antigos escuteiros do Agrupamento, muitos dos quais reunidos no recém-fundado Núcleo de Anadia da Fraternidade Nun’Álvares.
O acto foi oficializado pelo presidente da Junta de Freguesia de Arcos, Fernando Fernandes, pelo Chefe Regional de Aveiro do CNE, Manuel Santos e pelos dirigentes do Agrupamento 221 de Anadia, Luís Rocha e Mário Santiago, tendo o mesmo sido testemunhado por Rosa Tomás, vereadora da Educação e Cultura da Câmara Municipal de Anadia e pelo padre António Torrão, pároco de Arcos e Assistente do Agrupamento 221 Anadia.
Este acordo de cedência baseia-se no entendimento das partes sobre o alto valor social das atividades desenvolvidas pelos escuteiros, onde se estimula a educação para a cidadania, baseado no método, na lei e nos princípios do escutismo e na necessidade que, para tal, o Agrupamento 221 tem em dotar-se de infraestruturas básicas para o desenvolvimento das suas reuniões, jogos e ações formativas.
Esgotadas as possibilidades de manter a atual sede nos Jardins do Palacete Seabra de Castro, o Agrupamento conta concluir a instalação da nova sede de Alféloas ainda durante o atual período de atividades. Para isso, vai ser ainda necessário efetuar algumas obras de reabilitação e adaptação dos edifícios existentes, de modo a compatibilizar as duas atuais salas às exigências pedagógicas relacionadas com a existência de quatro faixas etárias correspondentes a outras tantas secções de trabalho.
Com a instalação da nova sede de Alféloas, o Agrupamento 221 de Anadia vê, desta forma, criarem-se melhores condições para desenvolver de forma mais sustentada as suas atividades pedagógicas e educacionais, transmitindo vitalidade e capacidade de integração na comunidade e de projetar o seu futuro, de modo a responder adequadamente às expetativas dos que o procuram e dos que que com ele podem e querem contar.

Agrupamento 221 Anadia do CNE

Posted in Anadia, Por Terras da BairradaComments (0)

Casa Povo Av. Caminho: Gestão sustentada para dinamizar o maior número de atividades


A Casa do Povo de Avelãs de Caminho completa, no próximo dia 11 de maio, sexta-feira, 75 anos de existência (Bodas de Diamante).
A data será assinalada com missa e jantar comemorativo.
Em entrevista, Jaquelina Santos, presidente da direção, faz um balanço muito positivo destes 75 anos de vida da Casa do Povo, dando a conhecer alguns projetos que serão desenvolvidos ao longo do ano, tendo em vista o envolvimento e união da população.

De que forma vão assinalar os 75 anos da instituição?
Será realizada, no dia 11, uma eucaristia de ação de graças pelos 75 anos e em memória de todas as pessoas que se dedicaram à instituição, pelas 19h30h. Posteriormente, será o jantar de comemoração no salão da Casa do Povo com abertura solene, ao som da Banda Nova Juvenil de Fermentelos que graciosamente ficará a abrilhantar o jantar. Esta comemoração está aberta a toda a população, mas em especial a todas as pessoas que de alguma forma estão ou estiveram ligados à Casa do Povo.

Numa altura em que muitas Casas do Povo já foram extintas, como é que esta resistiu ao passar do tempo?
Com o 25 de Abril, veio a extinção das Casas do Povo no conceito em que existiam. Algumas pessoas resolveram com muito boa-vontade continuar um projeto em que se mantivessem as instalações e algumas atividades, graças à “carolice” e empenhamento voluntário.
Não nos podemos esquecer que o salão da Casa do Povo continua, para bem e para mal, a ser a “sala de visitas” de Avelãs. Continua a ser solicitada para realizar bodas de casamento, bailes, eventos de solidariedade.
Mas teve, a dado momento, que se fazer uma espécie de paragem, clarificar os objetivos, legalizar os estatutos e formar uma verdadeira associação.
Resistir, hoje, significa que a Casa do Povo é de todos em geral mas sobretudo dos sócios e daqueles que se sentem corresponsáveis pelo seu funcionamento.

Qual é hoje o principal propósito da sua existência?
Atualmente temos cerca de 400 sócios. A estes sócios vai ser proposta, brevemente, a renovação do seu “sim” ao modelo associativo. O principal propósito, neste momento, é dinamizar o maior número de atividades, tendo em conta uma gestão sustentada.
Pretendemos que a população de Avelãs se envolva e partilhe o seu tempo livre, as suas ideias e projetos e nos ajude a concretizá-los e a disponibilizá-los a todos.

Quais as atividades previstas para os próximos meses?
Começámos, logo em janeiro, com uma matiné de teatro levada a cabo por atores de Avelãs. As atividades programadas são: o desfile de Vestidos de Noiva com mais de 20 anos. Acreditamos que, apesar dos quatro desfiles, ainda existem mais vestidos e mais histórias para apresentar em mais um desfile; manter o curso de arraiolos, uma vez por semana, com vista a posterior exposição; promover o Programa “A caminho do Verão sem Barrigão”, a partir de junho porque durante o mês de maio temos a Casa do Povo ocupada com vários eventos e atividades; realizar o passeio cicloturistico, em junho, que é já uma tradição e que funciona como um excelente momento de convívio; realizar, em data a definir, workshops na área da saúde (provavelmente abordaremos o tema da DPOC, doença pulmonar obstrutiva crónica.,Osteoporose e Menopausa); realizar em agosto, a Festa do Emigrante com o objetivo juntar todos os nossos conterrâneos que, ao longo do ano, estão espalhados por esse mundo fora, partilhando histórias e divertindo-se ao som do nosso “TV5 dos Pobres”; promover o espetáculo “Os Talentos de Avelãs”, para revelar alguns dos talentos que temos na área da música, da canção, da representação, da poesia e da dança; realizar uma exposição de colecionismo, depois do verão. Todos os avelences estão convidados a partilhar a sua coleção nas mais diversas áreas (moedas, selos, calendários, postais, garrafas, chavenas, etc).
A secção Columbófila tem várias provas agendadas e a realização de mais um almoço-convívio que conta com a participação de columbófilos de todo o país para leilão de pombos e entrega de prémios.
A secção de Ciclismo realiza e participa em provas contra-relógio e anualmente organiza uma peregrinação ao Santuário de Fátima para atletas e familiares.

A equipa que hoje dirige a Casa do Povo está disponível para continuar?
Estar à frente de uma direção exige muita disponibilidade e capacidade de inovar para que se criem eventos capazes de levar a população a participar, a deixar o conforto da sua casa e a envolver-se nesta associação. Quatro anos seguidos provocam um desgaste em todos os elementos da direção porque estão continuamente a preparar novas atividades e novos eventos. Devia entrar “sangue novo”, com novas ideias e com disposição para “movimentar” esta casa.
Avelãs tem muitas pessoas capazes de formar uma direção e fazer um bom trabalho.

Quais as maiores dificuldades?
As principais dificuldades são as económicas. É difícil criar eventos e não ter dinheiro para os promover. Não podemos impor custos elevados às nossas atividades porque depois não teríamos participantes. Não fosse a boa-vontade, os beneméritos e uma gestão cautelosa, e não seria possível manter as portas abertas.

Qual o envolvimento da população às atividades desenvolvidas?
Temos tido sempre uma considerável adesão da população nas nossas atividades e o segredo parece estar na forma como vamos, aos poucos, envolvendo as pessoas.

Catarina Cerca

Posted in Anadia, Avelãs de Caminho, Por Terras da BairradaComments (0)


Ad Code

Pergunta da semana

Um estudo indica que mais de duas doses diárias de álcool por dia aceleram perda de memória. Qual o seu consumo habitual no dia a dia?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com