Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "câmara"

Sangalhos: Câmara Municipal ajuda na reconstrução de habitação


A Câmara Municipal de Anadia vai ajudar a reconstruir a casa do jovem casal de Sangalhos que, a 18 de dezembro de 2016, ficou sem casa, na sequência de um incêndio que destruiu por completo a moradia onde habitavam em Sá-Sangalhos.
A informação foi anunciada a JB pela edil anadiense Teresa Cardoso, depois do executivo ter aprovado por unanimidade, em reunião, uma ajuda que vai rondar os 33 mil euros, sendo certo que a Câmara Municipal irá ainda fazer o acompanhamento na fiscalização da obra.
Na última sexta-feira, a edil anadiense Teresa Cardoso, o vice-presidente da autarquia, Jorge Sampaio, o autarca da freguesia de Sangalhos, António Floro e o casal estiveram reunidos na Junta de Freguesia para trocar algumas impressões acerca desta ajuda e decisão do executivo.
A JB, António Floro, que foi o autor do projeto, revelou que durante o encontro a edil explicou todos os passos que culminaram neste apoio. Também Patrícia Oliveira confessou ter ficado muito satisfeita com o apoio dado pela Câmara Municipal, que permite encarar o futuro de uma forma mais esperançosa.
A obra, que deverá começar dentro de duas semanas, vai estar a cargo de um empreiteiro da freguesia de Sangalhos que terá apresentado o orçamento mais baixo.
O projeto da “nova” casa traçado por António Floro, que é desenhador, vai ao encontro do desejo do casal. A habitação, com uma área aproximada de 100 m2, terá cozinha e sala comuns com lareira, dois quartos, um pequeno hall e uma casa de banho, permitindo que os compartimentos sejam ligeiramente maiores, uma vez que as áreas foram melhor aproveitadas em relação aos compartimentos que existiam na antiga casa.
Agora, a prioridade é mesmo reconstruir a habitação, o que poderá acontecer até ao verão.
O casal, para fazer face à reconstrução e para mobilar a habitação, disponibilizou na sua página no facebook um NIB: 0038008101200001771 74 (Filipe Vieira – Banco Santander Totta) para quem quiser ajudar monetariamente, de forma a que possam adquirir o mínimo para recomeçar.
Recorde-se que, numa primeira fase, a Câmara Municipal de Anadia ajudou nos trabalhos de remoção de entulho, uma vez que foi necessário proceder à demolição de todas as paredes interiores da habitação.
Filipe Vieira, de 30 anos e Patrícia Oliveira, de 25 anos, são pais de uma bebé com três meses. Ficaram apenas com a roupa do corpo, na sequência deste incêndio.
De imediato, à volta desta tragédia nasceu uma enorme onda de solidariedade, que envolveu não só familiares e amigos, mas também muitos anónimos que mostraram vontade de ajudar a minorar o sofrimento do casal.
Catarina Cerca

Posted in Anadia, Bairrada, SangalhosComments (0)

Anadia: Presidente da Câmara retira pelouros ao vereador Litério Marques


Na sequência do anúncio do PSD, de que o vereador Litério Marques será o candidato do partido à Câmara Municipal de Anadia nas próximas autárquicas, a presidente da Câmara, Teresa Cardoso, já fez saber que lhe é retirado “o regime de permanência e todas as funções inerentes” ao cargo de vereador. Litério Marques era vereador nas áreas de gestão de obras municipais, gestão da rede de transportes e trânsito, gestão da frota municipal e eficiência energética.
Em comunicado enviado ao JB, Teresa Cardoso justifica esta tomada de posição depois de Litério Marques ter “repudiado publicamente o MIAP”, movimento independente que este criou e pelo qual foi eleito nas últimas eleições; e após ter sido anunciado como candidato do PSD.
A atribuição do regime de permanência ao vereador Litério Marques, nas áreas referidas, adianta Teresa Cardoso, “foi feita na plena convicção de que o seu exercício seria desenvolvido com verdadeiro espírito de confiança, transparência e lealdade”. No entanto, a autarca acusa o vereador de ter assumido publicamente “uma conduta que demonstra falta de lealdade e de respeito para com todos os autarcas eleitos pelo MIAP”.
Por outro lado, “ao contrário dos restantes vereadores em regime de permanência, o vereador Litério Marques não vem exercendo as funções que lhe foram confiadas” em 2013. A autarca vai mesmo mais longe, acusando o vereador de não cumprir com o seu trabalho, já que, desde que assumiu funções até à data, não apresentou, “em articulação com a presidente de câmara ou com os dirigentes da autarquia responsáveis pelas respetivas unidades orgânicas, quaisquer propostas, projetos ou outros contributos”.
A presidente da Câmara Municipal de Anadia mostra-se ainda desagradada pelo facto de Litério não lhe ter comunicado, “formal ou informalmente, “o seu novo rumo político”, tendo tomado conhecimento através da comunicação social.
Conclui dizendo que, “das atitudes do senhor vereador Litério Marques resulta, inevitavelmente, uma clara falta de confiança pessoal e institucional, e incompatibilidade no que respeita ao exercício das funções, que conduziram a uma rotura que obriga a uma tomada de posição inadiável e categórica”.
Assim sendo, foram retirados, ao vereador, desde 16 de janeiro, “o regime de permanência e todas as funções que lhe foram cometidas”, é revogado todo e qualquer despacho “que lhe atribua funções, nomeadamente de representação municipal”, sendo ainda Litério Marques obrigado a “libertar todos os recursos físicos, materiais e humanos que lhe foram disponibilizados” no âmbito das funções que exercia.

“A seu tempo, falarei.” O vereador Litério Marques não quis tecer grandes comentários a esta decisão da presidente, apenas afirmou que, “conhecendo-a como conheço, não estranho esta decisão”.
Questionado se esta decisão não seria natural, dado já ser conhecida a sua candidatura pelo PSD, Litério Marques discorda, afirmando-se “um homem livre”, podendo “concorrer por quem quiser”.
O vereador, agora sem pelouros, critica esta deliberação, dizendo que tem “os seus projetos na Câmara e tenho o meu vencimento – se não tivesse outros rendimentos, como é que viveria a partir de agora?”
Quanto à falta de lealdade e outras acusações, refere que “a seu tempo” falará.
A decisão, agora revelada pela presidente da Câmara, vem na sequência de declarações de Litério Marques, em dezembro último, de que ia abandonar o MIAP, e que a sua existência já não fazia, inclusive, sentido. No dia 9 de janeiro, a Concelhia do PSD/Anadia entregou a Litério marques duas fichas, uma de candidatura e outra de militância, que assinou para formalizar o processo. No dia 10 de janeiro, o seu nome é anunciado, pela Distrital de Aveiro do PSD, como candidato à presidência da Câmara Municipal.
Oriana Pataco

Posted in AnadiaComments (0)

Câmara de Anadia cria Portal de Emissão de Plantas


mapa

Com o objetivo de melhorar e facilitar a relação dos munícipes com os serviços municipais, a Câmara Municipal de Anadia já tem on line um novo portal que permite obter plantas de localização topográfica e extratos do Plano Diretor Municipal e do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no formato PDF (Portable Document Format).

Este portal permite aos utilizadores navegar num mapa e selecionar o local pretendido para a obtenção das plantas necessárias à instrução de diversos procedimentos, designadamente processos de licenciamento de operações urbanísticas, pedidos de arborização e rearborização, emissão de certidões de toponímia, ou atualização da caderneta predial dos prédios rústicos e urbanos. É também possível identificar nas plantas o limite de terreno, desenhando-o manualmente no mapa ou a partir de um ficheiro vetorial de formato shapefile, kml ou geojson.

As plantas obtidas no portal, e apresentadas para os diversos fins, são gratuitas, sendo enviadas para o correio eletrónico dos utilizadores. O portal pode ser acedido através da homepage do site oficial da Câmara Municipal de Anadia http://www.cm-anadia.pt ou através do endereço http://sig.cm-anadia.pt/plantas.

Posted in AnadiaComments (0)

Oposição preocupada com avençados da Câmara, EPVL e Mata da Buçaco


reuniao-camara-mealhada

A oposição na Câmara da Mealhada solicitou ao executivo uma relação de todos os avençados da autarquia, à data de 5 de dezembro, solicitando igualmente a mesma relação à Fundação Mata do Buçaco (FMB) e à Escola Profissional Vasconcellos Lebre (EPVL). O assunto foi pedido por Hugo Silva, da coligação Juntos pelo Concelho da Mealhada, na última reunião pública, queixando-se não ter ainda recebido nada sobre o pedido até ao momento.
Aquele vereador, que se encontra a substituir Marlene Lopes, que pediu suspensão do mandato por doença, explicou ao JB que este pedido “é uma questão de base que temos que salvaguardar”, uma vez que “há que perceber, por um lado, a estrutura organizativa da Câmara e de entidades onde a autarquia tem responsabilidades na gestão”, pormenorizando que quanto à EPVL, “preocupa-nos saber o impacto na estrutura perante as dificuldades atualmente existentes na sua gestão”. No que diz respeito à FMB, Hugo Silva sustenta que esta entidade “teve, recentemente, alterações na sua orgânica e queremos perceber os impactos dessa restruturação”, concluiu.
O vereador justifica que este pedido “legítimo” tem uma grande intenção: “Preocupa-nos as famílias, há projetos familiares e queremos tentar colaborar para que sejam salvaguardados”.
Aquele pedido foi feito na última reunião de Câmara, com Hugo Silva a prometer ser “o mais colaborante possível” com o executivo. Em resposta, o vice-presidente da Câmara, Guilherme Duarte, mostrou disponibilidade para fornecer aqueles dados, frisando que toda aquela informação sobre avençados está “explícita em atas da Câmara, disponíveis no site da autarquia”. A vereadora socialista Arminda Martins completou, destacando que aqueles dados “são documentos públicos”.
Entretanto, o vereador da oposição acusou, na passada terça-feira, não ter recebido qualquer dos dados solicitados, prometendo reforçar o pedido na próxima reunião, a 19 de dezembro.
Naquela reunião, Hugo Silva pediu igualmente ao executivo a atribuição de um e-mail a cada elemento da oposição, assim como à bancada da coligação na Assembleia Municipal, solicitando igualmente uma sala de atendimento quinzenal nos Paços do Concelho, para que os vereadores possam receber os munícipes.

João Paulo Teles

Posted in Bairrada, MealhadaComments (0)

Câmara Municipal de Anadia: Litério Marques abandona o MIAP


Litério Marques, um dos fundadores do MIAP, que venceu as últimas eleições autárquicas em Anadia, vai abandonar o movimento, considerando mesmo que a sua existência “já não faz sentido”. Esta decisão surge após “as críticas” feitas na sua ausência, “na última Assembleia Municipal”.
O criador do Movimento Independente Anadia Primeiro sublinha ter “plena consciência” de que foi “o principal responsável pelo desaire do PSD nas últimas eleições autárquicas” e “portanto penso ser legítimo assumir esse facto e pedir desculpa a todos aqueles que me seguiram votando MIAP”. Litério Marques vai mesmo mais longe, considerando que “a partir de agora este movimento não tem razão de ser”, pois “o MIAP foi de Litério Marques”.
O atual vereador afirmou ao JB ter percebido que o “seu” projeto “nunca teria sucesso a partir do momento que foi e continua assumido o compromisso com o PS e com os derrotados nas últimas eleições para a Comissão Política do PSD”. “Como toda a gente sabe, a maior parte dos nossos votantes vieram do PSD e do CDS, logo qualquer aliança devia aproximar-se dos partidos de onde, na lógica, esses votantes eram oriundos; o que, na realidade, não se verificou.”
Mas, continua Litério Marques, “foi-se mais longe – alguns autarcas do PSD cedo perceberam que a melhor forma de vencer o adversário era «aliar-se» ao MIAP. E assim fizeram – Vereador, Deputados e até Presidentes de Junta, esquecendo o partido que lhes proporcionou a sua eleição passaram a apoiar aqueles com quem se confrontaram nas últimas eleições autárquicas onde foram vencidos.”
Litério Marques considera, no entanto, que este não é o momento certo para revelar “as grandes razões desta atitude” e que o fará “em momento menos emocional”.
Diz, contudo, que o seu abandono do MIAP “é também uma resposta aos tais eleitos do PSD que em eleições para a concelhia, como disse, perderam e, portanto, não têm qualquer legitimidade para representar o PSD e então, para esses, seria de bom-tom também pedirem a exclusão do partido. Não o fazem – por razões que toda a gente atenta percebe, mas essa lista policromática não vai ter lugar para todos.”
Esta decisão, avança, “deveria abrir caminho à integração dos militantes do PSD que estão suspensos, caso os mesmos assim o entendam”. Da sua parte, afiança que tudo fará “para que no PSD acabe esta guerra de lugares” e deixa um apelo aos atuais dirigentes concelhios: “que saibam procurar nos seus militantes e simpatizantes as pessoas certas para elaborar um projeto credível e sério para Anadia”.
Teresa Cardoso garante que dará continuidade ao MIAP. Contactada pelo JB, a presidente da Câmara Municipal de Anadia, Teresa Cardoso, admitiu desconhecer a decisão do vereador Litério Marques, mas assegurou que vai dar continuidade ao movimento, pelo qual, aliás, já assumiu ser a candidata às próximas autárquicas. “Se eu dei a cara pelo MIAP desde o princípio, vou continuar a dar. Não só por mim, mas por todas as pessoas que acreditam e que estão cada vez mais empenhadas nesta causa.” Teresa Cardoso contraria mesmo Litério Marques, considerando que o MIAP “faz cada vez mais sentido”.
Questionada sobre se mantém a confiança no vereador e se encara a possibilidade de lhe retirar os pelouros, Teresa Cardoso diz que a confiança “é relativa, pois há muito tempo que o sr. Vereador toma posições com pouca ou mesmo nenhuma coerência com o Movimento e demonstrando até falta de lealdade, ao contrário da que eu mantive para com ele, durante os cerca de 20 anos em que trabalhámos juntos na autarquia.” Por isso, “se de facto o sr. vereador entende que não mantém confiança no MIAP e incita até elementos do executivo a abandonar as próprias funções, talvez devesse ele próprio colocar o seu lugar à disposição. Essa devia ser a primeira coisa a fazer, uma vez que não se identifica com o projeto do MIAP.”
Relativamente às críticas feitas a Litério Marques, na última Assembleia Municipal (na sua ausência) e ao facto de ninguém o defender, Teresa Cardoso afirma que “quem se manifestou foram os deputados municipais”. “Se não houve nenhum elemento, de nenhuma bancada, a apresentar o contraditório, foi porque não o quiseram.”
Oriana Pataco

Posted in AnadiaComments (1)

Litério Marques abandona o MIAP


Litério Marques vai abandonar o MIAP e acredita mesmo que a existência do Movimento já não faz qualquer sentido.

Saiba as razões que levaram à decisão do vereador da Câmara Municipal de Anadia e conheça a reação da presidente da Câmara, Teresa Cardoso, na próxima edição do Jornal da Bairrada.

Posted in Anadia, BairradaComments (0)

Câmara da Mealhada: Orçamento para 2017 ronda os 20,7 milhões


O orçamento da Câmara Municipal da Mealhada para 2017 ronda os 20,7 milhões de euros e terá como um dos principais investimentos, a regeneração urbana do centro da cidade (2,6 milhões).

O assunto foi discutido esta manhã, em reunião de câmara e o documento, ainda preliminar, vai ser apresentado aos restantes partidos políticos ao abrigo do estatuto da oposição, no próximo dia 15. Na reunião de executivo do dia 19 será então analisado e votado na Assembleia Municipal no dia 29 de dezembro.

Na lista de principais investimentos para o próximo ano está ainda a ETAR da Mealhada (2,3 milhões) e os mercados municipal da Mealhada e o de Pampilhosa. Está ainda sinalizado o futuro edifício municipal, cuja candidatura está em fase de aprovação, para um valor total de 4,3 milhões de euros (+ IVA), comparticipados em 1 milhão.

Posted in Bairrada, MealhadaComments (0)

Anadia: Orçamento municipal para o último ano de mandato vale 20 milhões de euros


Foram aprovados, por maioria, em reunião de executivo extraordinária, realizada no passado dia 28 de outubro, os documentos previsionais do município de Anadia para o ano de 2017.
Para o último ano de mandato, o executivo liderado por Teresa Cardoso tem pouco mais de 20 milhões de euros para trabalhar.
Neste que foi o último Orçamento e Plano de Atividades (OPA) do mandato, os vereadores do PSD, José Manuel Ribeiro e Lígia Seabra, na hora da votação, abstiveram-se tal como o vereador e ex-presidente da autarquia anadiense, Litério Marques. Acompanharam Teresa Cardoso nos votos favoráveis, o vice-presidente Jorge Sampaio (MIAP) e os vereadores Jorge São José (PSD) e Lino Pintado (PS).

Plano de continuidade. O plano de atividades que encerra o ciclo autárquico de 2013- 17 faz uma aposta em áreas como Ordenamento do Território, Desporto, Recreio e Lazer e ainda no Abastecimento de Água.
Numa breve retrospetiva sobre os três anos passados, a edil recorda as dificuldades encontradas, destacando a aposta feita na continuidade de alguns investimentos iniciados e na conclusão de muitos outros, casos do Centro Escolar de Avelãs de Cima/Avelãs de Caminho e requalificação da ETAR de Sangalhos.
Já em matéria de Ordenamento do Território, o destaque vai para o trabalho realizado na requalificação urbana e de diversas zonas industriais existentes, bem como para a remodelação das infraestruturas básicas de abastecimento de água.
Foi sob o seu mandato que deu continuidade à elaboração do Plano de Pormenor da ZI de Amoreira da Gândara e à definição das áreas de reabilitação urbana.
A edil não deixa de destacar ainda o estabelecimento de novas medidas de apoio social às famílias e a instituições, tendo sido também reforçado o apoio às coletividades e associações culturais.
Por isso, sublinha que as “nossas crianças e os nossos séniores continuarão a estar sob a nossa atenção, na escola, no desporto, na cultura, no recreio, no lazer, no social, enfim, nas muitas ações que no quotidiano se vão desenvolvendo.”
Teresa Cardoso sublinha igualmente a aproximação feita às pessoas e às instituições, envolvendo a comunidade e empresas “num trabalho conjunto e de apoio recíproco entre associações e entidades, reforçando as relações de cooperação e de envolvimento nas áreas culturais, desportivas, sociais e de desenvolvimento económico”.
Apostas em várias frentes. De acordo com a edil anadiense, para 2017, as áreas da Educação, do Ordenamento do Território (áreas de reabilitação urbana, nomeadamente do PARU), do Desporto (associada à eficiência energética nas Piscinas Municipais e às pistas de BMX, XCO), do Abastecimento de Água (renovação de redes de distribuição), do Saneamento, dos Transportes Rodoviários e Mercados e Feiras (com destaque para as obras no mercado de Vilarinho do Bairro) absorvem as maiores importâncias deste Orçamento.
Contudo, haverá também um aumento nas transferências para as dez Juntas de Freguesia, as quais serão aplicadas nos investimentos que pretendem realizar, e que se traduzirão nos acordos pontuais a celebrar.
Para as rubricas da Proteção Civil, dos investimentos associados à Defesa e Proteção da Floresta contra Incêndios, espera reforçar os investimentos para além dos previstos, pelos instrumentos de comparticipação que entretanto se aguardam, tal como para a requalificação dos Caminhos Agrícolas, contando, ainda, nesta área, com a intervenção por administração direta da autarquia.
Já em matéria de Indústria e Energia pretende realizar investimentos na requalificação de outras zonas com aptidão industrial, bem como na aquisição de terrenos e na realização de infraestruturas de ampliação dos parques industriais existentes que considera serem “imprescindíveis ao desenvolvimento económico do concelho.”
Da mesma forma, a Requalificação das Vias e a Prevenção Rodoviária, com a substituição e o reforço na sinalização, serão também outra das prioridades neste último ano de mandato.
Sem esquecer o Turismo, diz que nesta área será também reforçado o investimento e terá como prioridade as ações de marketing, de animação, de sinalização de roteiros e de participação em eventos ou feiras de promoção e valorização dos recursos endógenos do concelho.
Rejeita por completo que se diga ser este “um orçamento eleitoralista”, até porque diz “não perceber onde está esse eleitoralismo, já que as obras não são de montante tão significativo como no passado.
A JB destaca que até final do mandato “gostaria de ter todas as obras concluídas, tanto as que estão já adjudicadas como as que estão em vias de adjudicação”.
Embora existam investimentos que gostaria de concretizar de uma forma mais imediata, destaca que as novas regras de financiamento dentro do novo Quadro Comunitário Portugal 2020 não o permitem: “para candidatar uma obra aos Fundos Comunitários ela não pode estar encerrada física e financeiramente, sob pena de se perder o financiamento para a mesma”.
Ao JB clarifica ainda que “o rigor e a transparência, a redução do serviço da dívida, a assunção de compromissos assumidos, o equilíbrio das contas públicas, as comparticipações que se preveem alcançar no âmbito do Portugal 2020, serão, no dia a dia, objetivos a trabalhar e a alcançar”.
Paralelamente, recorda que as reduzidas percentagens dos impostos que serão cobrados no Município, os apoios e incentivos fiscais aos empreendedores e às empresas, as reduzidas tarifas de água, saneamento, resíduos sólidos, a ação social escolar, as diversas medidas de apoio social incrementadas no Município, a que acresce a implementação do Cartão Anadia Jovem e do Cartão Anadia Sénior, entre outras, contribuirão para uma melhor qualidade de vida dos anadienses e a todos aqueles que aqui se possam vir a instalar, viver e usufruir das infraestruturas disponíveis.
A terminar, deixou ainda a nota da criação do Conselho Municipal de Juventude, mas também que em 2017 os jovens serão desafiados, pela primeira vez, pelo Município, a apresentar as suas propostas “para um determinado valor de orçamento que dedicamos, em exclusivo”, no âmbito do Orçamento Participativo Jovem.

20.139.600,00 euros é o orçamento para 2017

Nas grandes opções do plano, para as quais estão alocados 10.633.194 euros, destaca-se:
Funções gerais: Administração geral – 287.667 euros; Proteção Civil e luta contra incêndios – 211.000 euros
Funções sociais: Ensino Superior – 484.500 euros; Serviços Auxiliares de ensino – 916.000 euros; Ação Social – 202.000 euros; Ordenamento do território – 2.103.000 euros; Saneamento – 338.500 euros; Abastecimento de água – 1.008.000 euros; Resíduos sólidos – 264.000 euros; Proteção meio ambiente e conservação natureza – 224.500 euros; Cultura – 851. 000 euros; Desporto, Recreio e Lazer – 1.371.000 euros; Outras atividades cívicas e religiosas – 32.000 euros
Funções económicas: Agricultura, pecuária, silvicultura, caça e pesca – 120.000 euros; Indústria e energia – 270.000 euros; Transportes rodoviários – 497.500 euros; Mercados e feiras – 530.000 euros; Turismo – 321.100 euros; Outras funções económicas – 40.000 euros
Outras funções: Operações da dívida autárquica – 133.290 euros; Transferências entre administrações – 428.137 euros

Vereadores do PSD acusam executivo de “ausência de um projeto global e estratégico para o concelho”. Para os vereadores José Manuel Ribeiro e Lígia Seabra, do PSD, os documentos refletem as escolhas políticas da maioria MIAP/PS, constituindo a sua expressão financeira, “sem qualquer margem de dúvida, a inexistência de uma estratégia adequada à realidade do concelho.”
Apesar de notarem alguns pontos positivos, dizem que o caminho traçado pelo executivo MIAP/PS “é passivo e redutor, e tem dado provas de que os grandes projetos e obras de regime não passam de meras intenções e escondem a incapacidade técnica e política que objetivam a sua concretização.” Por isso, dizem que “urge a implementação de uma estratégia de desenvolvimento económico, social e cultural que coloque Anadia no mapa”.
De resto, obras como a requalificação do Rio Serra, construção de circuito pedonal e ecovia de ligação Curia, Anadia, Sangalhos, bem como a requalificação do Rio Cértoma não passam de “ um repositório de obras já inscritas em GOP anteriores e não concretizadas”.
Ao contrário do que se passa nos concelhos vizinhos, defendem que Anadia “assiste à diminuição da sua população, ao abandono dos mais jovens que saem para estudar e não voltam, porque o concelho pouco ou nada tem para lhes oferecer.”
Daí dizerem que o modelo defendido nos documentos “condiciona as gerações futuras, não potencia os recursos materiais e imateriais do concelho e não capacita os diversos mecanismos de criação de riqueza interna, seja através da criação de mais e melhor emprego, seja pelo investimento público estratégico que alavanque, cative e fixe o investimento privado.”
E continuam: “os documentos previsionais para 2017, não dão qualquer garantia da concretização de obras propostas para o concelho, algumas delas inscritas exercício após exercício, que pese embora representem as prioridades de uma maioria, não chegam sequer a colidir com as expectativas dos anadienses porque simplesmente não passam do papel, ora porque os fundos do Portugal 2020 tardam, ora porque ainda não é o tempo certo, ora porque lá surge uma qualquer desculpa para justificar a incapacidade e o insucesso.”
José Manuel Ribeiro e Lígia Seabra lamentam ainda que em final de mandato não seja possível concretizar os projetos que deveriam ter acontecido. Por quê?
Segundo defendem, “o documento apresentado deixou de evidenciar um exercício de mera gestão orçamental, para passar a ser um documento de gestão eleitoral, onde os projetos e os prazos parecem encaixar perfeitamente numa dinâmica que só por si poderá não ser suficiente”, concluindo que nos últimos três anos, “o concelho esteve submerso num marasmo económico e social.”
Acusam ainda a maioria MIAP/PS da “ausência de um projeto global e estratégico para o concelho.”
Ainda que o orçamento para 2017 seja ligeiramento superior ao do ano transato (+1,638 milhões de euros) sublinham, por exemplo, que a “Ação Social” tenha sofrido uma diminuição face às GOP de 2016, continuando sem expressão. “Uma faixa considerável de famílias anadienses continuará desapoiada pela autarquia, com especial ênfase para os mais desfavorecidos e desprotegidos”.
Já em matéria de “Juventude”, embora reconheçam a implementação de algumas medidas, defendem que “urge a implementação de uma estratégia e a aprovação de um Plano Municipal de Juventude, que consiga fixar no nosso concelho os jovens anadienses”.
No âmbito da “Indústria e Energia” e “Outras Funções Económicas”, sublinham ser “cada vez mais evidente a inadiável necessidade de implementar uma real e efetiva estratégia de desenvolvimento económico do concelho garantindo a permanência das atuais empresas instaladas, mas sobretudo, conquistando novos investidores, empreendedores e industriais, criando postos de trabalho e gerando riqueza”, não deixando de criticar o programa Invest em Anadia: “até ao momento é muito papel e pouca ação, sem resultados reais e palpáveis.”
Mas as críticas dos vereadores social-democratas vai ainda para o fraco investimento no “Turismo”, área que dizem estar em “subaproveitamento”, e para as rubricas “Proteção Civil e Luta contra Incêndios” , “Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Caça e Pesca”, “Proteção do Meio Ambiente e Conservação da Natureza”, que representam cerca de 5% do total das GOP, o que é “claramente insuficiente.”
Também o valor consagrado à “Cultura” deixa muito a desejar, não só devido à “ausência de visão e estratégia”, mas porque “a atividade cultural ainda não é significativa e a população anadiense continua relativamente afastada de uma oferta cultural minimamente condigna e multifacetada”.
Em matéria de “Desporto, Recreio e Lazer”, os vereadores do PSD avançam que os equipamentos a construir são “de relativo pouco impacto financeiro (construção da pista de XCO BTT (290 mil euros) e a reinscrição da (continuação da) construção da pista de BMX em Sangalhos (330 mil euros) , obra com permanentes e sistemáticos adiamentos e protelamentos.”
Destacam ainda que deveria ser feito um maior investimento no “Abastecimento de Água”, uma vez que a rede de abastecimento de água está, em larga medida, obsoleta, sendo a renovação e remodelação urgentes.
Consideram ainda importante na rubrica “Transportes Rodoviários” que antes dos alcatroamentos que se pretendem efetuar se possam requalificar, precedentemente, as redes de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e águas pluviais.
Críticas ainda às verbas a transferir para as Juntas de Freguesias, que poderiam ser reforçadas: “deve-se salientar que o valor consagrado nas GOP de 2017 representam uns escassos 4% do total das GOP, quando há concelhos de dimensão e circunstâncias idênticas a Anadia cujo valor se aproxima dos 10%.” Em matéria de política fiscal municipal, os vereadores do PSD entendem que o concelho poderia ser ainda fiscalmente mais atrativo.

(ler artigo completo na edição em papel)

Posted in Anadia, BairradaComments (0)

Tamengos: Edifícios do Curia Tecnoparque degradados


A degradação dos edifícios que integram o Curia Tecnoparque foi um dos assuntos abordados na última reunião pública do executivo anadiense, realizada na penúltima quarta-feira, dia 26.
O caso foi apresentado pelo vereador José Manuel Ribeiro (PSD) que, para além de denunciar a degradação visível no exterior dos edifícios, apontou mesmo o caso do edifício central, onde funciona a Universidade Sénior (redondo), onde alguns tetos falsos e estruturas não tão rígidas e consistentes ameaçam ruir.
O vereador do PSD apontou ainda a degradação exterior no edifício Incubadora de Empresas como não sendo “um bom cartão de visitas”, como também “não apela ao investimento ou empreendedorismo”.
Na ocasião, o vice-presidente da autarquia anadiense e vereador, Jorge Sampaio, destacaria que sendo edifícios já com alguns anos, carecem de intervenção que já está a ser feita, uma vez que se trata de equipamentos da responsabilidade da Câmara Municipal de Anadia.
Contactado o Curia Tecnoparque, foi avançado ao nosso jornal que de facto existem, no edifício central (redondo) alguns problemas de infiltrações e humidade que urge resolver, assim como algum pladur danificado devido a estes problemas.
Relativamente à Incubadora de Empresas, o Curia Tecnoparque confirma que as placas de madeira exteriores que revestem o edifício apresentam desgaste provocado pelo tempo.
Refira-se que estes edifícios datam de 2005, pertencendo à autarquia anadiense, a quem compete a realização de obras.
O Curia Tecnoparque é um centro de desenvolvimento tecnológico, de inovação, empreendedorismo e de adequadas respostas sociais.
Ocupa uma área total de 3 hectares, sendo constituído por seis estruturas distintas: o Edifício da WRC, a Incubadora de Empresas e o Espaço de Tecnologias, todos geridos pela Agência de Desenvolvimento Regional, e um Espaço Juventude | ATL e um Centro de Dia.
Catarina Cerca
catarina.i.cerca@jb.pt

Posted in Anadia, BairradaComments (0)

Anadia: Câmara Municipal atribui 30 bolsas de estudo a alunos universitários


Termina, no próximo dia 30 de outubro, o prazo para a submissão de candidaturas às 30 bolsas de estudo, no valor de mil euros cada, instituídas pela Câmara Municipal de Anadia com o objetivo de apoiar jovens estudantes do ensino superior residentes no concelho.
Esta medida, que integra o sistema de apoios sociais da Câmara Municipal de Anadia, prevê a comparticipação da frequência de cursos que confiram os graus académicos de licenciatura ou mestrado, ministrados em universidades, institutos politécnicos, institutos superiores e escolas superiores, públicos ou privados, nos termos do “Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo”, aprovado em 2014. Na sua reunião de 7 de setembro último, o executivo deliberou aumentar, mais uma vez, o número de bolsas a atribuir, que passou de 25 para 30, contemplando eventuais renovações de bolsas atribuídas no ano passado.
Com a atribuição de mais bolsas de estudo, a Câmara Municipal de Anadia propõe-se aprofundar o papel que tem vindo a desempenhar enquanto promotora da coesão social e da igualdade de oportunidades, e, no caso concreto da juventude de Anadia, incentivar e proporcionar o acesso e a frequência do ensino superior a jovens cidadãos, residentes no concelho, cujas possibilidades financeiras sejam insuficientes.
Para efeitos da sua atribuição, considera-se elegível o estudante que esteja matriculado ou seja candidato à matrícula no ensino superior, em Portugal, e que, cumulativamente, resida no concelho de Anadia há mais de dois anos, tenha até 30 anos de idade (inclusive), faça prova de insuficiência económica do seu agregado familiar (nos termos do regulamento), não possua qualquer grau académico do ensino superior, esteja matriculado e inscrito no mínimo em 60% do número total de ECTS que formam o ano do curso que vai frequentar, e tenha apresentado previamente o requerimento de bolsa de estudo junto dos serviços de ação social da instituição onde se encontra matriculado.
Para efeitos de candidatura, deverá ser apresentado, até 30 de outubro próximo, um requerimento dirigido à Presidente da Câmara Municipal de Anadia, acompanhado da ficha de candidatura, devidamente preenchida e assinada, e dos documentos requeridos. O regulamento, a minuta do requerimento e a ficha de candidatura estão disponíveis no Gabinete de Ação Social e no site do Município de Anadia, e as candidaturas deverão ser entregues na Secção de Expediente da Câmara Municipal de Anadia.

Posted in Anadia, BairradaComments (0)

SFImobiliaria

Blogues recomendados


Cagido

PROFESSORA PALMIRA, ONTEM, HOJE E SEMPRE # 2
   Em cada um de nós houve professores e professoras, que nos marcaram mais …


Notícias de Bustos

ADEUS!
Chegou o momento da despedida. O blogue “Notícias de Bustos” termina a sua …


Portal de Nariz

RECORTES DO QUOTIDIANO – A Nova etapa do Portal de Nariz
VEJA AQUI A NOVA PÁGINA DO PORTAL DE NARIZ

Pergunta da semana

É assinante do Jornal da Bairrada?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com