Recortes.pt Leia no Recortes.pt

Tag Archive | "crime"

Detido por posse de arma em violência doméstica


A PJ de Aveiro deteve um homem, de 39 anos, sem ocupação profissional conhecida, fortemente indiciado pelos crimes de violência doméstica, ameaças com arma de fogo e posse de arma proibida.
De acordo com um comunicado, os factos ocorreram desde março deste ano, sendo vítima dos mesmos a ex-companheira do detido, bem como diversas pessoas que residem nas proximidades desta, na zona de Águeda.
O detido, com 39 anos de idade, foi presente às Autoridades Judiciárias competentes na Comarca de Aveiro, tendo-lhe sido aplicadas as medidas de coação de proibição de contactos com as vítimas, com vigilância eletrónica, e a obrigação de apresentações periódicas em posto policial.
O suspeito já anteriormente tinha sido condenado, por duas vezes, pelo crime de violência doméstica.

Posted in Águeda, Por Terras da BairradaComments (0)

11 anos para homem que matou parceiro sexual à paulada


Um homem de 25 anos acusado de assassinar, violentamente, um ajudante de padeiro de Anadia, de 35 anos, na Mealhada, em dezembro do ano passado, foi condenado a 11 anos de prisão pela prática de um crime de homicídio simples.
O arguido vinha acusado da prática de um crime de homicídio na forma qualificada, mas a juíza presidente atendeu ao pedido da defesa para que fosse desagravada a qualificação jurídica do crime. Aliás, a magistrada acabaria por referiu, na leitura do acórdão, que “o arguido ostenta um atraso mental ligeiro moderado, motivo para inimputabilidade diminuída que provoca menor capacidade de autodeterminação”.

No início do julgamento, o arguido referiu que “as agressões foram precedidas de uma discussão motivada alegadamente por ciúmes, já que encontrara a vítima, que também tinha um atraso cognitivo ligeiro, com outro homem num carro”.
Segundo a acusação do Ministério Público, a rejeição causou a ira do acusado que reagiu com extrema violência. Primeiro com um violento murro na cabeça, fazendo com que o amigo caísse por terra. Seguiram-se pontapés e pancadas com uma estaca na cabeça. O agressor ainda despiu e descalçou a vítima, atingindo-a com um punhal que seria recuperado nas proximidades do pinhal pela polícia.

Pistas. Recorde-se que o crime ocorreu no dia 15 de dezembro, mas o desaparecimento do padeiro só foi comunicado no dia seguinte às autoridades, que encetaram de imediato buscas na zona florestal entre Anadia e Mealhada. O autor do crime foi uma das pessoas que se disponibilizou para fornecer pistas para ajudar a PJ na procura do corpo.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Julgamento de agressor de mulher adiado por ataque de epilepsia


Um homem de 58 anos, residente no concelho de Oliveira do Bairro, acusado de um crime de violência doméstica, sofreu um ataque de epilepsia, na penúltima quarta-feira, no início do seu julgamento, obrigando à intervenção dos Bombeiros. O julgamento mal tinha começado e numa altura em que estava a ser feito um requerimento do advogado da assistente para excluir a possibilidade da presença de jornalistas e de público, o arguido começou a sentir-se mal. Acabaria por sofrer duas crises de epilepsia, tendo sido transportado para o Hospital Infante D. Pedro, em Aveiro. O julgamento foi adiado para janeiro de 2015.
De acordo com a acusação, o arguido é casado há 32 anos e desde o primeiro ano de casamento que se começou a dirigir à mulher, pelo menos uma vez por mês, chamando-lhe “p…, vaca, ladra e bêbada” e dizendo-lhe: “qualquer dia parto-te os dentes todos, qualquer dia mato-te e mato-me a mim. Mato-te como se faz a um porco, amanho-te, sangro-te e penduro-te”.
Durante o casamento e, pelo menos seis vezes, o arguido desferiu palmadas na cara da mulher e em algumas situações na presença da filha do casal, que está arrolada como testemunha.
Ainda segundo acusação, as discussões entre casal agravaram-se, desde 2011, motivadas por relacionamentos extraconjugais do arguido.

Leia mais na versão digital do seu JB.

E

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Roubo seguido de tentativa de violação em Águeda


A Polícia Judiciária está a investigar um assalto seguido de uma tentativa de violação ocorrido em Águeda, na penúltima quarta-feira, numa zona residencial com condomínio fechado.
Um indivíduo, de cara descoberta, terá ameaçado uma mulher de 36 anos, obrigando-a a entrar dentro de casa. No interior do apartamento, o agressor tentou despir a vítima, mas esta resistiu. O homem acabaria por levar um porta moedas, onde estavam 15 euros.
A GNR de Águeda foi chamada ao local, mas devido à tipificação do crime, o caso passou, entretanto, para a alçada da Polícia Judiciária que, no local, procurou vestígios deixados pelo assaltante, e que possam levar à sua identificação.

Posted in Águeda, Por Terras da BairradaComments (0)

Dois anos e nove meses de prisão para agressor de violência doméstica


Fernando H., residente em Oliveira do Bairro, foi condenado, na última sexta-feira, a dois anos e nove meses de prisão, suspensa pelo mesmo período, pela prática de um crime de violência doméstica na forma agravada. Agiu, segundo o Tribunal, com dolo direto. O Tribunal deu como provado que o arguido agrediu a mulher física, verbal e sexualmente durante vários anos. Dez dias antes de morrer, vítima de um enfarte, a mulher de Fernando H. foi ouvida em sede de inquérito pelo Ministério Público, onde deu conhecimento das agressões de que era alvo dentro de casa, no espaço temporal entre finais de 2012 e até à data do seu falecimento.
De acordo com a sentença, o arguido “obrigava a mulher a deitar-se e forçava-a a ter relações sexuais. O arguido nunca deixava a mulher estar sozinha e impedia-a de falar com outras pessoas, proibindo-a, desta forma, na sua liberdade de movimentos, e violando os direitos de respeito e de liberdade.
Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Consumidores confirmam em tribunal identidade de mulher que vendia droga


Um rol de testemunhas confirmou, na penúltima quinta-feira, a identidade de uma mulher que está acusada de um crime de tráfico de droga. A mulher vive, atualmente, em França, onde foi mãe recentemente, pelo que só estará no Tribunal em dezembro. A mulher foi detida em março de 2011, na estrada da Murta, em Oliveira do Bairro, onde terá atirado para o chão duas caixas com droga.
De acordo com um militar da GNR, Cátia S. foi avistada na Zona Industrial de Barrô, na companhia de um indivíduo referenciado por tráfico de estupefacientes. “Estavam dois carros parados lado a lado e resolvemos efetuar o seguimento discreto da viatura da Cátia, tendo esta sido abordada na estrada da Murta”, afirmou o militar, explicando que a arguida, que seguia sozinha, “ao abrir a porta do lado do pendura, largou uma caixa para o chão”.
Um outro militar referiu que “no carro também foi encontrado um panfleto de droga, debaixo do banco” e que “a arguida estava nervosa”.
Já Fábio O., de Avelãs de Caminho, disse em Tribunal que foi namorado de Cátia. “Foi um namoro colorido”, afirmou a testemunha, sublinhando que “nunca viu nada de estranho”. “Eu fumava com os meus amigos e ela era contra isso”, acrescentou, justificando que “a Cátia era vendedora de aspiradores”.
Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Jovem confessa ter assaltado quiosque, mas nega ter levado 141 maços de tabaco


Um jovem de 22 anos, de S. Bernardo, acusado da prática de um crime de furto qualificado, detido, preventivamente, em Leiria à ordem de um outro processo, confessou na penúltima quarta-feira, que assaltou um quiosque em Oiã, num período menos bom da sua vida. No entanto, o arguido garantiu ao Tribunal só ter levado 14 maços de tabaco e não 141 como é descrito na acusação. O próprio funcionário do quiosque disse não se lembrar da quantidade, afirmando que só se lembrava que o prejuízo rondava os 500 euros e que o assalto demorou cerca de um minuto. Uma declaração que levou a defesa a alegar que o arguido não teve tempo para meter os 141 maços de tabaco dentro da mochila. A causídica referiu ainda que o arguido está há quase um ano privado da liberdade e que se mostrou disponível para ressarcir os prejuízos causados.

Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Arguido não resiste às alegações do Ministério Público e acaba no Hospital


Fernando H., residente em Oliveira do Bairro, que está a ser julgado pela alegada prática de um crime de violência doméstica, não “resistiu” às alegações do Ministério Público, na última sexta-feira, e teve que ser assistido e transportado pelos Bombeiros para o Hospital de Águeda.
A Procuradora ia com as alegações a meio, quando o arguido disse estar aflito e que não se estava a sentir bem. Perante a indisposição, a juíza solicitou que fosse chamado o INEM, que acabaria por transportá-lo para o Hospital de Águeda. Chegado às urgências, o arguido veio embora e não quis ser assistido. Na terça-feira, as alegações prosseguiram.
Recorde-se que a mulher do arguido morreu em setembro de 2013, ao que tudo indica por faltar de forma regular às consultas da diabetes e por não efetuar os respetivos tratamentos e exames complementares, já que, segundo o Ministério Público, era impedida pelo marido. No entanto, a autópsia não foi conclusiva e o marido garante que sempre a tratou bem e “o tribunal só vê as coisas más e não as boas”.
Dez dias antes de morrer, a mulher de Fernando H. foi ouvida em sede de inquérito pelo Ministério Público, onde deu conhecimento de que era vítima de agressões físicas, psicológicas e sexuais há vários anos. Agressões que terão acontecido no interior da casa onde residiam, em Oliveira do Bairro, no espaço temporal entre finais de 2012 e até à data do seu falecimento.

Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Acusado de maus tratos diz que mulher morreu porque “doença era grave”


Fernando H., residente em Oliveira do Bairro, começou, na segunda-feira, a ser julgado, pela alegada prática de um crime de violência doméstica. A mulher do septuagenário morreu em setembro de 2013 ao que tudo indica por faltar de forma regular a consultas da diabetes e por não efetuar os respetivos tratamentos e exames complementares. A mulher terá sido alvo de maus tratos de forma continuada entre finais de 2012 até à data do seu falecimento.
O Ministério Público acredita que a mulher não compareceu nas consultas e não efetuava os tratamentos, porque o marido não a deixava. Aliás, foi a própria médica de família que contou ao tribunal que “a mulher assumia uma atitude de submissão e que o marido dizia, durante as consultas, que não havia necessidade desta fazer exames e muito menos ir às consultas. No entanto, o arguido nega e, ao mesmo tempo, garante que nunca lhe faltou insulina e que era a própria mulher que se negava a ir ao Centro de Saúde. “A Salete encontrava-se doente mentalmente e ninguém se lembra do bom que aconteceu”, referiu o arguido.

Leia mais na versão digital do seu JB.

Posted in Oliveira do Bairro, Por Terras da BairradaComments (0)

Testemunha inventa história e leva com processo judicial


Uma mulher, residente no Recamonde, Oliveira do Bairro, vai responder pelo crime de falsidade de testemunho, após ter “inventado uma história”, na última segunda-feira, quando prestava declarações sob juramento.
A mulher tinha sido arrolada para contar o que se tinha passado entre dois vizinhos, mas acabou por alterar o depoimento que tinha prestado, inicialmente, na GNR, não conseguindo explicar à juíza a razão de tal alteração. “Não se brinca com os tribunais! Não se brinca com a sociedade! Aqui vem-se dizer a verdade e o nosso trabalho é apurar a verdade”, afirmou a juíza, dando ainda a possibilidade que a testemunha se retratasse e explicasse a razão que a “levou a inventar tal história”. No entanto, a testemunha preferiu remeter-se ao silêncio.
A mulher, quando foi ouvida pela GNR, referiu que o vizinho terá proferido a expressão “lá estão aquelas duas” e na sala de audiências afirmou que o vizinho tinha dito: “lá estão aquelas bêbadas”. Perante tal disparidade no depoimento, a Procuradora Adjunta do Ministério Público requereu extração de certidão para instauração de procedimento criminal.

Posted in Oliveira do BairroComments (0)

Ad Code

Pergunta da semana

Acredita na Astrologia?

View Results

Loading ... Loading ...
Newsletter Powered By : XYZScripts.com