Alegadas questões de segurança estiveram na base da supressão, do projecto “Animar Vagos 2010”, da popular recriação da faina da arte xávega. Praticada à “moda antiga”, a acção, que deveria ter-se realizado no passado mês de Agosto, foi deliberadamente “riscada” da programação em virtude dos eventuais “riscos”, que a mesma poderia conter.

A justificação foi dada pela responsável do pelouro da Cultura, Cláudia Oliveira, no balanço que fez do projecto. Reconhecendo que se trata de uma “importante atracção turística” para o município, a vereadora admitiu, contudo, que a segurança dos veraneantes terá pesado na decisão camarária.

“Por vezes as pessoas nem se apercebem, mas toda a recriação envolve riscos sérios, nomeadamente para quem assiste”, disse Cláudia Oliveira, sublinhando que cabe à autarquia “zelar pela segurança dos cidadãos”.

Recorde-se que em 2007 a safra, firmada na estratégia de promoção turística da praia da Vagueira, ainda constava do calendário da “Rota da Luz”. Fazia parte do “Plano Estratégico de Turismo” daquela operadora, tendo a iniciativa camarária contado com a participação de duas companhas.

Boicote

Um ano volvido, o evento seria “boicotado” pela companha do mítico João da Murtosa, tendo a recriação sido assegurada pelo filho do malogrado António Maltez, falecido em 2006.

A Câmara alugou quatro juntas de bois, mas os animais, segundo foi referido na altura, “tinham medo da água e não estavam treinados para ajudar a puxar as redes”. A desorganização do evento e a falta de rigor foram notórias, levando um turista acidental, oriundo da região da Bairrada, a afastar-se, pesaroso, do local antes do final. “Afinal a Câmara gastou dinheiro para nada”, justificou.

Indiferente às críticas, Albina Rocha, actual vice-presidente da Câmara, então vereadora da Cultura considerava, na altura, fundamental assegurar a continuidade da recreação, de forma a permitir que os mais novos tomassem conhecimento daquilo “que já só está na memória colectiva das pessoas”. Admitindo que não havia condições de proporcionar qualquer reconstituição, Albina Rocha deixava claro que o projecto “museu vivo” requeria tempo e determinado tipo de condições para ser estruturado.

Para 2011, segundo a actual titular do pelouro da Cultura, Cláudia Oliveira, perspectiva-se um projecto “mais amplo”, envolvendo diversas outras iniciativas para além da recriação”. Fica a promessa.

Agendado para o dia 19 (domingo), um passeio de motas antigas, com partida da praia da Vagueira, encerra a programação deste ano do “Animar Vagos”. A iniciativa, organizada pela Associação de Motociclismo Antigo da Gafanha da Boa Hora, conta com o apoio do município vaguense.

Eduardo Jaques/Colaborador