Cumpriu-se a tradição, mas longe de ser o que era. Quatro anos depois, o Cortejo da Santa Casa da Misericórdia de Oliveira do Bairro voltou a sair a rua, em prol de mais uma unidade de saúde, a Unidade de Cuidados Continuados (UCC).
Em Dia da Imaculada Conceição, o desfile de dez carros trazendo produtos da terra, onde predominavam as batatas, cebolas e abóboras, culminava um peditório de várias semanas pelas seis freguesias do concelho de Oliveira do Bairro, peditório que rendeu perto de 30 mil euros e vários quilos de bens.
A música tradicional – do Grupo de Danças Tradicionais da Santa Casa da Misericórdia local e de Vale da Vasca – Grupo de Cantares e Tradições da Lavandeira – trazia animação ao desfile, que saiu da Câmara Municipal em direcção à Santa Casa, mas poucos foram os oliveirenses que, por curiosidade ou interesse, se fizeram notar.
A chuva ameaçava, mas só se fez anunciar já os carros atravessavam os portões da instituição. Carros estes vindos de Vila Verde; Vila Verde, Bunheira e Caneira; Bustos; Lavandeira e Porto da Moita; Montelongo da Areia; Silveira e Oiã; Palhaça; Amoreira do Repolão; Malhapão; e Oliveira do Bairro.
Após um leilão, que rendeu 175 euros, o Provedor da Santa Casa, José Carlos Soares, agradeceu “o empenho  de todos quantos colaboraram para este peditório a nível concelhio a favor da UCC, com tanto sacrifício e a ouvir coisas nem sempre agradáveis”. Quanto a isso, o Provedor frisou que “há critérios de que não abdicamos e temos as nossas prioridades”. Porém, “há sempre gente que tem razões de queixa para com a Santa Casa e temos de viver com esse sentimento”.
Quanto à tradição do Cortejo, “já não é o que era, já não há carros de bois nem burros, mas foi uma festa bonita”. O resultado da iniciativa será “todo para aplicar na UCC,  uma valência que vai servir o concelho e a região”. A obra deve entrar em funcionamento em meados de 2011 e, em termos de entrada de utentes, “será o Ministério da Saúde a gerir”.

Oriana Pataco
oriana@jb.pt