Lino Pintado e José Carlos Coelho, vereadores socialistas no executivo da Câmara Municipal de Anadia, chumbaram, na última reunião de Câmara, a prestação de contas da Câmara Municipal referentes ao ano de 2010.
Os vereadores socialistas de Anadia concluem que foi atribuído um peso exíguo a áreas fulcrais para o desenvolvimento do concelho: casos do Saneamento (3%), Protecção do Meio Ambiente (0%), Acção Social (2%) e Indústria e Energia (1%).
Daí que Lino Pintado reitere, uma vez mais, que o concelho de Anadia foi “largamente ultrapassado pelos concelhos vizinhos no que à localização de indústrias criadoras de riqueza e emprego diz respeito”. Por isso, considera urgente a existência de uma estratégia para este sector, que deverá passar pela “aposta num verdadeiro parque industrial com a dimensão, localização e infra-estruturas adequadas ao incentivo para a fixação de indústria, que permita também a fixação no concelho dos seus recursos humanos mais qualificados, nomeadamente os mais jovens, que continuam a não ver no concelho as oportunidades para uma vida que desejam”.
O vereador socialista critica ainda o facto da aposta feita pela autarquia na Cultura se ficar nos 5%: “é necessário perceber que o investimento nos equipamentos colectivos nesta área não têm retorno se faltar a vontade e/ou capacidade política de os optimizar com projectos que representem uma clara mais valia em ordem ao enriquecimento cultural do nosso povo”.
Já em matéria de execução orçamental relativa ao exercício de 2010, os vereadores do PS falam numa “baixa execução orçamental, que se vem repetindo”.
“Ao aprovarmos um orçamento do município, já é fácil adivinhar que o investimento ali previsto é bastante superior ao investimento que efectivamente será realizado”, defende Lino Pintado sublinhando que, desta forma, “se retira seriedade ao orçamento” quando este “deve corresponder à análise que a maioria no executivo faz das necessidades do município conjugada com a disponibilidade financeira”.
A falta de execução orçamental, segundo os vereadores do PS, atinge a Educação com uma execução de apenas 34%; Ordenamento do território 33,71%; Saneamento 9,30%; Protecção do Meio Ambiente e Conservação da Natureza 17,91%.
No entanto, Lino Pintado e José Carlos Coelho avançam que a situação foi bem pior com a Indústria e Energia com uma insignificante execução de 3,84%; o Abastecimento de Água 34,48% e com o Turismo 2,89%.
“São números esclarecedores e demonstrativos da incapacidade em concretizar os investimentos mesmo aqueles que consideraram necessários e onde é relevante o desprezo dado a determinadas áreas já atrás citadas”, sublinha o vereador Lino Pintado.
Apesar dos esforços, JB não conseguiu obter em tempo oportuno uma reacção do autarca Litério Marques.

Catarina Cerca