“Uma escola terceiro mundista” e “a roçar a “indignidade” foram duas das expressões usadas pela deputada do PCP, Paula Batista e pelos deputados Pedro Nuno Santos, Filipe Neto Brandão e António Cardoso, do PS, todos deputados na Assembleia da República (AR), após visita, na última segunda-feira, à Escola Secundária de Anadia.

Comunidade educativa de mãos dadas. Uma das notas que saiu destas duas visitas (uma às 10h e a outra às 11h), foi o facto de toda a comunidade educativa estar de mãos dadas, relativamente a este processo. Por isso, muita da visibilidade deste caso se deve à Associação de Pais e à Associação de Estudantes, empenhadas em mudar o rumo das coisas.
Daí que, nos últimos meses, tenham intensificado as formas de luta, no sentido de chamar a atenção, especialmente da tutela, para o estado de degradação em que se encontram os edifícios escolares. Protestos, contacto com vários partidos políticos, estudos universitários e até uma vistoria pela Delegada de Saúde foram algumas das ações já realizadas no sentido de alertar todos para uma situação que consideram ser “vergonhosa” e “extremamente grave”.
Desta feita, conseguiram, juntamente com as Concelhias do PCP e do PS, trazer deputados de ambas as bancadas parlamentares a uma visita guiada e que segundo os próprios, é inesquecível, mas pelas piores razões.

PCP vai questionar Ministro. Paula Batista, que conhecia o caso da Secundária do que lera e vira nas notícias, no final, avançou aos jornalistas que a visita “superou todas as reportagens”. Professora em vários estabelecimentos de ensino durante vários anos, reconheceu nunca ter sido confrontada com um caso tão grave como o de Anadia: “é muito mau. De todas as escolas que visitei e onde dei aulas, esta supera tudo, em matéria de desconforto, de falta de condições, de infiltrações e água, de paredes a ceder”. Por isso, para Paula Batista, esta é a “visão mais terceiro mundista que poderia ter, do ensino em Portugal”.
Aos jornalistas revelou ainda que irá, no grupo de trabalho do PCP, analisar a melhor forma de intervir, sendo certo que, o caso será levado à Comissão de Educação, embora Paula Batista gostasse de ver este caso a ser discutido em plenário.
A deputada comunista admite que, devido a situações como esta, “há uma distância cada vez maior na Educação entre o que é defendido pelo PCP e aquilo que a tutela está a fazer”. Por outro lado, diz não perceber como se para a construção de uma nova escola onde já foram gastos 4 milhões de euros e se mantem esta neste estado. “Há uma clara desvalorização política, social e cultural da escola pública em detrimento da escola privada, financiada pelo estado”, disse, concluindo que “ter bons alunos nesta escola e ser bom aluno aqui é quase uma missão impossível”, só alcançável “com professores excecionais”.

Emergência. Os deputado socialistas eleitos pelo círculo de Aveiro (António Cardoso, da Comissão de Educação na AR), o líder da Distrital do PS, Pedro Nuno Santos e Filipe Neto Brandão, (ex-Governador Civil de Aveiro) antes da visita à ESA, estiveram reunidos com a presidente da Câmara Municipal de Anadia, Teresa Cardoso, mas também com os vereadores Jorge Sampaio e Lino Pintado para falar de vários assuntos, entre os quais este.
Durante a visita, minutos depois da saída de Paula Batista, os deputados, que se faziam acompanhar pelo vereador socialista Lino Pintado, puderam igualmente constatar o avançado estado de degradação da Secundária.
“A urgência desta obra não se compadece com nenhuma outra”, diria, na ocasião, Filipe Neto Brandão, enquanto que Pedro Nuno Santos defendeu a conclusão da nova escola – parada há dois anos, por indicação da Parque Escolar – “deve estar no topo das prioridades”.
Os deputados constataram a profusão de grandes fissuras nas paredes e infiltrações de água que, atingindo equipamentos elétricos, motivam a disseminação de baldes pelo chão da escola para recolher os pingos que, constantemente, caem dos tetos. Condições de salubridade mínima foi outra questão notada, uma vez que a escola sofre também com cortes no pessoal de limpeza recentemente efetuados, que conduzem a cheiros nauseabundos juntos aos balneários e casas de banho.
Os deputados do PS irão, por isso, questionar o Ministro da Educação, ainda esta semana, relativamente às condições de segurança e salubridade desta secundária.
“Quem não vem cá não se apercebe da realidade. Só quem convive com isto vê como isto tudo é inadmissível, já que está em causa a segurança de pessoas e bens”, avançam. Filipe Neto Brandão e Pedro Nuno Santos dizem que “a escola não tem condições para estar aberta”, e que “é uma escola de terceiro mundo, que nos envergonha enquanto políticos”.
Ainda que em tempos diferentes, os deputados dos dois grupos parlamentares foram acompanhados nas visitas pelo diretor da ESA, Elói Gomes, por Ana Paula Gama e Joana Trindade, da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Anadia (APAE), por Aníbal Marques, do Conselho Geral e por Luís Pidwell, da Associação de Estudantes.

Catarina Cerca
catarina@jb.pt