O Padre Manuel Armando foi homenageado, no último domingo, dia 18, pela comunidade de Avelãs de Caminho pela passagem dos 25 anos nesta paróquia e 50 anos de pároco. Tomou posse no dia 14 de Outubro de 1990. Oito dias depois, tomava posse da freguesia de Aguada de Baixo, após outros 25 anos passados a trabalhar noutras paróquias, Águeda, Gafanha da Nazaré e Cacia.
Constava do programa, levado a cabo, para além da celebração de missa, igreja quase cheia, um almoço e uma pequena sessão solene do lançamento do seu livro de poesia, intitulado “Somos o poema de Deus”, elaborado com o objectivo claro da comemoração da data da sua ordenação sacerdotal, 25 de Julho de 1965.

Alegria é marca. Como de costume, também houve música interpretada pela Escolinha de Música de Avelãs de Cima, que a todos agradou, enquanto decorreu a maior parte do almoço, servido no salão da Casa do Povo, presidido pela presidente da Câmara de Anadia, Teresa Cardoso, ladeada pelo padre Manuel Armando e presidente da Junta, César Andrade. Na mesa de honra estiveram ainda representantes da Casa do Povo, ASAC e CEP da Igreja de Avelãs de Caminho. Música fora do palco, lugar a algumas intervenções. Uma muito curiosa, feita por um jovem, o Micaelo, em representação da Casa do Povo, ele que pelo nascimento chegara à paróquia 18 dias antes do padre Armando chegar. Era o primeiro menino a ser baptizado pelo novo pároco e, volvidos 9 anos, 6 de Junho de 1999, fazia a primeira comunhão e Profissão de Fé com outros meninos e meninas. Realçou que “a alegria que o senhor nos vem trazendo não se fica por estes 25 anos se paróquia” (…) “Também estes 50 anos foram de alegria espalhada por onde foi passando, nas suas paróquia e nos palcos que pisou no mundo do ilusionismo. Hoje, os seus paroquianos, amigos e conhecidos estão também de alegria pelo seu pároco celebrar 50 anos ao serviço de Deus”. E, como mostra da alegria, fez-lhe entrega de uma lembrança.

Sacerdócio com exemplaridade. César Andrade começou por referir que “há pessoas que gostam de si, outras que não gostam, mas penso que o nosso pároco tem levado as coisas a bom porto”. Entregou-lhe também uma lembrança “cujo valor para mim é inestimável, porque [o Padre Armando] bem o merece”, desejou frisar. “Espero que goste, porque é dada por todos os avelanenses de todo o coração”. Por sua vez, Teresa Cardoso havia de referir que “neste momento tão solene quero agradecer ao padre Armando todos os valores que ensinou nesta freguesia”. Felicitou-o pelo 50 anos de sacerdócio que “tem exercido com exemplaridade”, deixando-lhe um desejo: que continue com muita energia e muita alegria a levar os seus paroquianos a trilhar “os caminhos dos muitos valores”, “é importante ter um pároco que consiga cativar e inculcar valores nas pessoas, seguir em frente e pense também no desenvolvimento das terras e se “lembre do município”. Fez entrega de outra prenda e não era a última. Também uma senhora do CEP fez o mesmo.

Muita paciência. Padre Armando, com o seu bom humor habitual, rematou a série de discursos, dizendo: “eu não estou de parabéns, mas, sim, os paroquianos, porque aguentar 25 anos é preciso muita paciência”, acrescentando, no entanto, que os fez “com muita felicidade”. “Se César Andrade disse que há muitos que não gostam de mim, eu gosto de todos. Tenho feito em tudo o melhor que posso. O padre é para todos e tem de ser alimento para todos. Tenho procurado aproveitar o tempo a favor de todos. Todos me foram entregues”. Sabemos que, durante estes 25 anos em Avelãs de Caminho, fez 431 baptismos, 128 casamentos e 328 óbitos.
Terminadas as intervenções, seguiu-se um momento de poesia com o padre poeta a ler algumas poesias, após uma breve apresentação do seu último livro “Somos o poema de Deus”, encerrando a festa com “os parabéns a você” e alegres momentos de saudável convívio.
Armor Pires Mota
Texto escrito ao abrigo do anterior acordo
ortográfico, por vontade expressa do autor