A Feira Medieval regressa ao centro da cidade de Anadia já nos próximos dias 24 e 25 de maio, das 15h às 24h e das 10h às 23h, respetivamente, numa organização da Câmara Municipal de Anadia destinada a comemorar o feriado do concelho, que se celebra na Quinta-feira da Ascensão ou Dia da Espiga.

Como habitualmente, as Praças do Município e Visconde de Seabra, e os arruamentos que para elas convergem, serão o cenário privilegiado para as diversas atividades que preenchem o vasto programa desta feira, e que tem início pelas 15h00 de quarta-feira, 24 de maio. A leitura do auto de abertura da feira dará o mote aos comerciantes para iniciarem a sua atividade, proporcionará aos saltimbancos e menestréis um público ávido de animação. Fica, assim, criado o enquadramento para a recriação dos acontecimentos associados à crise de 1383-1385 e aos feitos de D. Nuno Álvares Pereira, à ascensão de D. João, Mestre de Avis, e às cortes de Coimbra onde este foi aclamado rei pelos três estados do reino. Este será o tema dominante dos dois dias de feira, durante os quais Viv’arte, Voix de Vile, Bombos de Santa Maria, Mozárabes, e Gambuzinos animarão os frequentadores das tendas e tabernas com espetáculos de malabares, de música e de dança. Os artefactos, os comeres da região e os beberes da pipa serão, de resto, soberanos nesta festa dedicada ao vinho, e aguardam os forasteiros nos espaços entregues às juntas de freguesia, instituições particulares de solidariedade social (IPSS), mercadores e artesãos.

Tal como em 2016, a ópera cómica será o ponto alto da primeira noite de feira, cabendo à Ritornello – Associação Cultural apresentar “Pimpinone”. Trata-se de um divertido intermezzo, composto por Georg Philipp Telemann, que conta a história de Vespetta, uma camareira em busca de um marido rico, que lhe garanta a independência. Trava, então, conhecimento com o mercador Pimpinone, e, depois de o convencer a dar-lhe emprego, acaba por seduzi-lo e levá-lo ao casamento, argumentando estar em causa a sua reputação. Em palco estarão, assim, uma cantora/atriz, um cantor/ator e um figurante, acompanhados, no desenrolar da trama, pela Camerata Joanina, composta por António Ramos, Clara Dias, Sofia Grilo (violinos), Ricardo Mateus (violeta), Rogério Peixinho (Violoncelo), Samuel Pedro (contrabaixo), Rui Grenha (guitarra barroca), e Raquel Resende (cravo). Esta produção sobe à cena pelas 21h30, na Praça do Município, seguindo-se a teatralização dos acontecimentos que envolveram a Padeira de Aljubarrota e os soldados castelhanos, por ocasião da famosa batalha que opôs os exércitos de Portugal e de Castela.

No dia seguinte, e após a reabertura do mercado pelas 10h00, serão retomadas as festividades, estando prevista, uma hora depois, a realização do cortejo de D. João, regedor e defensor do reino, a receber o Duque de Lencastre, seu futuro sogro.

 Tal como nas anteriores edições da Feira Medieval de Anadia, os visitantes terão oportunidade de participar nas atividades da feira. Assim, no Centro Cultural de Anadia estarão disponíveis trajes da época que poderão ser envergados pelos interessados, e, no recinto da feira, haverá uma área destinada a jogos medievais.

Mais uma vez, a Câmara Municipal de Anadia conta, nesta iniciativa, com a preciosa colaboração das Juntas de Freguesia, IPSS e de outras entidades do concelho.