Aprovado, por unanimidade, na última assembleia geral da instituição, o projeto “Memorizar” vai avançar no próximo ano. Com a duração de três anos, terá a Misericórdia de Vagos como entidade promotora, enquanto a Câmara municipal, que lançou o repto, vai ser o “investidor social”. Destinado, conforme consta do documento apresentado aos Irmãos, a prestar “apoio social e clínico às pessoas portadoras de demência e seus cuidadores”, o projeto, que será apresentado a 25 de janeiro, foi objeto de candidatura ao Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE), Eixo 3.33 “Parcerias para o impacto”.
Segundo a mesa administrativa, trata-se de um projeto social “inovador, com importante componente clínica e terapêutica”, no âmbito da ação social, pronto a atuar no campo das demências. Com cunho de gratuitidade para os beneficiários, vai abranger a totalidade do concelho de Vagos, com o qual a entidade promotora visa desenvolver “nova metodologia de intervenção, de caráter dinâmico que envolva uma multiplicidade de abordagens”.
 
Ler mais na edição de 28 de dezembro do Jornal da Bairrada