Uma fuga de cinco elementos a cerca de 30 quilómetros da meta foi coroada de êxito por Francisco Campos (W52-FC Porto) na chegada à Av. 25 de Abril, em Águeda, com o jovem ciclista a juntar a classificação da juventude à geral. A W52-FC Porto impôs-se por equipas.
João Matias (Vito – Feirense – PNB) ganhou as três metas volantes; Hugo Nunes (Rádio Popular/Boavista) venceu os pontos quentes e Henrique Casimiro (Efapel) foi coroado rei da montanha.
 
Até ao fim
O 4.º Grande Prémio Anicolor (que teve muito público nas estradas) animou os concelhos de Oliveira do Bairro e Águeda com um pelotão constituído por 103 corredores em representação de 16 equipas, uma corrida que teve mais quatro quilómetros dos 168 previstos pela organização, dado que teve de ser feito um desvio no percurso.
Após a partida simbólica em frente à Junta de Freguesia de Oliveira do Bairro e percorridos meia dúzia de quilómetros, cinco ciclistas tentaram a sua sorte, prontamente anulada pelo pelotão. Porém, ainda no dealbar da prova, uma fuga de 14 corredores formada por alguns dos principais nomes do pelotão destacou-se do grupo principal, dando grande vida à competição.
Disputava-se ainda a fase plana da prova e com poucas dificuldades, mas com o passar dos quilómetros e antes de se entrar na montanha, os fugitivos foram consolidando uma vantagem que chegou aos 9 minutos e 14 segundos e jogaram entre si a vitória.
Mas algo mudou. Nos últimos 40 quilómetros e quando as dificuldades montanhosas se fizeram sentir, o grupo de 14 corredores que se manteve unido até à passagem da segunda das três montanhas do dia, a subida de segunda categoria, ficaram apenas cinco elementos na frente da corrida: Henrique Casimiro (Efapel), Tiago Machado (Sporting), Gustavo César Veloso e Francisco Campos (ambos W52-FC Porto) e Luís Gomes (Rádio Popular/Boavista), este último vencedor no ano passado.
Faltavam 30 quilómetros, um trio perseguidor constituído por Gaspar Gonçalves (Miranda-Mortágua), Jorge Magalhães (W52-FC Porto) e Pedro Lopes (UD Oliveirense – In-Out-Build) fugiu ao resto da concorrência, mas chegou a ter mais de quatro minutos de atraso para o quinteto da frente.
Sendo um sprinter e com o trabalho do seu colega de equipa, Francisco Campos assumiu o favoritismo e acabaria por ser mais forte na chegada a Águeda, impondo-se a Luís Gomes e Henrique Casimiro, segundo e terceiro classificados, que chegaram com o mesmo tempo do vencedor.
 
Para continuar
No final da etapa era visível no rosto dos responsáveis que esta 4.ª edição do Grande Prémio Anicolor tinha sido um sucesso.
“O balanço?, é azul e branco (clara alusão ao vencedor), numa tarde de festa do ciclismo nos concelhos de Oliveira do Bairro e Águeda e onde tivemos mais uma vez a oportunidade de contribuir para o engrandecimento do ciclismo”, começou por dizer Fernando Sampaio, presidente do Sporting Clube de Fermentelos, clube responsável pela organização da prova.
“Com a organização do Sporting Clube de Fermentelos e com o apoio da Junta de Freguesia de Oliveira do Bairro e Câmara Municipal de Águeda, espero que o Grande Prémio Anicolor continue a ser uma aposta para os próximos anos, visto que a população, de uma forma geral, está com o ciclismo”, anotou o líder fermentelense.
Questionado sobre o desvio que o percurso sofreu, por causa da Festa da Criança, no Espaço Inovação, e que a Câmara Municipal de Oliveira do Bairro não permitiu a sua passagem, Fernando Sampaio disse: “Apesar de não ser bom haver dois grandes acontecimentos no mesmo fim de semana, a data não dependeu de nós, foi a Federação Portuguesa que a marcou, e tivemos que acatar a decisão que nos foi imposta.”
Sobre o mesmo tema, Simão Vela fez das suas palavras as de Fernando Sampaio, mas reforçou a ideia: “Tínhamos de dar prioridade à segurança, mas acabou por ser um sucesso. Ao conseguirmos alterar o percurso, demos a oportunidade às pessoas de outros lugares da freguesia, como o Camarnal e o Montelongo, de ver a passagem dos ciclistas.”
No que diz respeito ao balanço, o presidente da Junta de Freguesia de Oliveira do Bairro considerou como “a cerejo no topo do bolo, com quatro dias de intensa atividade com o novo projeto “Oliveira a Mexer”, que culminou com esta prova e que deu um brilho enorme ao evento com a presença das melhores equipas portuguesas. Na globalidade há coisas a melhorar e vamos continuar com esta aposta”.
Jorge Almeida, presidente da Câmara Municipal de Águeda, era também um homem feliz: “Com estes grandes acontecimentos desportivos, o município tem dado um grande dinamismo à cidade. Foi o rali, o Bairrada 150, mundial de motocross, esta prova de ciclismo, ainda este mês mais ciclismo, com o Grande Prémio ABIMOTA, a realização de vários trails, vem aí também o AgitÁgueda, o concelho continua e continuará muito ativo.”