O português Nelson Oliveira foi hoje o 11.º classificado na prova de contrarrelógio do Campeonato do Mundo de Estrada, em Imola, Itália, ficando a 99 centésimos de alcançar o quinto top 10 da carreira em mundiais.

O corredor natural de Anadia começou mais lento do que seria desejável a prova de 31,7 quilómetros, estabelecendo o 16.º registo à passagem pelo ponto intermédio, colocado ao quilómetro 14,8.

Dali em diante, Nelson Oliveira acelerou e ganhou tempo à concorrência para galgar lugares na classificação geral. Na segunda metade da corrida, o bairradino foi o sexto mais veloz entre os 56 participantes. No final faltaram apenas 99 centésimos de segundo para o corredor da Equipa Portugal conquistar o quarto top 10 consecutivo, quinto no total da carreira.

Nelson Oliveira cruzou a meta, no autódromo Enzo e Dino Ferrari, com 37’09’’15, mais 99 centésimos do que o holandês Tom Dumoulin, décimo classificado, e mais 1’15’’05 do que o novo campeão mundial, o italiano Filippo Ganna. O homem da casa “voou” à média de 52,978 km/h para conquistar a camisola arco-íris com um registo de 35’54’’10. Foi acompanhado no pódio pelo belga Wout van Aert, que gastou mais 26,72 segundos, e pelo suíço Stefan Küng, que ficou a 29,80 segundos.

A Equipa Portugal teve ainda em prova um estreante em mundiais de elite, Ivo Oliveira. O gaiense conseguiu uma prestação consistente, prejudicada por uma saída de corrente, que lhe valeu a 34.ª posição, a 3’23’’48 do vencedor.

“O Nelson não começou com o ritmo que lhe conhecemos. Os primeiros 7/8 quilómetros foram responsáveis por o resultado não ser ainda melhor. Na fase final andou muito bem. Foi pena o contrarrelógio ser tão curto”, considera o selecionador nacional, José Poeira. O responsável técnico ficou agradado com o desempenho de Ivo Oliveira: “Gostei da prova que fez. Não foi perfeita, mas foi muito bem conseguida. Não sendo perfeita foi uma boa corrida, sobretudo se tivermos em conta que foi a estreia num Mundial de elite”.

Nelson Oliveira volta à estrada no próximo domingo, dia 27, para a prova de fundo, que será integralmente disputada em circuito, o que acontece pela primeira vez desde Ponferrada, Espanha, em 2014.