Dois anos se passaram desde que Alcafaz ganhou o rótulo de “Aldeia Segura”. Foi a primeira aldeia do distrito de Aveiro a acolher o programa, apresentado no verão de 2018, criando condições de proteção contra incêndios.

Localizada no epicentro de uma das encostas de denso eucaliptal da Serra do Caramulo, esta aldeia serrana da União das Freguesias de Belazaima do Chão, Castanheira do Vouga e Agadão, no concelho de Águeda, viveu o último grande susto com o incêndio de agosto de 2016. Ainda não foi preciso pôr à prova as condições e investimentos feitos na aldeia desde 2018, a começar pelo estradão de dez metros de largura, um anel de proteção que envolve grande parte de Alcafaz, para situações de corta-fogo.

Espalhadas pela pequena aldeia, que dista a cerca de 20 kms da sede de concelho, estão também quatro bocas de incêndio, equipadas com mangueiras que chegam a todas as casas, e há sinalética indicando zonas para pontos de encontro seguros da população, em caso iminente de fogo.

Dentro do perímetro da aldeia, não se vislumbram eucaliptos. No seu lugar, deveriam ter sido plantadas árvores autóctones e de fruto. Deveriam, porque neste campo há ainda trabalho a fazer.

Os moradores reclamam ainda a limpeza do estradão e um tanque de água com maior capacidade, que está previsto no projeto.

Mais pormenores e a resposta do presidente da Câmara de Águeda na edição de 15 de outubro de 2020 do JB