Comentam jogos adversários, delineiam estratégias, ensaiam jogadas e até criticam decisões dos árbitros. É assim que as duas equipas de praticantes de boccia da freguesia de Avelãs de Caminho encaram a modalidade que, implantada na freguesia há quatro anos, é cada vez mais querida e acarinhada por todos.
Os actuais 11 jogadores, de ambos os sexos, têm idades compreendidas entre os 65 e os 87 anos e treinam semanalmente, ora na Casa do Povo, ora na ASAC.
O sucesso da implantação da modalidade foi tal que as treinadoras (Graça Veiga e Fabiana Aranha, gerontólogas e Maria João Santos, psicóloga) equacionam expandir a modalidade a outras freguesias vizinhas.
Mas, de facto, a originalidade reside no facto de serem pessoas da comunidade, da freguesia e não ligadas a uma instituição a praticarem a modalidade com grande dinâmica.
O sucesso, segundo a treinadora, deve-se ao facto desta faixa etária se identificar com a modalidade, e por ela ser uma novidade e não estar dependente de estereótipos.
“Para que não fossem só pessoas institucionalizadas a praticar, decidimos alargar a modalidade à comunidade em geral”, revelou, dando conta da sua importância para combater a solidão, o isolamento, a tristeza, promovendo o convívio, a união, a partilha e a boa disposição.
Depois, trata-se de uma modalidade que permite, a pessoas com limitações distintas, jogar sem problemas.
“Temos casais a jogar e até a treinar, ao serão, em casa”, evidenciando a importância e forma séria como encaram a modalidade.

Primeiros passos. O projecto surgiu há três anos, quando a ASAC manifestou vontade de colocar os seus idosos a praticar esta modalidade que era ainda desconhecida na região. Pelas mãos de Graça Veiga e de colegas ligados à gerontologia, conseguiram colmatar aquela que era a maior dificuldade na colocação em prática da modalidade – a aquisição de material e equipamento de jogo que são bastante caros – através da APPACDM do Porto, que cedeu 10 conjuntos/kits de boccia. Casa do Povo local, Junta de Freguesia e a ASAC têm sido os principais apoios ao longo desta ainda curta existência.
Os primeiros passos dados foram no sentido de colocar os utentes das várias IPSS da região a praticar a modalidade, dando formação a animadores e fisioterapeutas. Instituições dos concelhos de Anadia, Mealhada e Oliveira do Bairro começaram então a promover a modalidade junto dos seus utentes, preparando-os assim para aquele que seria o 1.º Torneio de Boccia da Bairrada, um mês depois. O sucesso foi tal que superou todas as expectativas iniciais. E foi a equipa de Avelãs de Caminho que venceu este 1.º Torneio, depois de disputar a final com a equipa “já veterana” na modalidade, da Santa Casa de Oliveira do Bairro.
De lá para cá, a modalidade tem vindo a crescer na motivação e no empenho que todos lhe dedicam. A equipa participou, em 2009, com bons resultados no Campeonato Nacional e na Taça de Portugal.

Objectivos ambiciosos. A nova época começou há pouco mais de uma semana e a equipa prepara-se para novos desafios. A participação no Campeonato Nacional e na Taça de Portugal voltam a ser prioridades para a equipa que continua a crescer. Contudo, Graça Veiga destaca a prática de boccia como uma das estratégias para promover um envelhecimento activo. Uma actividade que, em Avelãs de Caminho, tem contado com o apoio dos familiares, rendidos às capacidades destes desportistas seniores.

O jogo. Boccia é um jogo constituído por bolas, inspirado num desporto praticado na antiga Grécia do qual descenderam outros jogos, tão distintos como o bowling e a petanca. O objectivo deste desporto é colocar as bolas de cor (seis azuis contra seis vermelhas) o mais perto possível de uma bola alvo (bola branca), que é lançada estrategicamente por um primeiro jogador, para dentro do campo (10 x 6 metros). Este desporto foi originalmente concebido para ser jogado por pessoas com paralisia cerebral, mas tornou-se tão popular que actualmente é praticado por qualquer pessoa.

Catarina Cerca