O cemitério de Vila Nova de Monsarros, no concelho de Anadia, foi vandalizado na madrugada da última quinta-feira.
Para além do vandalismo perpetrado pela calada da noite, foram furtadas, em 81 sepulturas, lanternas e tocheiras. A população e a autarquia temem, agora, que os ladrões regressem para roubar peças mais valiosas, causando danos de maior monta.
António Duarte, autarca de Vila Nova de Monsarros, era um homem desolado na manhã de quinta-feira. A JB contou nunca ter pensado que o cemitério local, com 13 anos, pudesse ser alvo de algo do género.
O alerta foi dado pelo funcionário do cemitério que, quando abriu as portas, pela manhã, se deparou com um cenário de destruição. “Foi durante a noite, pois as portas do cemitério, no Inverno, são encerradas às 17h30. Pensamos que terão entrado por uma lateral, subindo um monte de areia e galgando os muros”, diz o autarca, tentando encontrar uma explicação para o insólito caso, revelando também que os ladrões terão utilizado um atrelado da Junta que se encontrava dentro do cemitério, para acartar os vários objectos furtados para o exterior.
Desta feita, não escaparam as tocheiras e lanternas metálicas. Ao todo, 81 foram arrancadas das campas. Embora o prejuízo não seja muito avultado, uma das campas (ver foto) foi parcialmente destruída. Julga-se que os ladrões não conseguiram arrancar as pombas em bronze incrustadas na pedra.
Populares e autarquia temem, agora, que figuras de anjos e santos e crucifixos tenham ficado “marcados” para um próximo ataque.
“Isto foi feito por quem sabe”, revelou-nos um popular, mostrando os locais de onde as tocheiras tinham sido desaparafusadas: “agora tudo o que é cobre e bronze é para derreter. Receamos que voltem”, conclui.
Para António Duarte, esta é uma situação invulgar mas chocante, já que mexe com os sentimentos mais profundos das pessoas. Daí que lance um apelo à população para que esteja vigilante e, assim que se aperceba de movimentações invulgares perto do cemitério, alerte as autoridades.
A sepultura de familiares de Américo Santos foi uma das atingidas. A JB, diz que as autoridades devem estar atentas e vigilantes em relação a estas situações. De igual forma, António Martins, cuja sepultura de um familiar também não escapou aos ladrões, disse, chocado, que esta é uma atitude que a população de Vila Nova de Monsarros nunca tinha presenciado, temendo agora que algo pior possa vir a acontecer.
A GNR de Anadia esteve no local e está a investigar o furto.

Catarina Cerca