É praticamente certo que a Estação dos CTT de Sangalhos vai passar a funcionar na Junta de Freguesia como Posto de Correios. A decisão final será tomada na próxima Assembleia de Freguesia.
Na sessão de esclarecimento, realizada na última segunda-feira, na Junta de Freguesia, com responsáveis dos CTT, pouco mais de 30 pessoas estiveram interessadas em ouvir as explicações sobre as alterações que se vão verificar e destas a maioria eram deputados da Assembleia de Freguesia.
José Neves Martins e Joaquim Marques, dos CTT, admitiram que os contactos com a autarquia sangalhense já se iniciaram há algum tempo e que o encerramento da Estação dos CTT se deve à reduzida taxa de procura dos serviços na localidade, não justificando os recursos disponibilizados que estão sobredimensionados, mas também à necessidade da empresa CTT gerir os seus recursos da melhor forma, rentabilizando-os.
José Martins falou ainda que a empresa segue uma decisão que vem da tutela no sentido de se reorganizar para não dar prejuízo, tendo sempre em atenção a oferta e a procura nos vários locais.
“Estamos à procura de formas para manter os serviços que possam ser prestados por terceiros, reduzindo custos”, disse José Martins, acrescentando que a Junta surge como parceiro e se vier a receber o balcão dos Correios receberá um montante (ainda a ser negociado) pelos serviços prestados.
Aos presentes foi dada a garantia de que no Posto dos CTT, a funcionar na Junta, todos os serviços são assegurados, incluindo o pagamento de vales de pensões de reforma, correio registado, cobrança de facturas de serviços públicos e a disponibilização de todos os tipos de correspondência e encomendas. De fora ficam apenas as aplicações financeiras, tais como certificados de aforro, que só poderão ser feitas nas Estações dos CTT, em Anadia ou Oliveira do Bairro, por exemplo.
Por outro lado, está acautelado que os padrões na qualidade dos serviços prestados à população se vão manter, bem como a responsabilidade dos serviços continua a ser dos CTT que continuam, através das suas equipas operacionais no terreno, a inspeccionar e a garantir a prestação dos serviços de acordo com os padrões contratados, assim como a empresa será responsável pela formação a dar ao pessoal da Junta que ficar responsável pelo atendimento.
Refira-se que a reorganização dos CTT afecta sobretudo a zona centro do país, pois é aquela com maior número de Estações por habitante.

Catarina Cerca