O Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, António Serrano, apelou, na última quinta-feira, ao consumo de produtos nacionais de qualidade. “A melhor forma de apoiar o agricultor português é consumir os nossos produtos”, diria, durante a visita que efectuou ao Laboratório de Química e Enologia da DRAPCentro (Estação Vitivinícola da Bairrada – EVB), em Anadia.
António Serrano avançaria ainda que Portugal tem condições para produzir qualidade, criar marcas nacionais com impacto internacional, para além de dever aumentar a exportação e reduzir as importações, estimulando no mercado o consumo de produtos nacionais. Cabe ao consumidor “criar pressão pelo aumento da produção de determinados produtos alimentares, nacionais e de qualidade”.
O ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas falou aos jornalistas, na Estação Vitivinícola da Bairrada, em Anadia, no âmbito de uma visita a diversos investimentos apoiados pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), na zona Centro do país. Investimentos superiores a 2,7 milhões de euros que permitiram, às empresas, ampliar instalações e promover novos projectos.
António Serrano visitou as empresas Maló Mixed Farming (suinicultura), Filarvina (matadouro, na zona industrial de Febres), o Laboratório da Estação Vitivinícola da Bairrada e a Quinta do Celão (estufas de produtos hortícolas, na zona de Adémia, Coimbra) .
O ministro explicaria que as visitas visam não só ver in loco os investimentos realizados, como são também uma forma de apoiar os empresários e agricultores da região: “Encontramos aqui esperança para ultrapassar as dificuldades que se colocam no presente”.
Para o governante o PRODER é “o principal instrumento de apoio à agricultura em termos de investimento”, considerando ser necessário “dar visibilidade ao que as pessoas estão a fazer”.
António Serrano realçaria também a importância da EVB que, com mais de um século de vida, “é um património e riqueza da região”. “É o melhor laboratório da região Centro na análise de vinhos” que está ao serviço dos cidadãos, defendendo ainda a necessidade de valorizar o papel dos funcionários e técnicos que ali trabalham.
O responsável pela pasta da Agricultura sublinharia que o sector agrícola está em transformação e que no contexto actual existem condições favoráveis para a atrair gente nova para o sector. “É preciso acreditar e que a sociedade valorize a agricultura”, devendo ainda ser feito um esforço no “aproveitamento dos recursos naturais” de cada região. Como exemplo, avançou o grande crescimento que o país tem tido em sectores como a horticultura, floricultura e fruticultura, áreas onde há condições para “produzir mais e melhor”.

Catarina Cerca