A Junta de Freguesia de Sangalhos apresentou, na penúltima terça-feira, dia 3 de Maio, uma contra-proposta aos representantes dos CTT – Correios de Portugal, no âmbito das negociações em curso para a transferência da Estação dos CTT para Posto de Correios, a funcionar nas instalações da Junta de Freguesia.
Depois do autarca António Floro ter dado a conhecer, na última Assembleia Municipal, a intenção de não aceitar a oferta dos CTT (500 euros) relativos ao montante a ser pago pelos Correios de Portugal ao serviço que passará a ser feito na Junta de Freguesia, JB sabe que a autarquia de Sangalhos apresentou uma contra-proposta, baseada em valores bem mais elevados, por recusar receber tão pouco pelos serviços de Correios que venha a prestar à população.
“Davam-nos 500 euros/mês, mas isso não podemos aceitar. Eles têm uma despesa mensal muito superior, não podem querer que façamos o serviço por tão pouco”, avançou o autarca durante a Assembleia Municipal.
Agora, a Junta de Freguesia apresentou uma nova proposta, aguardando resposta aos números que apresentou.
Certo é que António Floro pretende ainda convocar uma Assembleia de Freguesia extraordinária para que “não seja só a Junta a decidir, mas sim todos os deputados”.
Recorde-se que, durante uma sessão de esclarecimento, realizada recentemente na Junta de Freguesia, com responsáveis dos CTT, foi dada a garantia de que no Posto dos CTT, a funcionar na Junta, todos os serviços são assegurados, incluindo o pagamento de vales de pensões de reforma, correio registado, cobrança de facturas de serviços públicos e a disponibilização de todos os tipos de correspondência e encomendas. De fora ficam apenas as aplicações financeiras, tais como certificados de aforro, que só poderão ser feitas nas Estações dos CTT, em Anadia ou Oliveira do Bairro, por exemplo.
A decisão de encerrar a Estação dos CTT prende-se com a reduzida taxa de procura dos serviços na localidade.

Catarina Cerca