Armando Humberto, deputado do PS, denunciou, na última Assembleia Municipal, o mau estado das acessibilidades à Escola EB1 de Oiã.

Segundo Armando Humberto, “numa altura em que estamos a fazer um investimento nos pólos escolares, no sentido de proporcionar melhores condições às nossas crianças, não é por isso de todo aceitável que o acesso a um dos pólos escolares com mais crianças, a EB1 de Oiã, seja feito por uma estrada estreita em que não se conseguem cruzar dois carros e em terra batida”.

“A confusão é mais do que muita no período da manhã e no período da tarde, tendo inclusive levado já à intervenção da própria GNR e à colocação de sinalização vertical que obviamente não resolve o assunto”, explica Armando Humberto, sublinhando que “os munícipes merecem e exigem outro tipo de consideração. Como se isso não bastasse só é facultado o acesso ao recinto da escola às crianças após as 8h45”. Por isso, “imaginem o transtorno que isto está a trazer a dezenas de pais que, obviamente, têm que cumprir os seus horários de trabalho. Para agravar a situação, o inverno aproxima-se e a situação só tenderá a agravar-se se não houver uma intervenção consequente”.

O socialista defende que “urge requalificar as acessibilidades, para que os pais ou os próprios filhos possam ir para a escola em segurança. É necessário criar um abrigo para que as crianças possam esperar pela abertura da escola, ou então é necessário que se crie com a escola as condições para que as crianças possam entrar no recinto da escola mais cedo e possam brincar ou ir para a biblioteca concluir os trabalhos de casa ou ler um livro”.

Armando Humberto argumenta ainda que “a escola tem que ser um local de acolhimento e tem que ser sensível aos problemas das próprias famílias, não se podendo fechar e virar as costas à comunidade”.

Acessibilidades. A presidente do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, Júlia Gradeço, reconhece que “a situação ainda não é a ideal em termos de acessibilidades”, garantindo, no entanto, que “a nova entrada é muito mais segura, uma vez que o acesso passará a será feito, através da utilizações de cartões magnéticos”.

Respostas. Laura Pires, vereadora da cultura da Câmara de Oliveira do Bairro, justifica que, “no que diz respeito aos acessos à Escola Básica de Oiã, a autarquia está a trabalhar directamente com a DREC o processo que prevê a construção do pavilhão. Este projecto inclui necessariamente a requalificação e, até, a construção de novos acessos à escola. Neste momento, e atendendo quer à reformulação havida nos quadros dirigentes daquela entidade quer à resposta célere que esta situação exige, aguardamos resposta da DRE Centro enquanto os serviços técnicos estão a estudar cuidadosamente alternativas”.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt