Mais de uma centena e meia de pessoas, sobretudo familiares e amigos de utentes da APPACDM, não faltaram, no último sábado, ao churrasco de angariação de fundos para obras urgentes de que a sede da APPACDM carece.
O bom tempo que se fez sentir trouxe à instituição muitas caras conhecidas, entre as quais Santos Sousa, diretor distrital de Aveiro da Segurança Social.
“Estas 150 pessoas é um número que nos deixa satisfeitos, na medida em que hoje acontecem muitas solicitações em várias freguesias. Depois, tendo em conta a conjuntura económica, o número de presenças é muito satisfatório”, adiantou Madalena Cerveira, presidente da direção da APPACDM.
O churrasco, que esteve muito animado, destinou-se a angariar fundos para a requalificação do edifício sede da APPACDM, que, com 20 anos, começa a acusar o peso da idade e do desgaste.
Segundo Madalena Cerveira, após uma vistoria de rotina, foi constatada a necessidade de proceder a melhoramentos vários: revisão do telhado, pintura interior e exterior, novas casas de banho e de um banho assistido. “Temos de ter mais seis sanitas, cinco lavatórios, dois urinóis e um banho assistido, para além da necessidade de remodelar o wc da entrada, para ter acesso a cadeira de rodas”, admitiu aquela responsável revelando que, para uma outra oportunidade, ficará a ampliação da cozinha: “já é pequena e precisamos de uma nova, mas para já não podemos pensar nisso”.
As obras, que podem ultrapassar uma dezena de milhar de euros, precisam da ajuda de todos. Daí, a presença de tantos amigos, em dia de festa na APPACDM.
Madalena Cerveira acredita que as obras podem começar e acabar durante agosto, mês de férias, por forma a que em setembro, no arranque do novo ano letivo, tudo esteja em condições.

Comunidade solidária. Na oportunidade, Santos Sousa não deixou de destacar que, “apesar da situação de crise, a Segurança Social está atenta” e que levará as preocupações da direção da APPACDM às entidades superiores, na medida em que reconhece serem as IPSS a dar resposta social a várias famílias e à sociedade.
Relativamente à adesão de tantos amigos à angariação de fundos, não deixou de destacar o facto dos cidadãos serem solidários, sempre que é feito um apelo por uma instituição como a APPACDM, que desempenha um papel tão nobre. “É bom ver que as pessoas sentem a instituição como sua.”

Autarquia limitada. Também Teresa de Belém Cardoso, vice-presidente da autarquia anadiense, se mostrou bastante satisfeita com a moldura humana. Embora reconheça que a autarquia não pode comprometer-se na ajuda a esta obra: “existem tantas instituições no concelho a precisarem de apoios para diferentes necessidades”, avançou ser cada vez mais difícil às Câmaras dar resposta a tantos pedidos de ajuda, na medida em que estas são confrontadas com cortes nos seus orçamentos, para além de estarem também obrigadas à lei dos compromissos, que obriga as administrações públicas, nomeadamente as Câmaras Municipais, à assunção de compromissos com base em previsões de receitas, e aos condicionalismos que a mesma acarreta.
“Hoje, a autarquia não pode assumir um compromisso sem ter a garantia de que tem verba para pagar aos seus fornecedores”, explicou.
Também o autarca de Avelãs de Caminho se mostrou bastante sensibilizado com o evento, deixando uma nota de que “a Junta de Freguesia colaborará dentro das suas possibilidades”, até porque “esta é uma instituição que todos nós temos a obrigação de ajudar, pelo trabalho meritório que desenvolve e pelo dinamismo da sua direção”.
Antes das férias de agosto, está já a ser organizado um espetáculo musical que poderá contar com artistas bem conhecidos da região.

Catarina Cerca
catarina@jb.pt