Criado pela Câmara Municipal de Anadia em 2009, o Fundo Social “Por uma Causa Social!”, para apoiar famílias do município mais afetadas pela atual crise económica está a ser cada vez mais solicitado. Quem o admitiu foi o autarca Litério Marques que, na última reunião de executivo, tinha em cima da mesa mais duas candidaturas para analisar.
À Câmara Municipal já chegaram mais de três dezenas de candidaturas e, neste momento, os vários agregados familiares apoiados pela autarquia custam aos cofres do município cerca de mil euros por mês.
Embora nos primeiros anos não tenham chegado à Câmara Municipal muitos pedidos de ajuda, presentemente esta situação tem vindo a agravar-se, e em todas as reuniões de executivo são apreciadas várias candidaturas.
A JB Litério Marques confirma que o Regulamento criado pela autarquia é rigoroso, logo muitas candidaturas são rejeitadas, até porque é necessário aferir a veracidade de todas as candidaturas e ver se cumprem todos os requisitos. “Aqui não há facilitismos”, dando conta de que todas as candidatura devem ser apresentada no Gabinete da Rede Social (Centro Cultural de Anadia), seguindo depois trâmites legais rigorosos.
Com três anos de vida, o Fundo Social destina-se a apoio de estratos sociais mais afetados pela crise provocada pela atual situação económica, financeira e social. Contudo, o edil destaca que esta matéria, pela sua sensibilidade e delicadeza, obriga a que haja uma reavaliação de todos os casos semestralmente e enquanto se mantiver a situação de carência económica.
“A Câmara tem vindo a seguir e a dar atenção aos pareceres técnicos (Rede Social Anadia, Segurança Social, Finanças) que depois de analisados resultam em candidaturas que têm parecer favorável ou desfavorável por parte do executivo”, explicou, lamentando que muitas famílias do seu concelho tenham de recorrer a esta ajuda para sobreviver com alguma dignidade.
“O Fundo Social é o nosso contributo para a melhoria das condições de vida de famílias do concelho”, referiu, dando conta que a este Fundo se podem candidatar munícipes, com mais de 18 anos, não beneficiários de outros apoios para os mesmos fins, que se encontrem em situação de comprovada carência económica, resultante de fatores externos à sua vontade, nomeadamente, desemprego, doença ou qualquer outro fator provocado pela atual conjuntura económica.
O apoio pode ser utilizado em diversas áreas (Habitação, Saúde, Apoios Pontuais), consoante as necessidades apresentadas por cada agregado familiar, nomeadamente: apoio ao nível de despesas mensais; comparticipação no pagamento da mensalidade da água; de luz; no pagamento do valor mensal relativo a gás; géneros alimentícios; no pagamento de creches; despesas de habitação (renda ou prestação); despesas de saúde (medicação/ ajudas técnicas/ entre outros).

Catarina Cerca
catarina@jb.pt