“Ser + em Anadia” é a designação do projeto que entrará em ação já no próximo dia 8 de abril. O projeto foi apresentado durante o Plenário do Conselho Local de Ação Social de Anadia, que teve lugar no passado dia 14 de março, no auditório do Museu do Vinho Bairrada.
O projeto, com duração de um ano, surgiu da necessidade de criar uma resposta dirigida a crianças e jovens de contextos sócio-económicos desfavorecidos do concelho, por isso vai disponibilizar a estes sala de estudo (Biblioteca Municipal), natação (Piscinas Municipais), oficinas criativas e clube de leitura (Biblioteca Municipal).
Segundo Dora Gomes, técnica responsável pela Rede Social de Anadia: “este projeto permitirá dar continuidade a várias atividades lúdicas que nasceram no projeto CADI, que terminou em dezembro de 2012. Um projeto que foi durante vários anos desenvolvido pela Santa Casa de Anadia mas cujo financiamento (pelo Programa Nacional Escolhas) terminou”.
O projeto vai possibilitar que estas crianças e jovens tenham acesso a atividades lúdicas e recreativas: teatro, dança e música/percussão são algumas das ofertas.
“Este projeto não pretende substituir o Projeto CADI”, disse a vice-presidente da Câmara Teresa de Belém Cardoso: “a Santa Casa vai voltar a concorrer para ver se o Projeto CADI volta a ser financiado”, mas, até lá, a verdade é que este projeto foi pensado para dar apoio a crianças e jovens desprotegidos e que eram abrangidos pelo CADI, proporcionando-lhes alguma oferta lúdica, de lazer mas também um local para estudo.
A vereadora fez ainda um apelo para que, por exemplo, professores aposentados, através do Banco Local de Voluntariado ou da Universidade Sénior, possam ceder algum do seu tempo e colaborar neste projeto, no apoio a estes jovens alunos. Contudo, deixou a certeza que este, para funcionar em pleno, “precisa do envolvimento dos pais e das famílias”. “São os pais que vão dizer se aderem ou não, já que vai ter de existir um compromisso entre eles e a Câmara Municipal”, sublinhou.
“Sabemos que são perto de 80/90, mas se conseguirmos ajudar, com sucesso, 20, já ficamos satisfeitos”, adiantou Teresa de Belém Cardoso, avançando que o projeto tem capacidade de ter sequência em anos posteriores. “Foi com surpresa que verificamos que os frequentadores do CADI saem do liceu e do ciclo e vão para a Biblioteca estudar, evidenciando que o projeto ajudou a criar bons hábitos a estes jovens”.

CC