Foi uma noite memorável aquela que se viveu no Quartel das Artes Dr. Alípio Sol, em Oliveira do Bairro, no último sábado, 20 de dezembro.
Aproveitando o lançamento do seu mais recente registo discográfico, “De Corpo e Alma”, o grupo de fados Tertúlia Bairradina convidou a Banda Filarmónica da Mamarrosa e, juntos, protagonizaram uma noite de indescritível beleza cultural.
“De Corpo e Alma”, foi realmente assim que se cantou e tocou naquele palco e perante uma audiência de cerca de 300 pessoas, que não regatearam aplausos aos artistas.
Deste quarto registo discográfico, a Tertúlia Bairradina apresentou sete dos 13 temas: Capa negra; Aquela moça da aldeia; Trovas do vento que passa; Aguarela portuguesa; Fado das águias; Canção das lágrimas; e A água da fonte é louca. Apenas “um cheirinho” do que se pode ouvir em “De corpo e alma”, que muitos adquiriram no final do espetáculo.

Durante o espetáculo, apresentou-se o projeto inédito, que só foi possível graças à colaboração do Capitão Amílcar Morais, a quem se deve a orquestração para Banda dos fados de Coimbra que se ouviram: Mar Alto; Fado para um amor ausente; Igreja de Sta. Cruz; Fado das Andorinhas; As minhas asas; e Fado da mentira.
Este compositor, natural de Águeda, conta com um currículo invejável, e será difícil haver um músico filarmónico no país que não tenha alguma vez interpretado alguma obra da sua autoria. O capitão Amílcar Morais seria mesmo agraciado e homenageado naquela noite, no palco do Quartel das Artes.

Foto: Perfoto

Leia toda a reportagem na edição de 23 de dezembro do Jornal da Bairrada