Realizada a solo, desde que foi institucionalizada num dos mandatos de Rui Cruz, a semana cultural vai ser, este ano, integrada nas festas da vila, que têm início amanhã, dia 23. Uma “união de facto” perfeita, que permite poupar milhares de euros aos cofres camarários, no ano em que a autarquia assume, pela primeira vez (à falta de comissão), a organização direta das festas do município.
Tanto quanto apurou o JB, os dois eventos vão custar pouco mais de 60 mil euros, quando em 2014 as contratações e despesas com a logística [só da festa], tinham ascendido a 39.086 euros. É ponto assente que “haverá uma redução da despesa na ordem dos 26%”, ou seja cerca de 18 mil euros. Quem o garante é a vereadora responsável pelo pelouro da Cultura, Dulcínia Sereno, que coordenou a elaboração do programa e respetivo cartaz.
Na ótica do presidente da câmara, as festas acabam por ser concelhias e pretendem, acima de tudo, celebrar o “espírito de ser vaguense”. Uma “interação muito forte”, entre a autarquia e os agentes locais, com a finalidade de mostrar “o que de bom fazem os vaguenses, a nível cultural e social, na educação ou na área da gastronomia”, alega Silvério Regalado.

Música e teatro. Do programa, que se estende até ao santuário de Nossa Senhora de Vagos – palco privilegiado da peregrinação anual das gentes de Cantanhede -, destaque para o concerto de “Os Azeitonas”, cuja atuação está agendada para a noite de 25, feriado municipal.
É o regresso de Miguel Araújo, que há um ano locupletou o anfiteatro do centro da vila, interpretando alguns dos seus recentes sucessos. Na memória fica o registo da presença, em palco, da Filarmónica Vaguense, que “ajudou” o vocalista de “Os Azeitonas” a cantar “Balada astral” e “Maridos das outras”.
As festas arrancam no sábado, à tarde, com a inauguração do espaço cultural (junto ao quartel dos bombeiros, no jardim São Sebastião), na presença da Banda Vaguense e fanfarra da Associação Recreativa e Cultural de Ouca. À noite haverá teatro, com o grupo “Fantástico”, mordomia da Santa Casa da Misericórdia de Vagos. Será apresentada, em estreia (repete a 30 de maio), no auditório do Centro de Educação e Recreio (CER) a peça “Degraus”, de Marcantónio del Carlo, com encenação de João Mário Fernandes.
No domingo, para além da missa solene na igreja matriz (11h), a tradicional procissão do Divino Espírito Santo (17h30) vai percorrer as principais artérias da vila. Mais tarde (20h), os “Groove da Villa” estarão no espaço cultural, enquanto a noitada é da responsabilidade do grupo “Alta Frequência”, que marca presença no anfiteatro. Antes da meia noite, terá lugar o espetáculo piromusical, para ser visto ao pormenor.