A mais conceituada crítica internacional de vinhos, Jancis Robinson, provou recentemente algumas novidades e colheitas mais antigas do produtor bairradino Luís Pato, voltando a surpreender-se com a qualidade e acima de tudo com a consistência dos vinhos. Uma excelente performance, em particular para os brancos, revelando que a Bairrada é uma região de vinhos brancos com um carácter muito próprio e potencial de envelhecimento.
A prova de ‘Luís Pato Vinhas Velhas branco’ foi vertical e versou as colheitas de 1995, 2003, 2010 e 2014. Os vinte anos do Vinhas Velhas de 1995 não o deixaram ficar mal, antes pelo contrário: valeram-lhe uma pontuação de 18 pontos em 20. Também o 2003 surpreendeu com 17,5 pontos. Seguiram-se os mais recentes, ambos com 17 pontos, a provar o elevado potencial de envelhecimento destes néctares.
Jancis Robinson chegou mesmo a questionar-se “como vinhos como estes são tão baratos?”. Em prova esteve também o ‘Luís Pato Maria Gomes’; referindo-se ao mesmo, a crítica deu-o como exemplo de que “não é necessário um vinho ter muito álcool para revelar qualidade”.
No que toca aos tintos a chegarem em breve ao mercado, estiveram dois monocastas de Baga: um de 2013 e outro de 2000 (que dará origem a um relançamento). Ao ‘Luís Pato Vinha das Valadas Baga Pé Franco tinto 2013’ – um tinto feito com Baga em Pé Franco plantado em solo argilo-calcário e que é o topo de gama do produtor, do qual apenas produz 326 garrafas – a crítica atribuiu 18 valores. O ‘Luís Pato Quinta do Moinho tinto 2000’, um vinho “velho” que Luís Pato vai relançar, foi distinguido com 16,5 pontos; valor que subiu meio ponto no caso da colheita de 2001. Foram ainda provados o ‘Luís Pato Vinha Barrio 2001’, o ‘Luís Pato Quinta do Ribeirinho Pé Franco 2011’ e o ‘Luís Pato Vinha Pan 2011’ cuja classificação variou entre os 17,5 e os 17 pontos.
O site Wine Advocate, do crítico Robert Parker, atribuiu 95 pontos ao ‘Pé Franco da Quinta do Ribeirinho 2011’. A mesma pontuação alcançada pelo ‘Vinha Barrosa 2001’ e pelo ‘Quinta do Moinho 2001’ na revista americana Wine & Spirits, que distinguiu ainda a Luís Pato uma das 100 melhores adegas do mundo.
A revista alemã Fine das Weinmagazin atribuiu, respetivamente, 96, 95 e 94 pontos ao ‘Vinha Pan tinto 1995’’, ‘Vinha Barrosa 2005’ e ‘Luís Pato tinto 1985’.
Já a Feinschmecker, revista com a mesma nacionalidade fez uma reportagem onde destacou o grupo Baga Friends e elevou os vinhos da casta Baga ao céu.
Esperam-se agora as novidades da colheita de 2015, que como em qualquer ano terminado em 5, se prevê que seja de qualidade excecional.
O produtor Luís Pato acredita que “se vão destacar os dois vinhos de Baga em Pé Franco: o ‘Quinta do Ribeirinho em Solo Arenoso’, o nosso clássico produzido há 28 anos; e o ‘Pé Franco da Vinha das Valadas’, superior aos mencionados na crítica das Master of Wine Julia Harding e Jancis Robinson”.
VINHOS PROVADOS

Brancos
Luís Pato Vinhas Velhas 1995 (Bairrada) – 18 valores
Luís Pato Vinhas Velhas 2003 (Vinho Regional Beiras) – 17,5
Luís Pato Vinhas Velhas 2010 (Vinho Regional Beiras) – 17
Luís Pato Vinhas Velhas 2014 (IGP Beira Atlântico) – 17
Luís Pato Maria Gomes 2014 (IGP Beira Atlântico) – 16,5
Tintos
Luís Pato Vinha das Valadas Baga Pé Franco 2013 (Bairrada) – 18 – NOVIDADE
Luís Pato Vinha Barrio 2001 (Vinho Regional Beiras) – 17,5
Luís Pato Quinta do Ribeirinho Baga Pé Franco 2011 (Bairrada) – 17,5
Luís Pato Vinha Pan 2011 (Bairrada) – 17+
Luís Pato Quinta do Moinho 2001 (Vinho Regional Beiras) – 17 – VAI SER RELANÇADO EM 2016
Luís Pato Quinta do Moinho 2000 (Vinho Regional Beiras) – 16,5