O sucesso, que já era inquestionável, da Caminhada pelo Coração, promovida pela Escola Básica 2/3 de Vilarinho de Bairro ficou definitivamente consolidado com a 10.ª edição, realizada no passado dia 4 de maio. Um evento ao qual não faltou a própria presidente de Câmara que, a par de alunos, professores e encarregados de educação, percorreu, a pé, os mais de cinco quilómetros que separam aquele estabelecimento de ensino da Lagoa de Torres.

Caminhada plena de significado por se estar em maio, mês do coração. Este ano, a 10.ª edição contou com a presença de um convidado especial. O Professor Doutor Polybio Serra e Silva, presidente da Delegação Centro da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) marcou presença e mostrou-se bastante agradado com o ambiente vivido neste estabelecimento de ensino, tanto ao nível do espaço “agradável, simpático e arranjado”, mas também com a moldura humana, com os jovens bem dispostos para participar em mais uma iniciativa escolar.
Uma caminhada pelo coração, “plena de significado por se estar em maio, mês do coração”, este ano dedicado pela FPC à “insuficiência cardíaca”, doença cardiovascular que podemos prevenir, adotando um estilo de vida saudável.
Polybio Serra e Silva sublinhou a necessidade de se saber distinguir atividade física, de exercício físico e de desporto, sendo esta caminhada a forma mais simples de realizar atividade física.
“De pequenino se torce o pepino”, disse, para justificar que é desde pequeno, em idade escolar, que se deve educar a criança para um estilo de vida saudável. “Devemos introduzir o bichinho da atividade física desde cedo” e “todos devemos praticar 30 minutos de caminhada diária para prevenir doenças cardiovasculares”, acrescentou.
Na ocasião, frisou que o álcool, o tabaco, o açúcar, a gordura saturada devem ser evitados. “É fundamental sensibilizar a população para estas questões, para o equilíbrio e moderação na alimentação.”
Quanto à caminhada propriamente dita, avançou ser “uma iniciativa meritória”, mas também “inteligente” pelo facto de, através das crianças e jovens, se pretender chegar aos adultos, já que os filhos conseguem sempre despertar mais os pais para estas questões.

Presidente da autarquia não faltou ao evento. Também estreante nestas andanças da Caminhada pelo Coração esteve a edil Teresa Cardoso. A presidente da Câmara Municipal de Anadia vestiu (literalmente) a camisola e caminhou os cerca de cinco quilómetros que distam a escola da Lagoa de Torres.
O dia de sol tórrido adivinhava uma caminhada difícil mas a verdade é que todos chegaram ao fim e com uma enorme disposição. Pelo meio da natureza, circundados por vinhas e pinhais, os participantes foram pondo a conversa em dia, ouvindo música e descontraíndo num dia de grande animação.
De facto, pela primeira vez, a adesão foi maciça e a comunidade educativa esteve em força nesta caminhada.
Com saída da escola por volta das 11h30, foi debaixo de um sol escaldante que mais de 300 pessoas participaram na caminhada promovida no âmbito do Projeto de Educação para a Saúde (PES).
Na ocasião, a edil Teresa Cardoso avançou que esta 10.ª edição se revela um êxito, ano após ano, e que a Escola de Vilarinho do Bairro tem sabido aqui marcar uma posição nesta atividade que tem vindo a crescer, ao conseguir envolver escola, pais, enfim, toda a comunidade educativa.
“Esta caminhada tem, de forma eficaz e persistente, sabido alertar e despertar as pessoas para as questões da saúde e do bem estar”, por isso “é um projeto louvável”, acrescentou.

Escola de afetos. Já a docente Alexandra Gonçalves, coordenadora da Escola Básica 2/3 de Vilarinho do Bairro destacou o facto da total adesão da comunidade escolar a este evento mostrar que esta é, efetivamente, “uma escola de afetos” com docentes que já aqui não lecionam e estão colocados noutras escolas a partilhar a sua hora de almoço, neste dia, na Caminhada pelo Coração, em Torres. Por outro lado, destaca o facto de, pela primeira vez, todo o pessoal não docente da escola querer aderir à caminhada, que envolveu também este ano um maior número de pais e encarregados de educação. A docente sublinhou ainda a particularidade de, sendo esta uma atividade voluntária, “é de aplaudir que os professores e alunos que neste dia não têm aulas da parte da tarde ou estão livres o dia todo marquem presença. Isto mostra o empenho de todos para que esta seja uma iniciativa marcada pelo êxito”.
Catarina Cerca
catarina.i.cerca@jb.pt