A AIDA – Associação Industrial do Distrito de Aveiro e a Câmara Municipal de Anadia firmaram, no passado dia 27 de julho, dois protocolos que visam apoiar empresas, empresários na prossecução de investimentos e negócios no concelho.
A assinatura dos protocolos teve lugar no Curia Tecnoparque, numa sessão que contou com a presença do presidente do IAPMEI, Miguel Cruz, cuja intervenção se centrou no tema “Empreendedorismo, Inovação e Internacionalização”.
Na ocasião, Fernando Castro referiu-se aos dois protocolos, um no âmbito do relacionamento institucional entre a Câmara Municipal de Anadia e a AIDA para troca de conhecimentos, experiências e saberes que vão colocar ao serviços da região; o outro, no âmbito do consórcio EEN (Enterprise Europe Network), visa possibilitar que Anadia passe a ter acesso a uma rede europeia para explorar oportunidades de negócio e de investimento, nos mais variados setores.
“A AIDA, como parceira desse consórcio, liderado pelo IAMPEI entendeu colocar também essa ferramenta ao dispor do concelho de Anadia, com a celebração deste protocolo”, disse Fernando Castro, não deixando de destacar o facto de Portugal fazer parte de uma economia globalizada, “onde nos devemos integrar e relacionar”. Por isso, sublinhou a importância do “empreendedorismo, inovação e internacionalização, três apostas em que nos temos que focar”.

Objetivos e compromissos. Já Teresa Cardoso, presidente da Câmara Municipal de Anadia, destacaria a mais-valia dos protocolos a assinar com a AIDA: “um passo importante”, dentro da estratégia que o município de Anadia vem desenvolvendo no âmbito do InvestemAnadia – um projeto que pretende também desenvolver várias parcerias com diversas entidades que com o município possam colaborar e estreitar relações, com vista a apoiar os empresários e empresas do município.
“Trata-se da assinatura de um protocolo que visa estreitar relações entre o Município de Anadia, o Gabinete de Apoio ao Empreendedorismo (GAE) e a AIDA, com um conjunto de objetivos e compromissos a cumprir por ambas as partes,” mas que procura prestar “um maior apoio possível aos empresários e empresas que aqui se queiram instalar no concelho”, sublinhou.
Questões como acessibilidades, custo do terreno, incentivos, benefícios e isenção de taxas e licenças que as autarquias podem conceder são sempre tidas em linha de conta. “O que todos queremos é que se crie riqueza para o concelho, região e país”, disse a presidente da Câmara de Anadia que reconhece nas empresas “importantes empregadores que ajudam a fixar as pessoas a determinados lugares”.

Inovar e internacionalizar. A sessão foi encerrada por Miguel Cruz, presidente do IAPMEI que sublinhou a importância do empreededorismo “atividade que tem três elementos essenciais de referência: risco, inovação e ser capaz de perceber o que são as oportunidades”. Para aquele responsável o país precisa de refletir sobre a situação das micro-empresas, em termos de produtividade aparente de trabalho, onde se regista um claro déficit. Contudo, ser pequeno pode significar uma vantagem nos dias de hoje: “há uma tendência para o pequeno, para a flexibilização e capacidade de adaptação rápida”. Por outro lado, destacou a importância do protocolo assinado que “permite um funcionamento em rede no apoio às necessidades de investimento e de esclarecimento sobre um conjunto de ferramentas disponíveis por parte das empresas”.
Ao nível do financiamento sublinhou a necessidade de melhorar o acesso ao financiamento das empresas e os fluxos de financiamento às empresas e a necessidade de estimular uma rede efetiva de apoio ao empreendedorismo.
Miguel Cruz debruçou-se ainda sobre a temática da inovação competitiva e internacionalização, mas também sobre um conjunto de programas disponíveis e orientados para as empresas (Portugal 2020) que apoiam e atribuem incentivos a projetos que tenham na sua base uma estratégia virada para a inovação e diferenciação no mercado global.
Catarina Cerca