“Esta foi, sem dúvida, a melhor edição de sempre”. Quem o afirma é o próprio autarca de Vilarinho do Bairro, Dinis Torres, que reconhece ter sido esta edição da Feira Histórica e Tradicional a mais concorrida de sempre.
“Pelo número de participantes, pelo número de visitantes e pelas reações que fui ouvindo, não restam dúvidas de que esta 3.ª edição foi um enorme sucesso”, garante.
Pelo terceiro ano consecutivo, a freguesia de Vilarinho do Bairro regressou, nos dias 14, 15 e 16 de julho, à Idade Média, naquele que é um dos eventos que marca já o calendário das atividades promovidas anualmente pela autarquia.
“Superou as melhores expectativas”, disse, a propósito de mais uma recriação histórica que durante três dias, fez com que milhares de visitantes rumassem a Vilarinho do Bairro.
“Foram servidas mais de 1500 refeições por dia”, revela Dinis Torres, justificando desta forma, não só a adesão à parte das tasquinhas e à novidade gastronómica “galo na caçoila” lançado este ano pela Junta de Freguesia, que deseja ver esta iguaria associada a esta feira histórica, mas também a participação das associações da terra e a adesão de tantos visitantes.
Ainda que este tenha sido o ‘ano zero’ do galo na caçoila (receita que deverá ser afinada para o ano), a adesão dos comensais foi de tal ordem que “se não se tivesse colocado um travão, no jantar do primeiro dia (sexta-feira) teríamos esgotado o prato”, admite o autarca que, fazendo contas – ainda que muito por alto -, avança que tenham sido consumidas bem para cima de 60 caçoilas de galo, confecionadas pelas 10 associações locais que estiveram presentes com tasquinhas de comes e bebes.
“As tasquinhas estiveram sempre cheias ao almoço e ao jantar. O bom tempo e o facto de ser fim de semana e um mês de férias ajuda a que as pessoas saiam à rua, convivam e disfrutem de bons momentos”, admite Dinis Torres a propósito do certame que tomou conta do Largo da Saudade, junto à Igreja e cemitério.
Três dias de muita animação que permitiram também, mais uma vez, e apesar do enorme cansaço, ajudar as associações da freguesia que mantêm atividade regular, a angariar fundos para as atividades que vão realizando durante o ano.
Três dias com forte componente histórica que, desde a primeira edição, é assegurada pelo grupo Bombarda (freguesia de Outil) que, para além de um acampamento medieval, é responsável por dinamizar os cortejos medievais, os torneios de armas apeados entre cristãos e mouros, entre outros eventos que permitem ao visitante viajar no tempo.
Uma nota ainda para o cicloturismo, que voltou a constituir um enorme sucesso. Com a participação de cerca de 250 participantes, a volta à freguesia teve lugar no dia 15 de julho (sábado). Numa distância de aproximadamente 20 quilómetros, o cicloturismo, mantendo a tradição, terminou com um almoço, de porco no espeto, no recinto da feira.
Dinis Torres termina dizendo estarem reunidas as condições “para que o próximo executivo dê continuidade a este evento”.
Catarina Cerca