A tempestade “Ana”, que assolou o nosso país no passado domingo e segunda-feira, acabou por não trazer prejuízos de maior vulto à Bairrada. Apesar das inúmeras quedas de árvores, inundações e quedas de estruturas, o temporal não fez vítimas  nem estragos de grandes dimensões.
Na região, a zona sul do distrito de Aveiro terá sido a menos afetada pelos efeitos destruidores desta tempestade, que fez disparar para mais de 2.700 o número de ocorrências a nível nacional.
Águeda parece ter sido o concelho com mais problemas na região, com a queda de 15 árvores e de duas estruturas dado os ventos e chuva fortes, provocando o fecho temporário de estradas, estragos em residências, empresas, viaturas e rede de comunicações, como informou o presidente da Câmara de Águeda, Jorge Almeida.  
Em Anadia, o período mais crítico no concelho decorreu entre as 18h30 de domingo e a 1h00 de segunda-feira. Nesse período,  o corpo de bombeiros foi chamado para 13 ocorrências, na sua maioria em simultâneo, com quedas de árvores, quedas de infraestruturas e inundações.
Segundo fonte dos Bombeiros de Anadia, três daquelas ocorrências com quedas de árvores, resultaram em danos de viaturas, tendo numa delas, no Pereiro, resultado em ferimentos ligeiros para a condutora, de 31 anos,  que foi transportada para o CHUC, tendo já tido alta. Para além destas situações, houve outras também resolvidas por funcionários da Câmara Municipal de Anadia e pela Associação Florestal de Avelãs de Cima, que estiveram durante o período mais crítico em estreita articulação e colaboração com o corpo de bombeiros.

 

Ler mais na edição impressa ou digital