A Assembleia Municipal de Anadia aprovou, por maioria, com uma abstenção da bancada do PSD, no dia 28 de setembro, uma moção de repúdio contra as atitudes do Governo português, por não cumprir o acordo verbal da permuta dos terrenos da nova Escola Básica e Secundária de Anadia pelos terrenos e instalações das antigas escolas do Ciclo e Secundária.
A moção de repúdio foi apresentada pelo Movimento Independente Anadia Primeiro (MIAP). O líder da referida bancada, Luís Santos, deu a conhecer aos restantes deputados municipais, as razões que levaram à apresentação desta moção.
No documento aprovado pode ler-se que “a Assembleia Municipal repudia a inércia demonstrada pelo Governo na resolução de uma situação que foi acordada verbalmente, há uma década, entre a Parque Escolar e a Câmara Municipal”, uma vez que “o documento nunca chegou a ser assinado, confiando a Câmara no acordo dado pelas Entidades”.
Outro dos pontos de repúdio prende-se com “o não cumprimento do acordado, designadamente que a permuta inicial seja agora uma troca monetária e, muito menos, pelos valores apresentados pelo Estado português”.
De acordo com a avaliação feita pela Parque Escolar, o Estado português atribuía aos antigos edifícios e respetivos terrenos em sua posse o valor de 3.039.836 euros e ao terreno de implantação da nova Escola o valor de 1.618.422 euros. Ou seja, o Município de Anadia teria de pagar ao Estado o valor de 1.421.414 euros.
A Câmara Municipal não concordou com os valores apresentados e requereu uma avaliação externa, tendo apresentado uma contraproposta, nomeadamente 1.750.000 euros pelos terrenos e edificados antigos, propriedade do Estado e o valor de 1.618.422 euros pelos terrenos da Câmara de Anadia, onde se encontra implantada a nova escola. Neste caso, a autarquia iria suportar a diferença dos valores que é de 136.742 euros.

Leia a notícia completa na edição de 4 de outubro 2018 do JB