A empresa Miranda e Irmão, de Águeda, está entre as seis entidades do país que mais pedidos de patentes fizeram em 2018 ao Instituto Europeu de Patentes.

Num ano em que Portugal registou um aumento de quase 50 por cento nesta questão, com 220 patentes, a empresa aguedense especializada no fabrico de componentes para duas rodas, submeteu ao Instituto Europeu de Patentes (na sigla em inglês EPO) seis pedidos, os mesmos que a OLI – Sistemas Sanitários  (Aveiro) e as Universidades do Porto e de Évora. Acima destes números ficaram a Novadelta, com 7 pedidos, e o INESC TEC, com 9 patentes.

Este crescimento nacional, na ordem dos 47%, surge depois de um ano de queda no número de pedidos (menos 4,5% em 2017), sendo um dos maiores crescimentos registados entre os 38 Estados-membros do EPO, ultrapassado apenas pela Lituânia e San Marino.