A Águas da Região de Aveiro, S.A., acrescentou aos rigorosos procedimentos de segurança a que a as entidades de saúde e de regulação do setor das águas obrigam, medidas extras para aumentar a segurança das suas instalações, dos seus colaboradores e dos que são servidos pela empresa da região de Aveiro.

Desde março que a segurança das equipas da AdRA foi reforçada através da utilização de equipamentos de proteção individual e comunitária e do estabelecimento da rotatividade quinzenal das equipas. Com estas medidas minimizou-se o risco de um contágio alargado e assegurou-se a continuidade dos serviços. Agora, desde meados de abril que todas as instalações e viaturas de serviço são higienizadas a fundo, tendo a empresa distribuidora de água recorrido às mais recentes tecnologias disponíveis no mercado de prestadores de serviços especializados na contenção de surtos e higienização de espaços públicos.

“A nossa atividade é particularmente sensível, pois a saúde pública depende em grande medida dos serviços que fornecemos. Isso sem esquecer que a segurança e a confiança dos nossos trabalhadores no exercício das suas tarefas é essencial, pois sem eles não é possível continuarmos a servir as populações”, esclareceu Fernando Vasconcelos, presidente do Conselho de Administração da AdRA.

Serviços remotos de apoio ao cliente têm correspondido

As lojas da AdRA ainda não abriram “pois estamos a implementar soluções que permitam aos clientes que se desloquem a esses espaços, e aos nossos colaboradores terem as melhores condições de segurança”, informou o presidente da AdRA, que não se mostra surpreendido com “a excelente resposta às necessidades e múltiplos pedidos que os nossos serviços remotos de apoio ao cliente têm dado, com especial destaque para o atendimento telefónico”.

De acordo com a AdRA, quase todas as necessidades de apoio ao cliente são supridas pelos serviços telefónicos, que “até vendo bem as coisas, são mais rápidos e cómodos que uma deslocação a uma loja, tendo ainda a vantagem de serem mais adequados para os riscos que o covid 19 trouxe para a saúde pública”.

Lojas são instrumentos de proximidade e vão reabrir

Como foi referido, assim que estejam reunidas as condições ideais de segurança, as lojas da AdRA vão reabrir. “Os serviços online e de atendimento telefónico não se substituem às lojas. Estas têm um papel fundamental no fomento da proximidade com as comunidades e, em casos específicos como pagamentos em dinheiro, são uma mais-valia para muitas pessoas.” Mas a nova normalidade obriga a que mudanças não sejam somente efetuadas nos espaços onde estão a ser colocados novos equipamentos como, por exemplo, acrílicos de proteção. “É também importante fornecer às pessoas soluções adequadas que minimizem os riscos de contágio, pelo que as lojas serão espaços mais vocacionados para pagamentos e reuniões imprescindíveis com clientes. Para isto funcionar têm de se estabelecer novos horários e formas de funcionamento sem deixar de reforçar ainda mais os serviços de telefónicos e online“, finalizou o Presidente da AdRA.

As soluções serão adequadas a cada loja e evolutivas, e uma das propostas que está em cima da mesa é, numa primeira fase, que o atendimento presencial ao público seja só na parte da manhã e exclusivamente para pagamentos. Qualquer outro assunto terá de ser agendado previamente.