Começa esta quarta-feira, dia 5 de agosto, um Ciclo de Concertos, que a Câmara Municipal de Aveiro está a promover com músicos e técnicos locais, na escadaria do Atlas Aveiro – Edifício Fernando Távora. A iniciativa está integrada na estratégia “Cultura em Tempos de (In)Certeza”, apresentada a 1 de junho com o intuito de apoiar o sector cultural e técnico local, nomeadamente nos seus programas de “Arte no Espaço Público” e “Medidas de Apoio às Artes”.

Trata-se, por isso, de um ciclo realizado exclusivamente com músicos e DJ’s de Aveiro, assim como técnicos locais, organizado pelo Teatro Aveirense. Uma perspetiva do panorama musical de Aveiro, com o talento de Arianna Casellas, Charlez Lazer, Chefe Silva, DuEthos, Freddy Strings and the Groovefellas, Himalion, João Ferro, Lendário Homem do Trigo, mema., Rui Oliveira + Voz Nua, Saucy Bastards, Shange, Troll’s Toy, Vénus Matina, DJ Colorau Som Sistema, Johnny Red, DJ Marcos 3000, Mighty Scorcher e The Selektors.

O evento começa ao final da tarde e estende-se pela noite, com entrada gratuita mediante o levantamento de bilhete no Teatro Aveirense. Tendo em conta o atual contexto de epidemia, este ciclo é realizado de acordo com todas as normas de proteção, nomeadamente o uso obrigatório de máscara, a desinfeção das mãos, a fixação de lugares e o distanciamento de segurança.

Programa

Quarta-feira, 5 de agosto

18h30: TheSelektors

19h: Vénus Matina

21h: TheSelektors

21h30: SaucyBastards

23h: Charles Lazer

Quinta-feira, 6 de agosto

18h30:  Mighty Scorcher

19h: DuEthos

21h:  Mighty Scorcher

21h30: Freddy Strings and the Groovefellas

23h: Shange

Sexta-feira, 7 de agosto

18:30: DJ Marcos 3000

19h: AriannaCasellas

21h: DJ Marcos 3000

21h30: mema.

23h: Lendário Homem do Trigo

Sábado, 8 de agosto

18h30: DJ Colorau Som Sistema

19h: João Ferro

21h: DJ Colorau Som Sistema

21h30: Himalion

23h: Troll’sToy

Domingo, 9 de agosto

17h30: Johnny Red

18h: Chefe Silva

19h30: Rui Oliveira + Voz Nua

Grupos e músicos

TheSelektors

TheSelektors, constituídos por Estevão, Alex, Tobe e Luís, surgem em Aveiro em 2018. As suas sessões são uma viagem do Early Reggae, Rocksteady, Ska, Two Tones, Latin Ska ao 3rd Wave Ska. O coletivo costuma tocar nos locais noturnos da cidade de Aveiro. No ano passado, participaram no Festival dos Canais, garantido uma velada de muito divertimento e música com influência jamaicana.

Vénus Matina

Vénus Matina é um projeto musical formado por Eva Paiva na voz, André Teodoro na guitarra, Gabriel Moreira nos teclados,  Vasco Lourenço no baixo e contrabaixo e Daniel Cardoso na bateria. Os temas originais que apresentam caracterizam-se por uma sonoridade que conjuga composições e arranjos, com claras influências do jazz fusão e bossa nova, e letras cantadas em português com conteúdos que variam entre a temática interventiva e introspetiva.

SaucyBastards

Os SaucyBastards são constituídos por Saucy Sam (guitarra e voz) e Bruno Barreto (Baixo) e contam com as participações de Chico Beirão (Bateria/Percussão) e Jorge Loura (Guitarra). Com background dos Souq (Jorge Loura/Bruno Barreto) , 47 de Fevereiro  (Francisco “el Kilho” Beirão/ Jorge Loura) e Moonshiners (Sam / Bruno). Juntam-se no início de 2018, vários concertos depois surge o primeiro álbum “Dingo” , músicas sobre piratas, o amor e uma casa no campo.

Charles Lazer

Charles Lazer apresenta BLANK PAGE. Carlos Lázaro, aveirense de gema, já não é um estranho na cena local. Envolvido em inúmeros projetos de diferentes estéticas musicais (Lazer Mike, FAINA, Moonshiners, Vítor Hugo, Antonio Bastos, Radio Shack), traz-nos a palco um espetáculo onde conflui todas as influências que a estrada lhe trouxe, sem rótulos, onde o experimentalismo e a improvisação farão parte da história que quer contar. BLANK PAGE surge com a vontade de criar em cada concerto momentos irrepetíveis, gerados através da energia em palco e das sinergias criadas com a audiência.

Mighty Scorcher

A história de Mighty Scorcher tem início em 2006 em festas de amigos, passando gradualmente para o circuito de bares de Aveiro, a cidade natal. Rodando os sons quentes da Jamaica, a seleção é bastante eclética passando pelo ska, rocksteady, roots reggae, rub-a-dub, dub. A seleção vai desde os anos 60 até aos dias de hoje, 100% em vinil e tem grandes influências da tradição do SoundSystem jamaicano. O caminho passou ainda pelas Caldas da Rainha onde se formou em Som e Imagem pela Esad.CR e onde dinamizou variadas festas com nomes importantes da cena nacional. As boas relações estabelecidas permitiram a rodagem em sítios de referência do panorama reggae nacional. Atualmente diretor técnico da d’Orfeu Associação Cultural, em Águeda, colabora regularmente com o coletivo aveirense Backyard Soundsystem desde 2013 na organização de eventos ligados ao reggae e suas vertentes.

DuEthos

“Tudo o que eu digo é Mentira” é o nome de um monólogo que tem como ponto de partida o Silêncio. Aqui, a personagem depara-se com um mundo desconhecido até então, envolto em esquizofrenia. Nele, tenta expressar-se através da música e da escrita, desconstruindo-se entre a euforia e a desolação, o ódio e o amor e, essencialmente, entre a crença e a descrença em si própria. Chegada ao fim da viagem, acaba por se sentir resolvida quanto ao silêncio, encontrando um ponto de abrigo onde se consegue fazer ouvir. Trata-se de um projeto minimalista que procura aproximar as pessoas de si próprias através de um exercício introspetivo proposto pela música e pela poesia.

Freddy Strings and the Groovefellas

Desde 2012, “FreddyStrings” juntou a voz à guitarra num projeto dedicado aos seus artistas de eleição, em formato de covers. Passados alguns anos, dá início à escrita e composição de canções próprias e procura encontrar parceiros para a sua jornada. Pouco a pouco, a sorte dos caminhos veio trazendo os elementos que hoje formam o grupo “Freddy Strings and The GrooveFellas”, num projeto de originais, que traz um ar fresco e descontraído na música que quer dar ao público, não se fixando em estilos específicos. Trata-se de um grupo com vibrações calorosas que anima o neto, a mãe e a avó!

Shange

Shange é o nome artístico de Gonçalo Lemos e marca o início do seu percurso no mundo da música eletrónica. Após um trajeto enriquecedor por vários projetos e sonoridades diferentes, SHANGE desvenda uma viagem pelo techno, glitch e IDM com uma abordagem muito própria. Influenciado por nomes como FloatingPoints, AphexTwin e Objekt, EMBRYO é o seu primeiro single, lançado a 10 janeiro de 2020 com o selo da editora ChilliPepperFields.