O aumento de casos de Covid-19 no concelho de Anadia, levou a que o vasto programa desenhado para a bênção e inauguração solene da “Casa de Éfeso”, na Junqueira, fosse completamente alterado.
Ainda assim, a missa campal, presidida pelo Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, foi autorizada, contando a cerimónia, realizada na tarde do último domingo, dia 6 de setembro, com a presença de Teresa Cardoso, presidente da autarquia anadiense e dos presidentes das Juntas de Freguesia da Moita e de Vila Nova de Monsarros, entre muitos outros convidados e dezenas de fiéis.


Sob rigorosas medidas de segurança, os fiéis puderam assistir à missa, com o distanciamento possível, já que muitos foram aqueles que não quiseram deixar de estar presentes.


De máscara e com algum afastamento, os participantes assistiram a uma cerimónia ímpar, marcada por vários momentos de grande simbolismo e demonstração de fé.

Manifestação de fé
Na ocasião, D. António Moiteiro, Bispo de Aveiro, recordou serem estes espaços (templos) “testemunhos do amor de Deus manifestado em Maria”, mas também que estas “igrejas de pedra são necessárias para acolher as igrejas de pedras vivas que devemos ser cada um de nós”, que aqui “rezamos, manifestamos a nossa fé e construímos comunidades”.
Ao padre Vítor Espadilha deixaria palavras de gratidão, já que, como disse, “a obra deve-se a um sonho seu, de dever construir uma réplica da Casa de Éfeso”.

Ler mais na edição impressa ou digital