O Pólo Escolar de Oliveira do Bairro, resultado de um investimento de três milhões de euros, foi inaugurado, na última segunda-feira, um ano depois de ter aberto as portas a 248 alunos. Debaixo de um calor intenso, o ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Vieira da Silva, destacou a qualidade do investimento e do serviço que é prestado por aquela infra-estrutura.

Uma escola que, para o ministro, “é um instrumento de mudança a favor da igualdade de oportunidades”.
Vieira da Silva destacou o alargamento da escolaridade obrigatória para 12 anos, cuja “dimensão de sucesso está dependente do que se passa nestas salas de aulas”.

O governante sublinhou ainda que se trata do primeiro de oito centros escolares que vão constituir a rede de ensino do concelho de Oliveira do Bairro. “A abertura dos pólos escolares será “um ciclo novo que se irá abrir neste concelho para as crianças e suas famílias”. “Se houvesse dúvidas sobre este investimento, seriam dissipadas ao percorrer estas salas”, acrescentou o ministro.

Dinamismo. Vieira da Silva destacou ainda “o dinamismo do concelho de Oliveira do Bairro”, sublinhando que “os apoios do Quadro de Referência Estratégicos Nacionais (QREN), no caso concreto das escolas, subirão para 80%”. “Isto vai permitir que os investimentos sejam feitos com mais rapidez e segurança, criando oportunidade de negócio e emprego, ao mesmo tempo que vem aliviar as Câmaras, ao diminuir a taxa de comparticipações próprias”. “Temos a consciência de que o QREN é um instrumento fundamental para que Portugal possa recuperar da crise económica e modernizar o país”, justificou.

Investimento. O presidente da Câmara de Oliveira do Bairro, Mário João Oliveira, começou por referir que “os oito novos centros escolares – previstos na carta educativa – representam um investimento de cerca de 20 milhões de euros, acrescentando que “este é o nosso modesto contributo para a melhoria do nível de formação dos portugueses, porque sabemos, com toda a certeza, que desta escola, com o forte empenho da comunidade escolar, agora com excelentes condições de trabalho, sairão jovens mais bem preparados, para assim contribuírem para um Portugal mais competitivo e com melhor qualidade de vida”.