Dezoito jovens têm vigiado as principais zonas de risco de incêndio do concelho e procedido a acções de sensibilização e prevenção junto da população. O programa Voluntariado Jovem para as Florestas, promovido pelo Instituto Português da Juventude com o apoio da Câmara Municipal, terminou na passada terça-feira com um balanço muito positivo. “Têm sido responsáveis pela identificação de um grande número de fogos, não só no concelho como em toda a região”, afirma a vice-presidente da autarquia, Filomena Pinheiro.
Apesar deste ano estarem reduzidos a 18, os jovens do projecto “Mealhada Vigilante” voltaram a mostrar que a sua colaboração é crucial nesta época de incêndios. “Foram vários os fogos que identificaram no concelho e na região, nomeadamente em Águeda, Penacova e na Figueira da Foz”, adiantou a vice-presidente da Câmara, defendendo a importância deste programa para a sensibilização dos jovens para a ocupação dos tempos livres e para as acções de cidadania.
Os voluntários, com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos, tiveram como missão detectar eventuais focos de incêndio e vigiar as áreas florestais. Os vigilantes da floresta operam em três períodos diferentes, em grupos de seis elementos, no horário das 11h às 16h30. Aos voluntários foi garantida, pela entidade promotora, uma verba de 12 euros por dia, certificado de participação, seguro de acidentes pessoais, reembolso de despesas com a alimentação e os transportes, vestuário e equipamento. Por sua vez, a Câmara assegurou luvas, binóculos, telemóveis e transporte para todos. Os voluntários receberam ainda formação sobre a temática.