Começaram há dois meses as obras de recuperação do parque de merendas da Barragem da Gralheira, na freguesia da Moita.
A zona dos telheiros tinha sofrido danos avultados com dois temporais que atingiram o concelho no Inverno. Na altura, o autarca António Guilherme Andrade falava em danos avultados causados pela queda de mais de uma dúzia de acácias devido às fortes rajadas de vento.
Agora, as obras decorrem a bom ritmo e os 11 telheiros já se encontram devidamente recuperados, prontos a receber os visitantes que, nesta época no ano, procuram este local tranquilo para fazer piqueniques e merendas em família.
Depois dos vários proprietários terem cortado as árvores, a Junta de Freguesia da Moita, com o apoio da Câmara Municipal de Anadia, tem vindo a limpar toda a zona envolvente.
“Já gastámos cerca de 4 mil euros, contabilizando custos com mão-de obra e materiais: telhas, vigas, ripas e barrotes”, adianta o autarca dando conta de outros melhoramentos no local: “arranjámos a velha escada em cimento e recuperámos o corrimão”. António Andrade dá ainda a conhecer que a Junta vai continuar os melhoramentos no local e junto aos telheiros colocar um baloiço e um escorrega para os mais pequenos. Um investimento que obriga ainda a subir e reforçar um muro existente nas imediações “para maior segurança, por causa das crianças mais pequenas”.
A JB o autarca não deixa de lamentar alguns actos de vandalismo que ali vão ocorrendo, havendo, inclusive, quem, de forma abusiva, continue a retirar água da barragem, alegadamente para regar eucaliptos, dando conta de que se trata de uma zona de recreio e lazer que exige muita manutenção e vigilância. Por isso, este local é também, durante o Verão, limpo duas vezes por semana.
O espaço de lazer na Barragem da Gralheira foi inaugurado em 2001 e integra churrasqueiras, forno, sanitários e vários telheiros com mesas e bancos corridos.
A Barragem da Gralheira é um dos pontos de água mais importantes do concelho de Anadia no combate a fogos florestais, mas todo o espaço de recreio e lazer nasceu da vontade de Frutuoso Almeida Silva, de Ferreiros. Foi graças à sua generosidade e persistência, que o espaço cresceu e se tornou num dos mais procurados por inúmeras famílias e visitantes de longe.

Catarina Cerca