A Câmara de Anadia vai investir cerca de 11 milhões de euros em obras de saneamento básico que vão permitir alargar a cobertura da rede a 95 por cento do concelho.

Os trabalhos surgem no âmbito de um contrato de financiamento celebrado ao abrigo do Programa Operacional Temático de Valorização do Território (POVT), que foi homologado ontem, numa cerimónia que contou com a presença do secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território, Pedro Afonso de Paulo.

As obras, orçadas em 10,9 milhões de euros, contam com uma comparticipação de 80 por cento de fundos comunitários e visam a construção de redes de saneamento, emissários e 14 estações elevatórias.

Está ainda prevista a construção de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR) em Amoreira da Gândara e a ampliação e remodelação da ETAR de Sangalhos.

Em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Anadia, Litério Marques (PSD), disse que, com este projecto, o município ficará com uma cobertura na ordem dos 95 por cento em matéria de saneamento básico (actualmente a cobertura é de cerca de 70 por cento).

Segundo a autarquia, já estão adjudicadas obras no valor de 2,5 milhões de euros. Até ao final do ano, deverão estar concluídos todos os procedimentos inerentes aos restantes concursos públicos para a execução das respectivas empreitadas.

O autarca aproveitou ainda a presença do secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território para voltar a apelar à construção do nó de ligação da autoestrada A1 ao concelho, considerando que se trata de um assunto “de importância vital para Anadia e a região”.

Trata-se de uma reivindicação antiga que, segundo Litério Marques, “volta à actualidade”, tendo em conta que a nova autoestrada A32, que vai ligar Coimbra a Oliveira de Azeméis, “está adiada ou mesmo suspensa”.

O responsável salientou que a empreitada de “reduzidos custos” iria acabar com “a discriminação de Anadia no tocante às acessibilidades”.