Promover os vinhos de excelência produzidos na região da Bairrada e mostrar a modernidade e dinamismo da região no seu todo, foi o principal objectivo de um jantar vínico promovido pela Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB), para a imprensa regional.
O restaurante Arcadas da Capela, na Quinta das Lágrimas, em Coimbra, serviu de palco, no passado dia 28 de Novembro, a este jantar, com assinatura do chef Vitor Dias. Integrada no programa “Apoio à Promoção do Vinho e Produtos Vínicos no Mercado Interno”, a importância desta acção foi realçada por João Casaleiro, presidente da CVB: “esta iniciativa visa mostrar como é possível harmonizar a gastronomia/comida com os vinhos”, não deixando de destacar que já uma outra iniciativa semelhante tinha sido realizada em Lisboa, mas de abrangência nacional, junto de jornalistas da especialidade.
Em Coimbra, foram provados e comentados, durante o decorrer do jantar, dez vinhos que realçam o que de melhor se faz presentemente nesta região demarcada. “Este evento não pretende analisar cada um dos vinhos per si, mas mostrar um conjunto de vinhos e espumantes de alta qualidade, produzidos na Bairrada, e que provam que a Bairrada pode competir com qualquer outra região do país”, acrescentou, na oportunidade, Mário Neves, responsável pelo mercado externo da Aliança-Vinhos de Portugal e membro da CVB.
A iniciativa, a par de outras, promovidas pela CVB, pretendeu mostrar ainda que os vinhos da Bairrada voltam a estar na moda, graças à sua excelência.
José Miguel Menezes, da CVB, não deixou de destacar que a Bairrada é uma das regiões do país com maior potencial para a produção de grandes vinhos. Por outro lado, destacou que na Bairrada “tudo se conjuga para aliar à qualidade, a diversidade e o carácter: os solos e o clima muito particulares, a grande variedade de castas, o talento e experiência dos enólogos e técnicos de viticultura, a multiplicidade de produtos, que vão dos espumantes aos brancos, rosés, tintos, passando pelas aguardentes”.
Quanto à região demarcada, é um facto que, na última década, graças a uma recente abertura legislativa que permitiu a integração dentro do DOC Bairrada de outras castas nacionais e estrangeiras, têm vindo a avolumar-se as vinhas plantadas com variedades como a Touriga Nacional, Tinta Roriz, Camarate, Jaen, Cabernet Sauvignon, Syrah, Merlot e Pinot Noir. Castas que permitiram diversificar imenso os aromas e sabores dos tintos da região, mantendo embora em comum a frescura atlântica que este “terroir” específico lhes imprime.
Aos vários jornalistas presentes, esta acção pretendeu mostrar também uma Bairrada renovada, que tem sabido aproveitar as oportunidades para inovar, seja nas vinhas ou nas adegas, aperfeiçoando o equilíbrio dos seus vinhos, conferido pelo terroir e tradição vitivinícola. “Ressurge agora uma região plena de tradição e juventude; renovam-se as antigas Caves (fundadas a partir do final do séc. XIX); erguem-se adegas de arquitectura contemporânea, umas e outras encantando os apreciadores do vinho, da gastronomia e da arquitectura, vindos de todo o Mundo”, avançou.

VINHOS EM PROVA
ESPUMANTES
Espumante bruto zero, “91 anos de história” 2007, das Caves São João; espumante bruto Marquês de Marialva Super Reserva 2006, da Adega Cooperativa de Cantanhede e espumante bruto rosado Kompassus (Baga/Touriga Nacional) 2007
Vinhos brancos
Quinta da Mata Fidalga “Prestige” 2008 e Quinta do Encontro “Encontro1” 2010
Vinho Rosé
Vinho rosado (rosé) Encosta de Mouros – Syrah 2010, da Adega Cooperativa de Mealhada
Vinhos tintos
Caves Primavera “Special Selection” 2005; Calda Bordaleza 2007, de Manuel Santos Campolargo; “Follies” Touriga Nacional 2009, da Quinta da Aveleda e Sidónio de Sousa Merlot 2009, de Dulcínea dos Santos Ferreira

Catarina Cerca