O relatório que a Inspeção Geral da Administração do Território (IGAL) efetuou à Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, entre março e junho de 2010, é “limpo”, revelou, na última quinta-feira, durante a reunião de Câmara, o presidente da edilidade, Mário João Oliveira.

O autarca fez questão em sublinhar que o relatório se resume a “uma folha e a um bocadinho da outra”, afirmando que a inspeção teve como objeto a análise de denúncias, queixas e exposições, assim como as áreas do urbanismo; execução de obras públicas, fornecimentos e concessões; gestão dos recursos humanos de forma geral, contemplando as situações de acumulação de exercício de funções (autárquicas e privadas), por parte dos funcionários e eleitos e área financeira.

Além de itens gerais, a inspeção incidiu na entrega de subsídios a entidades privadas como IPSS, associações desportivas e culturais, associações de bombeiros, entre outros.

Limpo. Mário João Oliveira reforçou que “o relatório é limpo e que apenas nos suscita duas questões para acompanhamento e nada mais”. “É referido que devemos fazer o ponto da situação sobre alguns processos que foram objeto de análise. São processos que têm a ver com um período anterior a 2005.”

O autarca explica ainda que “o relatório pede para a Câmara informar a IGAL sobre a celebração de novos contratos de prestação de serviços, em regime de avença. Mas não há nenhum contrato para além daqueles que já existiam aquando da inspeção e que se contam por dois”.

“O relatório é de facto uma folha e um bocadinho da outra”, reforça, visivelmente satisfeito, o presidente da Câmara, justificando que “quando recebemos estes documentos, depois de uma auditoria abrangente e ampla, é sinal que os serviços que são desempenhados pelas várias divisões são bons”. “Todos os órgãos se devem sentir com o sentimento de dever cumprido”, disse.