A freguesia da Mamarrosa viveu um momento de grande significado com a ratificação da carta de geminação assinada entre as juntas de freguesia da Mamarrosa e Saint One La Chapelle (França). O processo de geminação começou em setembro de 2011 e foi concluíd0 com a assinatura da ratificação da carta em frente à Junta de Freguesia da Mamarrosa no passado sábado, dia 4, cerimónia que não contou com a presença da Madame Mireille, por motivo de doença, ela que foi a grande impulsionadora para que as duas juntas se unissem.
Foi Madame Mireille que depois de, há dois anos ter passado férias na Mamarrosa, quando chegou a St Onen La Chapelle pediu a geminação a esta freguesia do concelho de Oliveira do Bairro. O processo teria que passar pelas duas juntas de freguesia, mas, como a vontade era mútua, foi fácil a proximidade entre as duas localidades, com a carta a ser assinada a 10 de setembro de 2011. Foi assim que começou a geminação, na altura durante as festas de Saint Onen La Chapelle, que contou com uma presença bairradina (Racho Folclórico das Vindimadeiras, Raízes de Povo e Grupo Colibry). O relato de como começou a geminação foi transmitido por Manuel Martins, presidente do Comité de Geminação da Mamarrosa. “Madame Mireille pediu-me para que esta geminação fosse duradoura, respondi que era como um casamento. Seria para toda a vida”, frisou Manuel Martins.
Gilbert Commeureuc, em representação do Comité de Geminação de Saint Onen La Chapelle, referiu que “hoje é um grande dia. Estamos muito felizes por nos encontrarmos para renovar esta geminação. Esperamos que esta geminação seja renovada todos os anos, sempre na base do respeito e solidariedade”, agradecendo o dinamismo e acolhimento recebidos na Mamarrosa.
Por seu turno, o presidente da Junta de Freguesia de Saint Onen La Chapelle, Louis Boahnne, não escondeu a emoção e o orgulho por estar na Mamarrosa. “É nosso desejo que as duas partes desenvolvam um intercâmbio na base da fraternidade e entreajuda. Desejo longa vida entre as duas freguesias”, disse.
O seu homólogo era também um homem radiante: “Hoje é um dia grande para a Mamarrosa. A partir de hoje, as duas freguesias serão irmãs. Mamarrosa tem história e com esta geminação irá ter uma página ainda mais bonita”, sustentou Manuel Reis. O presidente da Junta de Freguesia da Mamarrosa pediu ao presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro para que ao lado do IEC – Instituto de Educação e Cidadania fosse colocada uma pedra (no novo jardim que ali vai ser implantado) para eternizar esta geminação. Mário João Oliveira mostrou-se disponível para apoiar a ideia, pois considera o local especial e um espaço central da freguesia.
Carlos Ferreira, presidente da Assembleia de Freguesia da Mamarrosa e secretário do Comité de Geminação, anotou que “este é um momento único, carregado de simbolismo para a nossa freguesia. É mais um momento que fica na já antiga e tão rica história da Mamarrosa”. Aquele autarca adiantou que a partir de agora “temos oportunidade de expandir a nossa língua, mostrar os nossos usos e costumes, o valor associativo, divulgar as nossas atividades económicas, culturais e turísticas, a oportunidade de intercâmbio de jovens, estudantes e profissionais”.
O presidente da Câmara Municipal felicitou ambas as partes pela ratificação da carta de geminação, que na sua opinião “começa na vontade e no crer das pessoas, lugares e freguesias. Este é um intercâmbio que permite aos jovens e seniores outra janela de oportunidades entre dois povos que estão longe, mas tão perto”.
No final e depois de várias trocas de lembranças, a comitiva descerrou uma placa comemorativa nas quatro principais entradas da vila da Mamarrosa: Caneira, Portinho, Quinta do Gordo e Quinta da Gala.

Manuel Zappa
zappa@jb.pt