A Missão Jubilar, comemorativa dos 75 anos da Diocese de Aveiro, tem levado a cabo várias acções, bem visíveis pelas ruas das paróquias, mas também na vivência deste movimento de renovação, na redescoberta da solidez da Fé e seu fortalecimento. São as tarjas, colocadas nas frontarias e igrejas das capelas e igrejas; são os estandartes que se alteiam por varandas, portas e janelas, são frases bíblicas, apelativas à fé e ao trabalho nas comunidades que concretizaram o Dia do Anúncio, o mês passado.

Mobilização de todos. Cumpridas estas iniciativas, irá decorrer, no próximo dia 11, uma de maior e clara envolvência pública, que tem vindo a ser preparada na mobilização de todos, crianças, jovens, adultos.
“Vamos gritar pela Paz, queremos ser uma só voz. Uma voz a propor um “Homem Novo”… quem a escutará? Aceitemos o convite e deixemo-nos todos, iluminar pela Paz que nos vem de Cristo, nascido no nosso meio, pois, estamos certos que, desse modo, empreenderemos quase naturalmente o caminho da Paz”, é o apelo do arcipreste, padre Mário Ferreira.
A concentração na Avenida Abílio Pereira Pinto, em Oliveira do Bairro, em frente da Biblioteca Municipal, local aceite por todos os coordenadores da Missão Jubilar do arciprestado de Oliveira do Bairro, tem hora marcada – 18h30.
Como movimento de rua que é, quer-se viva e apelativa, o que se fará com balões, tarjas e slogans, e velas acesas, tudo constituindo um grito, um forte apelo a favor Paz, desejo universal e sempre necessário. E também com uma dança de coreografia simples e de muito fácil execução para todos.
A força e alegria contagiante da juventude, (grupos de jovens, núcleos de catequese e escuteiros) constituirão a grande alavanca para o êxito desejado, a pedra de toque. Mas isso não significa que não seja de extrema importância a presença de muita gente, sem olhar a crenças ou outros adesivos. A Paz deve preocupar todos, crentes, ateus, agnósticos, é um bem transversal a favor do Homem. Novos e velhos.
Terminará com um desfile de velas acesas (espera-se que seja um rio ou mar de luzinhas), avenida acima, onde no Monumento aos Combatentes serão deixadas a arder, ainda que muitos as possam levar para casa.
Junte-se ao espírito da iniciativa. A Paz é a grande alavanca de amor para um mundo mais justo e melhor.
“Felizes os construtores da Paz” – diz bispo de Aveiro. “Iniciamos o novo Ano de 2013 com o Dia Mundial da Paz.
A Paz é sonho, ideal, projecto, direito, valor e compromisso de crentes e não crentes.
Estamos todos unidos neste «Grito pela Paz», feito clamor comum e voz unânime de crianças, jovens e adultos.
A Humanidade não pode calar a sua voz e os que sofrem indiferença, abandono, violência, ódio, guerra ou exílio têm direito a sentir que a esperança renasce e que é de todos nós a causa da Paz.
Assim, afirmamos e realizamos, a começar pelos locais em que vivemos, a bem-aventurança: «Felizes os construtores da Paz». “Um dia vou gritar a Paz…Hoje (dia 11) é o Dia!”

Armor Pires Mota