Os bombeiros da Mealhada passam a contar agora com uma nova viatura depois da bênção de um Veículo Tanque Tático Rural (VTTR) no passado sábado, numa cerimónia que juntou várias personalidades locais. O novo carro, cuja aquisição foi comparticipada pelo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), custou 150 mil euros.
O presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Mealhada, Abílio Semedo, depois de benzida a viatura pelo pároco José Gonçalves, agradeceu o apoio a todas as personalidades e entidades que permitiram a aquisição do veículo, destacando o facto de a Câmara da Mealhada ter dado um apoio financeiro de 25 mil euros para aquele fim.
Com um custo estimado em cerca de 150 mil euros, os bombeiros conseguiram 85 por cento de comparticipação daquele valor através do QREN, para além de terem angariado também cerca de 1.600 euros numa campanha dinamizada junto do comércio local.
Numa candidatura oficializada em pouco mais de 24 horas, depois de já ter perdido as esperanças, os bombeiros lá conseguiram aquele importante apoio, como lembrou o presidente da associação, agradecendo a ajuda do dirigente da corporação vizinha de Pampilhosa, Rogério Silva, no processo de candidatura.
Para além do apoio da autarquia, conhecido recentemente, os bombeiros da Mealhada conseguiram também um monitor no valor de mais de 1.000 euros, oferecido pela comissão de Festas de S. Pedro, de Antes.
Entre os presentes na bênção da nova viatura, o presidente da Câmara da Mealhada, Carlos Cabral, deixou uma nota de parabéns aos bombeiros pela aquisição em causa, desejando que aquela viatura “faça pouco serviço”. O autarca aproveitou para “agradecer tudo aquilo que fizeram os bombeiros em 2012.”
Abílio Semedo, que está a dias de deixar a direção dos bombeiros, depois de seis anos de atividade em dois mandatos, sente “o dever cumprido” naquelas funções, lembrando que quando tomou posse “foi para apaziguar ânimos exaltados que havia nos bombeiros e isso conseguiu-se.”
Depois de algumas dificuldades financeiras no arranque de 2012, o que levou a associação a despedir dois funcionários e a passar outro para meio tempo, Abílio Semedo refere que deixa “a casa com as contas equilibradas.”

JPT