Mário Heleno acaba de tomar posse na direção do Centro Social, Cultural e Recreativo da Poutena. Acompanham-no neste mandato de dois anos Carmen Santos (vice-presidente), Carlos Pinho (secretário), Dina Conceição (tesoureira) e Paula Assunção, Paula Cavadas e Jaime Bento (vogais).
Ao JB admite que perante o convite que lhe foi endereçado – e porque fizera parte da anterior direção – decidiu aceitar.
A eleição da lista única aconteceu a 15 de dezembro e Mário Heleno sucede a Fernando Pereira, obrigado a sair, na medida em que completara dois mandatos (número permitido pelos Estatutos da instituição).
O trabalho será de continuidade, na prestação de um serviço de excelência a todos os utentes. Contudo, Mário Heleno avança estar motivado pra enfrentar os desafios que a atualidade coloca às IPSS’s, ainda que reconheça que se adivinham tempos muito difíceis para todos: “a direção está ciente do grande desafio e das limitações que nos são impostas”.

Para breve mais vagas em Lar. A curto prazo, espera conseguir negociar com a Segurança Social o alargamento da resposta social de Lar para mais 10 utentes. Não só porque as alterações nas regras determinadas pela Segurança Social o permitem, mas porque sabe que é urgente conseguir dar resposta a inúmeras situações bastante delicadas que se encontram na longa lista de espera desta valência que tem capacidade para 30 idosos, encontrando-se há muito esgotada.
“Estão a ser desenvolvidas as diligências necessárias para pedir o alargamento da capacidade desta valência para mais 10 utentes”, avança, dando conta de que para tal terão de ser efetuados pequenos ajustes ao nível das instalações, sobretudo no refeitório e sala de estar. Vera Neto, diretora técnica da instituição acrescenta que a idade média dos idosos em Lar é elevada (95/97 anos), o que obriga a dar uma resposta mais efetiva aos pedidos de ajuda, muito embora, neste momento, apenas três estejam acamados.
Em Apoio Domiciliário estão inscritos 40 utentes e em Centro de Dia 50. Na resposta à Infância, o Centro tem 30 crianças em Creche e 45 em CATL/CAF.
E é na parte do apoio à Infância que se sente mais as dificuldades das famílias. “Assistimos a uma vaga de emigração que leva ao afastamento de algumas crianças das valências, assim como a dificuldade de alguns pais em manter o pagamento das mensalidades. Já nos idosos não sentimos qualquer alteração”.
Projetos maiores. O Centro Social é o maior empregador da freguesia. Possui 60 funcionários e gere anualmente um orçamento de um milhão e 200 mil euros. Para este novo mandato, a direção tem em mente novos projetos, evidenciando o dinamismo que sempre marcou a instituição. Assim, está em curso o projeto de remodelação do Centro de Dia, no sentido de também se conseguir legalizar (obter licença de habitabilidade) a parte mais antiga da instituição. Mário Heleno revela ainda a intenção de remodelar a parte da frente do edifício inicial. “Vamos dar-lhe um outro aspeto, mais moderno, assim como arranjar a zona exterior envolvente”.

Outras secções. Embora a área do Social seja, hoje, a vertente mais pujante, a Cultura e o Recreio sempre foram duas áreas muito acarinhadas pela instituição. Assim, com uma nova dinâmica e sob a alçada das professoras Catarina Lemos e Carolina Folques, estão a decorrer as aulas de dança jazz/ballet, às sextas e sábados. Todos os interessados em integrar esta secção podem inscrever-se na secretaria da instituição. Quanto ao teatro revista, uma referência na instituição, está a fazer-se um interregno: “já temos uma peça escrita para começar a ensaiar. Mas para tal é necessário que as pessoas adiram, se motivem e se inscrevam para integrar o grupo”, diz Vera Neto.
Em termos desportivos, o Motocross é a modalidade mais emblemática. Mantém uma prova anual que conta para campeonato nacional da modalidade. O futebol (Sporting Club da Poutena) recomeçou há dois anos com a formação. Neste momento integram as camadas jovens duas equipas de benjamins e uma de infantis.

Catarina Cerca
catarina@jb.pt