Os quatro indivíduos que foram detidos, na penúltima terça-feira, no centro de Oliveira do Bairro, após um militar da GNR de Anadia os ter visto a furtar uma residência em Espairo, São Lourenço do Bairro, foram acusados pelo Ministério Público e julgados de seguida pelo Tribunal, pela alegada prática, em coautoria, de um crime de furto qualificado.
O condutor da viatura também respondeu por um crime de condução perigosa de veículo rodoviário. Os indivíduos foram julgados em menos de 24h e vão conhecer a sentença no dia 19, às 14h.
Rui M., de 23 anos, residente em Gondomar; Manuel C., de 32 anos, residente em Benavila, Portalegre; Paulo O., de 45 anos, residente em Fanzeres, Gondomar e Marco C, de 42 anos, também residente em Gondomar, arquitetaram um plano para furtar uma residência. Assim, dirigiram-se para uma habitação em Espairo, São Lourenço do Bairro, com o propósito de consumarem um assalto.

Plano. Na execução do plano, o quarteto estacionou o carro nas imediações da casa, tendo os arguidos Rui M. e Manuel B. saído do carro, enquanto os seus comparsas ficaram a vigiar possíveis movimentos estranhos.
Para se introduzirem no interior da casa, os arguidos entraram por um portão, que abriram, e depois por uma porta sacada. Já no interior da moradia, o arguido Rui M. dirigiu-se ao quarto da proprietária da casa, onde a mesma se encontrava a descansar, retirando um guarda-joias que continha diversas peças de ouro, no valor total de 300 euros.
No momento em que o indivíduo retirou o guarda-joias da cómoda, a dona da casa (ofendida) acordou e gritou, altura em que este abandonou o quarto, mas levando consigo as peças de ouro. Os dois arguidos saíram e revistaram o carro da ofendida, mas foram avistados por um militar da GNR de Anadia que se encontrava nas proximidades.
O quarteto acabaria por abandonar o local em direção a Outeiro de Baixo, mas foi seguido pelo militar. Já nas proximidades de Amoreira da Gândara, o militar perdeu-os de vista. Mas, já no seu encalço, os militares do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Anadia avistaram o carro, que perante a sua presença, aumentaram a velocidade. Entretanto, entraram numa rotunda sem parar, seguindo em direção à extensão de saúde de Mogofores. Quando o arguido se apercebeu que tinha entrado numa estrada sem saída, iniciou uma manobra de inversão, ficando de frente para o carro da patrulha da GNR. O militar teve que saltar para dentro da viatura, senão era atropelado. Aqui o arguido Rui M. saiu do carro e apanhou o comboio até à Estação de Aguim, onde foi avistado e detido por militares da GNR.
O arguido continuou a fuga, no sentido de Sangalhos, embatendo num carro e quase na viatura da GNR de Sangalhos, que entretanto se juntara ao seguimento do quarteto.

Danos. Em Oliveira do Bairro, o arguido quase chocou de frente com duas viaturas, entrando em sentido proibido na Rua Cândido dos Reis, onde foi ultrapassado por um jipe dos militares, agora da GNR de Oliveira do Bairro, que se colocou à frente do carro onde seguia o quarteto que, mesmo assim, embateu na parte lateral do carro da GNR. Os danos no carro da GNR foram de cerca de 400 euros.

Detidos novamente. Os arguidos, no mesmo dia em que foram julgados, foram detidos pela PJ de Aveiro por suspeita de serem os presumíveis autores de um crime de roubo, ocorrido na madrugada de 17 de outubro de 2013, numa residência localizada em Macinhata do Vouga, concelho de Águeda.
Os suspeitos introduziram-se nessa habitação e, utilizando armas de fogo para ameaçar os elementos da família que nela habitavam, apoderaram-se de elevada quantia em dinheiro, joias e de uma espingarda de coleção, prosseguindo ainda as diligências para apurar qual o seu grau de envolvimento noutros crimes ocorridos nos últimos meses no mesmo concelho, nomeadamente em Barrô, onde morreu um idoso, devido à violência física exercida.-
O indivíduo mais velho, já com antecedentes pelo mesmo tipo de crime, ficou sujeito a prisão preventiva e os restantes a termo de identidade e residência.